Deltan se inspira no “Manual do Inquisidor” do século 16, diz Lira Neto

Mensagens reveladas pelo Intercept mostram que Deltan usava bloqueio de bens no Brasil e exterior para por candidato a delator de "joelho" e obrigá-lo a fechar um acordo favorável ao MPF

Jornal GGN – O escritor Lira Neto usou seu Twitter nesta quinta (29) para chamar atenção para um livro que parece ter inspirado a atuação de Deltan Dallagnol e outros procuradores de Curitiba na Lava Jato: o “Manual do Inquisidor”, escrito por Nicolau Eymerich em 1376, e revisto e ampliado por Francisco de La Peña em 1578.

Nesta quinta (29), o Intercept revelou mensagens de Telegram em que Deltan escancara o método da Lava Jato para obrigar um investigado a fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal: bloquear o patrimônio, para depois “ir lá e dizer que ele perderá tudo. Colocar ele de joelhos e oferecer redenção.”

Segundo Neto, as mensagens que Deltan lembram dois trechos do Manual. O primeiro diz do perfil do inquisidor, que deve fingir simpatia e dizer que está oferecendo a melhor maneira de o acusado se livrar das consequências mais drásticas de sua acusação.

“Se o acusado teimar em negar o crime, deverá o interrogador dizer […] que desagrada o ter que se ver obrigado a deixá-lo apodrecer na prisão, que bem desejava tirar a limpo toda a verdade da sua boca a fim de o poder mandar embora.”

A outra passagem autoriza o inquisidor a valer-se de “manha” para atingir seus objetivos. “Poderá o Inquisidor valer-se de semelhante manha, com o fim de descobrir a verdade? […] Conquanto uma tal forma de fingimento seja desaprovada por Juliano Clarius e outros jurisconsultos, julgo que dela se poderá usar nos tribunal da Inquisição”.

Nas redes sociais, internautas compartilharam as mensagens de Deltan destacando que são mais um indício de que as delações premiadas não foram espontâneas, como determina a lei.

Leia também:  Refundação do Brasil passa por desencarcerar e descriminalizar a cannabis, diz Valois

Ao longo da operação, juristas e criminalistas que atuam na defesa dos réus da Lava Jato já questionaram o expediente de usar prisões preventivas à exaustão para obter delações.

 

O GGN prepara uma série de vídeos mostrando a interferência dos EUA na Lava Jato. Quer apoiar o projeto? Acesse www.catarse.me/LavaJatoLadoB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

5 comentários

  1. Deltan se inspira no “Manual do Inquisidor” do século 16, diz Lira Neto

    Acho que além de todo esse expediente de ameaças ao patrimônio dos encarcerados, eles ameaçavam também de encarceramento os seus familiares. Isso precisa ser investigado!!!!!!!!!!!

  2. Mais uma vez: on neo evangelicos que os Estados Unidos exportou pro m7ndo todo a partir dos anos 80 sao ARSENAL DE GUERRA.

    Eh por isso que eles sao tao burros: eles so querem explodir perto do numero maximo de vitimas.

    Comparem esses MERDAS com os “crentes” (era o nome deles) batistas, luteranos, e outros que voces ja tiveram em suas proprias familias ate os anos 80, gente.

    Sao a mesma coisa ou os neo evangelicos sao mentalmente aleijados?

  3. O bolso é a parte mais sensível do corpo humano. De acordo com Karl Marx, a Igreja de Inglaterra, por exemplo, perdoará muito mais facilmente um ataque a 38 dos seus 39 artigos de fé do que a 1/39 dos seus rendimentos.

    O Dallagbosta sabe disso e usou essa tática na Lava Bosta. Ao conseguir sucesso, garantiu a impunidade dos delatores ao mesmo tempo em que branqueou o patrimônio deste, fruto de ilicitudes.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome