Indonésia começa vacinação com a Coronavac e põe idosos no final da fila

Nos testes realizados na Indonésia, a eficácia da Coronavac ficou em 65,3%, mas os pesquisadores brasileiros disseram que a vacina é 50,4% eficaz

Foto: Reuters

Jornal GGN – Apenas dois dias após aprovar o uso emergencial da vacina chinesa Coronavac, a Indonésia começou nesta quarta (13) uma das maiores campanhas de vacinação em massa do mundo, com o objetivo de chegar a dois terços de sua população de 270 milhões de pessoas, para atingir a imunidade de rebanho e interromper as cadeias de transmissão do novo coronavírus.

Os profissionais de saúde, os funcionários públicos e a população ativa são os grupos prioritários na campanha de imunização. Os idosos ficarão para depois, informou a Reuters.

O presidente Joko Widodo foi o primeiro cidadão a receber, diante da imprensa, a primeira dose de Coronavac, desenvolvida pela chinesa Sinovac Biotech. A Indonésia adquiriu 122,5 milhões de doses do imunizante, além de mais 330 milhões de doses das vacinas da Astrazeneca e da Pfizer.

O ministro da Saúde da Indonésia, Budi Gunadi Sadikin, disse que cerca de 1,5 milhão de profissionais da área da saúde serão vacinados até fevereiro de 2021, seguidos por funcionários públicos e a população em geral ao longo de 15 meses. O custo da campanha para chegar aos dois terços da população gira em torno de 5 bilhões de dólares.

Ao contrário de muitos países, disse a Reuters, a Indonésia pretende vacinar primeiro a sua população ativa, em vez dos idosos, “em parte porque não possui dados suficientes de ensaios clínicos sobre a eficácia do CoronaVac em idosos.”

A Indonésia informou que, em seus testes clínicos, a Coronavac mostrou uma taxa de eficácia de 65,3%, mas pesquisadores brasileiros do Instituto Butantan disseram na terça (12) que a vacina tem uma taxa global de eficácia de 50,4% – dentro do patamar considerado aceitável pela Organização Mundial da Saúde. Na Turquia, a CoronaVac mostrou uma eficácia de 91,25% com base na análise provisória.

Leia também:  MDB anuncia Simone Tebet para concorrer à presidência do Senado

A Indonésia registra quase 25 mil mortes por Covid-19 e mais de 858 mil casos confirmados.

Sem vacinas aprovadas pela Anvisa, o Ministério da Saúde no Brasil ainda não estabeleceu uma data para a execução do plano nacional de imunização. O governo de São Paulo, onde a Coronavac foi testada e será fabricada pelo Instituto Butantan, afirma que começará a campanha no dia 25 de janeiro, mesmo que a pasta de Saúde atrase o planejamento federal.

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

4 comentários

  1. O presidente Joko Widodo é idoso, então deveria ter ido para o fim da fila, visto que os idosos serão os últimos a receber a vacina.

    3
    2
      • Eu tenho 64 anos.
        Eles deveriam ter começado a vacinar pelas pessoas idosas, que são as mais vulneráveis, porém como utilizaram esse critério, de deixar os idosos na fim da fila da vacinação, então o presidente deveria aguardar a sua vez, lá no fim da fila.

    • Não querendo proteger o presidente, mas te explicando o obvio.
      1- O presidente do pais tomando a vacina ao-vivo incentiva os outros a se vacinarem.
      2- “Os profissionais de saúde, os funcionários públicos e a população ativa são os grupos prioritários na campanha de imunização.”
      Ele é o presidente, logo é funcionário público e faz parte da população ativa. Caso um idoso de 80 anos trabalhe, ele será da população ativa.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome