Criminoso, incêndio no Pantanal repercute na imprensa internacional

Nuvem de fuligem do fogo dirige-se para São Paulo como quase um quinto do Pantanal destruído pelo incêndio, diz The Guardian

Centenas de animais foram mortos pelos incêndios no centro-oeste do Brasil. Fotografia: Carlos Ezequiel Vannoni / EPA

The Guardian

Incêndios em áreas úmidas brasileiras são provocados por humanos e agravados pela seca

Os incêndios que devastaram uma região de pântanos tropical brasileira famosa por sua vida selvagem foram iniciados por humanos e exacerbados por sua pior seca em quase 50 anos, de acordo com autoridades brasileiras, bombeiros e grupos ambientalistas.

Imagens de cobras cremadas, antas cozidas até a morte e onças com patas queimadas e enfaixadas na região do Pantanal, no centro-oeste do Brasil, horrorizaram os brasileiros em uma época em que os incêndios também arrasam as florestas da Amazônia. Uma nuvem negra de fuligem de incêndios se dirige para São Paulo.

“É um cenário desolador”, disse Fernando Tortato, um cientista pesquisador do grupo sem fins lucrativos Panthera, que administra uma fazenda no Pantanal onde as onças viviam.

Desde que um número recorde de incêndios começou em julho , quase um quinto desse bioma único foi destruído. As autoridades locais prometeram pegar os responsáveis.

“Alguém começou o incêndio”, disse Mauro Mendes, governador do estado de Mato Grosso, jurando que “quem cometer um crime não dormirá facilmente”.

Em 14 de setembro, uma operação da Polícia Federal visou criadores de gado suspeitos de iniciar incêndios que destruíram 25.000 hectares, invadindo cinco fazendas de gado na remota área da Serra do Amolar, no sul do Pantanal, e quatro casas em cidades próximas.

“Essas fazendas estão em locais inóspitos, então é difícil que o incêndio tenha começado acidentalmente”, disse o policial federal Alan Givigi ao Guardian. “Os indícios são de que a vegetação nativa foi incendiada para preparar pasto para o gado”.

Havia tanta fumaça em Corumbá – de onde foi lançada a operação – que os helicópteros da polícia não conseguiram voar e os policiais viajaram de barco. Um agricultor foi preso por porte ilegal de arma, mas nenhuma acusação foi registrada.

Leia também:  Trump e Bolsonaro articulam barrar a China na OMS, diz colunista

Alexandre Pereira, bombeiro do órgão federal de meio ambiente Ibama, no mesmo estado de Mato Grosso do Sul, disse que 96-98% dos incêndios atuais na região têm causa humana. Os agricultores tradicionalmente usam o fogo para limpar a pastagem, mesmo na estação seca,

“Eles o usam nesta época do ano para alcançar mais terras com mais rapidez”, disse ele. A expansão da pecuária no Pantanal oriental também está causando o desmatamento, disse ele – que, segundo a plataforma Mapbiomas, dobrou no Pantanal de janeiro a julho em relação ao ano passado.

A análise de imagens de satélite do The Life Center Institute (ICV), um grupo ambiental local, descobriu que até 17 de agosto, 67% dos incêndios que destruíram 480.000 hectares começaram em apenas nove locais – cinco dos quais eram propriedades privadas. “Este incêndio é criminoso”, disse Alice Thuault, diretora adjunta do ICV. “É difícil imaginar que não esteja conectado a um cálculo sobre a impunidade.”

O ministério da defesa disse que 14 aeronaves e 200 pessoas estão ajudando. Mas o presidente de extrema direita, Jair Bolsonaro, parece desconsiderar a crise. No início deste mês, o vídeo de uma reunião ministerial mostrou Bolsonaro e seus ministros rindo quando questionados sobre os incêndios no Pantanal.

Na quarta-feira, Bolsonaro tentou culpar sertanejos e indígenas pelos incêndios na Amazônia e no Pantanal. Mas as imagens de satélite mostraram incêndios que afetaram 83% da reserva indígena Baiá do Guató no Pantanal começaram fora de suas fronteiras.

As chamas destruíram plantações, deixando a tribo Guató sem comida, e ameaçaram os peixes que comem e vendem aos hotéis locais. “Fazemos parte dessa natureza, convivemos com ela no dia a dia e foi tudo devastado”, disse Alessandra Guató, uma líder tribal.

Leia também:  Giro GGN: As notícias do Brasil e do Mundo

André Thuronyi, que cria 500 cabeças de gado, cria cavalos e administra uma pousada ecológica no Pantanal, disse que um terço de seus 3.000 hectares foi queimado e três fogos ainda estão queimando. Ele encontrou rastros de motocicletas perto do ponto onde um incêndio começou. “Tenho certeza absoluta de que isso foi criminoso”, disse ele.

Agricultores do Pantanal dizem que o fogo controlado costumava ser aplicado durante a estação das chuvas para reduzir a matéria orgânica. Desde que isso foi proibido, matéria orgânica seca se acumulou e os incêndios podem queimar no subsolo. “Tínhamos previsto que isso poderia acontecer”, disse Arlindo Moraes, presidente do sindicato agrícola de Poconé, observando que pouca chuva havia caído desde 2018.

Carlos Nobre, um importante cientista da mudança climática, disse que o aquecimento global intensificado pelo desmatamento na região do Cerrado ao redor do Pantanal fez com que a região não inundasse entre outubro e maio, como costuma acontecer. “Devemos esperar mais secas no futuro”, disse ele.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome