Flávio quer foro privilegiado na investigação sobre rachadinha com Queiroz

Senador também move recurso para emplacar tese de que seu sigilo fiscal foi violado sem ordem judicial

Jornal GGN – Depois de gravar vários vídeos para as redes sociais defendendo o fim do foro privilegiado, o senador Flávio Bolsonaro mais uma vez caiu em contradição e mobilizou advogados para levar o caso Queiroz a tramitar na segunda instância.

Investigado por lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa, o filho do presidente Jair Bolsonaro argumenta que era deputado estadual à época da apuração dos fatos.

Na última segunda (2), de acordo com a Folha de S. Paulo, Flávio moveu dois recursos: um para conseguir o foro privilegiado para si. Outro, para reverter decisão do Tribunal de Justiça do Rio, que rejeitou pedido para suspender as investigações porque o sigilo bancário de Flávio teria sido violado sem autorização judicial.

Na primeira instância do Rio de Janeiro tramita o inquérito que apura o esquema de rachadinha no antigo gabinete de Flávio, conduzido pelo ex-assessor Fabrício Queiroz – que movimentou mais de R$ 1 milhão por ano de maneira suspeita. O juiz do caso é Flávio Itabaiana, que tem imposto derrotas ao Bolsonaro.

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

2 comentários

  1. Em março de 2018 e com o filho do lado, Jair Bolsonaro gravou um vídeo criticando o foro privilegiado. Citando processos contra ele no STF, sugeriu abrir mão do benefício.

    “Não quero essa porcaria de foro privilegiado”.

    Isso me lembra da peça teatral “Liberdade, Liberdade”

    Dizia-se que um general fascista defrontando-se com uma dificuldade militar afirmou:

    “Este é um problema que qualquer criança de três anos é capaz
    de resolver”.

    Minutos depois o General Fascista ordena:

    “Eu… humm… tragam-me uma criança de três anos”.

    Eu não quero porcaria de foro privilegiado. Tragam-me um Fux ou um Barroso, ou mesmo uma Carmem Lúcia ou até um Toffoli. Só não me tragam um Lewandovsky. Se não as rachadinhas vão pro brejo

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome