Coronavírus: MP de SP determina que casal de itapira fique confinado até 31 de março

Em vídeo nas redes sociais, o casal que acaba de voltar da Europa aparece pedalando em uma estrada, enquanto falam que estão infectados e reclamam da reação das pessoas

Jornal GGN – Raquel Cestari e Rodrigo Mariotoni queriam “lacrar” nas redes sociais, mas os vídeos do casal de empresários andando de bicicleta ao livre e satirizando a pandemia que estamos enfrentando, após retornarem da Europa – epicentro da transmissão do novo coronavírus -, foi parar na Justiça, que determinou o confinamento do casal até 31 de março. 

Em ação movida pelo Ministério Público de São Paulo (MPSP), a Justiça determinou, além do isolamento pelo tempo determinado por profissionais da saúde, que o casal passe imediatamente por avaliação médica ou da vigilância epidemiológica para teste do Covid-19.

Em um dos vídeos, o casal aparece pedalando em uma estrada de Itapira, no interior de São Paulo, enquanto falam que estão infectados e reclamam da reação das pessoas. “Fomos confinados pelo mundo da população, porque a nossa saúde está muito debilitada. (…) A gente vai pedalar uns 70, 80 (quilômetros) por dia até onde a nossa saúde vai aguentar. Já que estamos com coronavírus, então vamos levar ele para o mundo do ‘mountain bike'”, disse Raquel.

Em um segundo vídeo, o casal afirma que realizou o teste, que deu resultado negativo para o coronavírus, mas que ainda não haviam realizado a contraprova.

Para o promotor de Justiça Márcio Guimarães os vídeos do casal demonstram “descaso com a saúde da população de Itapira, ignorando completamente o período de isolamento”.

Segundo a Promotoria, a atitude dos dois moradores de Itapira também revelou “ausência de comprometimento em impedir a introdução ou a propagação da severa doença acima mencionada que já ceifou a vida de inúmeras pessoas pelo mundo e agora também no Brasil”. 

A decisão assinada pela juíza Hélia Regina Pichonato, também determina que caso o casal não cumpra a sentença a pena é de multa diária de R$ 10 mil, de acordo com informações do G1.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Direto de Beirute, jornalista Ali Farhat fala ao GGN sobre a megaexplosão e a tirania dos EUA

4 comentários

  1. Medida certíssima!! E é sempre assim: os que podem viajam pro exterior e, ao retornar, trazem a doença e quem paga são aqueles que não têm plano de saúde decente e precisam enfrentar a fila no SUS, ou seja, os pobres. Deveriam ser processados se diagnosticados com a Covid-19.

  2. Apesar da palavra originar-se do tupi-guarani, ita = pedra e pira – ponta – ponta de pedra, o termo pirou (pirado), relacionado a loucura, vem de uma alcunha com que Itapira ficou conhecida “a cidade dos loucos”, assim como Barbacena em MG. Itapira tem 3 grandes hospitais psiquiátricos, inclusive um dos maiores e mais antigos da América Latina (Bairral), além da Cristália que cresceu tanto que em épocas do governo Lula se tornou um uma grande indústria farmacêutica, principal fabricante de anestésicos do país.
    Estou certo de que não foram as boas águas minerais da região e nem mesmo a fuga de algumas das clínicas que fez o casal pirar. Não diria nem que foi desejo de aparecer, pois parece que inicialmente foram postagens para seus grupos familiares. Parece mais resultado de insensibilidade, insensatez e indiferença, tão comuns hoje em dia. Humanismo em baixa, resultado direto é menos empatia e mais apatia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome