Corregedor ignorou conduta grave de Dallagnol “por consideração”

Fiscal máximo da atuação dos procuradores viu problema em palestras mas não abriu processos administrativos

Foto: Lula Marques/PT

Do Brasil de Fato

“Só quero lhe dizer q liguei em consideração a vc é ao Januário [procurador Januário Paludo]. Como Corregedor, na verdade, não me competia fazer o q fiz”, disse ao procurador da Lava Jato, Deltan Dallagnol, em julho de 2017, o então corregedor-geral do Ministério Público Federal, Hindemburgo Chateaubriand Filho.

A conversa, revelada nesta quinta-feira (8) em parceria entre Folha de S. Paulo e The Intercept Brasil, mostra mais um episódio de promiscuidade na Justiça entre quem acusa e quem fiscaliza. O assunto, no caso, eram as palestras de Dallagnol.

O corregedor aconselha o procurador, informalmente, a não monetizar a Lava Jato e alerta que gerou inúmeras críticas dentro do meio judicial. Hindemburgo e Deltan combinaram extraoficialmente que ele não apresentaria à corregedoria as empresas que pagaram por suas palestras para “evitar repercussão negativa”, diz a reportagem.

Deltan, que cogitou criar uma empresa de palestras para lucrar com a fama alcançada na Lava Jato, projetando ganhos de R$ 400 mil com a atividade.

A conversa teve início após Dallagnol divulgar em sua página pessoal do Facebook um convite para o evento  “Operação Lava Jato – Passado, presente e futuro – A Lava Jato na visão de quem está no olho do furacão”.

O evento, que seria realizado na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP) em 4 de julho, três dias depois da publicação, tinha ingresso com custo de R$ 80, a ser doado para instituição de caridade e prometia revelações inéditas.

Leia também:  Juiz entende que MPF adulterou diálogos entre Temer e Joesley e absolve ex-presidente

“Venha conhecer pessoalmente os procuradores da Lava Jato em Curitiba e ficar por dentro do que está acontecendo na operação – em primeira mão!!”, dizia.

Questionada pela reportagem, a Corregedoria-Geral do Ministério Público Federal disse que o titular do órgão não precisa ter distanciamento dos promotores como dos juízes.

A força-tarefa da Lava Jato disse que a antecipação de informações ao corregedor está dentro da legalidade.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. Ao que parece, o crime de prevaricação caiu em desuso ou, pior, o CNMP avocou a competência do Parlamento para revogar a aplicação do Código Penal em relação à conduta de seus próprios membros. Direito Penal do amigo, entendem?

  2. Para alguns operadores do direito, como o Ministro Marco Aurélio de Melo, arco Aurélio Mello, processo não tem capa, tem conteúdo. Já para outros, o processo não em conteúdo, tem capa.

    Eita Republiqueta do Bananistão

  3. Corrupção? Isso é coisa de petista e do Lula ladrão. Nós estamos apenas aproveitando a onda e vamos surfando, com apoio dos nossos.

  4. “O corregedor aconselha o procurador, informalmente, a não monetizar a Lava Jato e alerta que gerou inúmeras críticas dentro do meio judicial”:

    Quem nao “criticou” no meio judicial so chamou ele de “corrupto” ou partiram de cara pro “corrupto filho da puta” mesmo???

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome