Flexibilização em SP pode aumentar mortes por covid-19 em 71%, dizem pesquisadores

Levantamento mostra que flexibilização deve levar à morte de 10.300 pessoas a mais do que o esperado

Jornal GGN – Um estudo feito pela FGV e a USP indica que a flexibilização da quarentena em São Paulo vai custar 10,3 mil mortes por coronavírus a mais do que o esperado.

Segundo a projeção, sem o Plano São Paulo, que afrouxou as regras de isolamento social, o Estado teria mais 5,5 mil mortes até a primeira semana de julho. Esse cenário considera o grau de quarentena e o crescimento no número de mortes ao longo de maio.

Com a quarentena relaxada, além das 5,5 mil mortes, outras 10,3 mil seriam computadas, representando um aumento de 71% em relação às projeções sem Plano São Paulo em andamento.

“O total de mortes notificadas no estado alcançaria, assim, 24.900, dizem os pesquisadores”, anotou a Folha de S. Paulo desta segunda (15).

São Paulo atingiu 10,5 mil mortes no último final de semana.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora

3 comentários

  1. O grande slogan da USP é “a USP não vai parar”.
    Deveriam tomar mais cuidado quando escrevem “USP” de modo tão genérico e indeterminado. Quem são as pessoas envolvidas na pesquisa?
    Afinal, se fosse pela Reitoria, os funcionários continuariam trabalhando. Mas aí, o Doria baixou a quarentena…

    • Também quis saber dos dados dessa notícia (que saiu aqui, na folha e em diversos ‘replicadores’ – como olhar digital). em nenhum lugar tem mais detalhes da pesquisa. Achei desinformação noticiar sem esta possibilidade de avançar para os detalhes… E concordo com o seu ‘nome’ aqui: Informar não ofende.

      Sugiro ao GGN, buscar estes dados e nos deixar continuar a leitura e entendimento da notícia como um todo.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome