GGN Covid: 100.000 mortos pelo Coronavirus, no mais completo levantamento

    Apresentamos um relatório especial sobre a incidência do Covid-19 no Brasil.

    Ontem o país superou a marca dos 3 milhões de casos e dos 100 mil óbitos. O balanço da pandemia é o seguinte.

    Dados gerais

    No balanço do dia, a média diária semanal de casos continua superior a 43 ml e a de óbitos baixou um pouco dos mil casos diários.

    Em relação a 30 dias atrás, há uma redução de 2,58% nos novos casos e de 5,29% nos novos óbitos.

    Em termos percentuais, os maiores aumentos em de casos (em 7 dias) foram do Pará, Tocantins, Acre, Rio Grande do Sul e Rondônia. E, em óbitos, do Pará, Amapá, Amazonas, Minas Gerais e Ceará.

    Quando se analisam os dados totais na semana, São Paulo continua destacadamente na frente, tanto em número de óbitos quanto de casos.

    No gráfico que compara os maiores aumentos, percebe-se o crescimento notável de casos e óbitos no Tocantins.


    Balanço das regiões

    Nesses gráficos, comparamos a variação de casos dos estados por região partindo de uma base 100 no dia 1o de maio.

    Norte – Acre, Roraima e Pará experimentaram novos aumentos do número de casos diários. Em óbitos diários, Roraima e Rondônia estão bem à frente dos demais.

    Nordeste – em novos casos e óbitos, Piauí experimenta um grande crescimento.

    Sudeste – Minas Gerais continua com crescimento destacado em casos e óbitos.

    Sul – todos os três estados do sul em franco crescimento de casos e óbitos.
    Centro-Oeste – crescimento acentuado em todos os estados, mas com destaque negativo para Mato Grosso.

    Mapa com o comportamento nos últimos 7 dias

    Os dois mapas abaixo mostram o comportamento dos estados nos últimos 7 dias, de acordo com a média de novos casos e novos óbitos. As cores mais escuras significam maior incidência.


    O comportamento per capita nos estados

    Esse dado é relevante, para identificar os casos mais graves, dentre os estados. A conta é do número de casos por 100.000 habitantes.

    Percebe-se que a região mais afetada é o Norte. Mas chama atenção o Distrito Federal, com o 3o maior número de casos por 100.000.

     

    Regiões de saúde

    Por aqui, se identificam os maiores casos per capita por regiões de saúde. Os dois primeiros gráficos mostram o aumento nos últimos 7 dias. O terceiro é mais relevante: mostra o acumulado de casos por 100.00 habitantes.

    A aérea sudoeste do Amapá, o centro norte do Mato Grosso e Madeira-Mamoré em Rondônia lideram os casos.

    População por região com nível de crescimento da doença

    A tabela abaixo mostra a divisão da população do país de acordo com percentuais de crescimento da doença em 7 dias. Ou seja, dividimos as regiões por percentuais de crescimento da doença e somamos a população de cada faixa.

    Nota-se que 25 milhões de pessoas moram em regiões com níveis de crescimento da doença de mais de 50% na última semana. Outros 97 milhões moram em regiões com níveis de crescimento semanal de 20% a 50%. Apenas 1,698 milhão moram em regiões com o nível de crescimento da doença relativamente controlado.

    Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

    Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

    Apoie agora