Dodge defende usar dinheiro da ONG da Lava Jato na Amazônia

A PGR discute novos meios de usar o recurso em favor da União, contrariando os planos dos procuradores de Curitiba, que queriam injetar a verba bilionária em ações subjetivas de combate à corrupção e programas sociais

Jornal GGN – A procuradora-geral Raquel Dodge acolheu sugestão do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e passou a defender que uma parte dos R$ 1,2 bilhão que iria para a ONG ou fundação da Lava Jato, agora seja destinado à Amazônia.

O GGN prepara uma série de vídeos sobre a interferência dos EUA na Lava Jato e a indústria do compliance. Quer se aliar a nós? Acesse: www.catarse.me/LavaJatoLadoB

O acordão entre Petrobras e procuradores de Curitiba que daria vida à ONG bilionária foi suspenso no Supremo Tribunal Federal depois que Dodge, que não participou das negociações no Brasil ou nos EUA (o dinheiro é fruto de multa aplicada pelo Departamento de Justiça à Petrobras), resolveu mover uma ação.

A PGR discute novos meios de usar o recurso em favor da União, contrariando os planos dos procuradores de Curitiba, que queriam injetar a verba bilionária em ações subjetivas de combate à corrupção e programas sociais.

“Considero necessário ao interesse público a repartição dos valores e destinação dos recursos para incluir a proteção ambiental sustentável, o que atende a toda a sociedade brasileira”, defendeu Dodge, que também quer que os recursos impulsionem educação, tecnologia e primeira infância.

A Amazônia receberá um fundo de mais de 80 milhões de dólares do G7, depois de o governo Jair Bolsonaro incentivar queimadas em diversos estados.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Renato Lazzari

- 2019-08-26 20:22:50

Boa, Raquel! Em vez da destinar a caixinha que os EUA dariam a Dallagnol via a firma que ele criaria, ainda que disfarçada de ONG, destinem a caixinha a... Dallagnol, mesmo, via terras de sua família em Nova Bandeirantes, no Mato Grosso (e parte da Amazônia legal). Dê esse dinheiro a amigos fazendeiros e grileiros da região de Nova Progresso, também parte da Amazônia legal - os mesmos que tocaram o fogo - para que eles comprem mangueiras, baldes, regadores...

Lúcio Vieira

- 2019-08-26 16:21:08

A grana que ia ser queimada pela gangue lavajatista vai ser levada pela trupe que a gangue ajudou a eleger. É mesmo um país de gente indecente e incendiária. Espera-se que agradeçam à Petrobrás e ao pré-sal, já que não há os que investiguem e apliquem o cumprimento das leis aos seguidores do padrão lavajatista/bolsonarista de destruir para lucrar com o rescaldo.

Ivan de Union

- 2019-08-26 16:07:02

Em outras palavras, O FUNDO ENCOLHEU PARA 1.2 BILHAO DE REAIS EM DOIS ANOS!!!! E ate hoje eh dinheiro de ninguem PORQUE O ACORDO FOI ASSINADO ILEGALMENTE COM O GOVERNO DOS ESTADOS UNIDOS POR PROCURADORES DE MERDA DO PARANA... Como eh que eh?????`??

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador