“Denúncias” de Damares não chegaram às autoridades responsáveis

Tatiane Correia
Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.
[email protected]

Polícia Federal, Ministério Público Federal e Secretaria de Segurança do Pará desconhecem crimes listados por ex-ministra em culto evangélico

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Nem a Polícia Federal e nem o Ministério Público Federal (MPF) tiveram conhecimento dos crimes cometidos contra crianças na ilha do Marajó, no Pará, ao contrário do que afirmou a ex-ministra e senadora eleita Damares Alves (Republicanos) no último sábado.

Nesta segunda-feira (10/10), o Ministério Público Federal (MPF) enviou ofício à secretária executiva do Ministério da Mulher, Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), Tatiana Barbosa de Alvarenga, solicitando dados sobre os crimes citados pela ex-ministra.

O MPF também pede que o MMFDH informe quais providências tomou ao descobrir os casos e se houve representação (denúncia) ao Ministério Público ou à Polícia.

Ao mesmo tempo, fontes da Polícia Federal ouvidas pela jornalista Malu Gaspar, do jornal O Globo, afirmaram que diversos crimes de pedofilia na região Norte estão em investigação, mas nenhum deles com as características listadas pela ex-ministra.

Nem mesmo a Secretaria de Segurança Pública do Pará, que poderia ter sido acionada caso os crimes listados pela senadora eleita fossem denunciados, recebeu denúncias relacionadas a tais crimes.

Suposto tráfico de menores

Em culto evangélico realizado no último final de semana na cidade de Goiânia (GO), Damares afirmou que crianças do Marajó são traficadas para o exterior e submetidas a mutilações corporais e a regimes alimentares que facilitam abusos sexuais.

Além disso, Damares ressaltou aos presentes que o número de estupros de recém-nascidos “explodiu” e que o Ministério possui imagens de crianças de oito dias de vida sendo estupradas.

Segundo a ex-ministra, um vídeo de estupro de crianças é vendido por preços entre R$ 50 e R$ 100 mil.

Tatiane Correia

Repórter do GGN desde 2019. Graduada em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS), MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Com passagens pela revista Executivos Financeiros e Agência Dinheiro Vivo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador