Inflação dos mais pobres volta a subir em setembro

Indicador Ipea mostra que variação de preços para os mais carentes foi de 0,98%, e taxa da classe mais rica chegou a 0,29%

Foto: Reprodução

Jornal GGN – A variação de preços registrada pela população mais carente chegou a 0,98% em setembro, ficando bem acima dos 0,29% vistos pela classe mais rica, segundo o índice de inflação por faixa de renda pesquisado pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

Com isso, o índice do Ipea no acumulado do ano atingiu 2,5% para a população de renda muito baixa – mais de oito vezes superior à da parcela de renda alta (0,2%). O primeiro grupo compreende famílias com rendimentos domiciliares mensais menores que R$ 1.650,00, enquanto na parcela de maior poder aquisitivo eles ultrapassam R$ 16.509,66.

A inflação avançou para todas as faixas da população em um período de 12 meses, mas foi maior (4,3%) para a classe de renda muito baixa e menor para a parcela mais rica (1,8%). Na comparação com setembro de 2019, a inflação das famílias de menor renda disparou de -0,10% para uma alta de 0,98% –, enquanto a evolução para a classe mais rica foi menos significativa (0,27 ponto percentual).

Segundo os dados divulgados, quase 75% da variação total da inflação das famílias mais pobres em setembro veio dos alimentos e bebidas, com as altas do arroz (18%), do óleo (28%) e do leite (6%). Itens como materiais de limpeza (1,4%) e do gás de botijão (1,6%) ajudaram a compor a pressão inflacionária para a população mais pobre.

No caso das famílias mais ricas, a alta de preços dos alimentos e da gasolina (2%) foi atenuada pelo recuo nos planos de saúde (-2,3%) e nas mensalidades de cursos diversos, como os de idiomas (-1,5%) e informática (-1,6%).

Leia também:  Giro Econômico GGN: confira um balanço dos mercados internacionais

A desaceleração dos serviços afetou diretamente a inflação para a classe mais abastada: os serviços livres registraram deflação de 0,05% no ano, devido principalmente às passagens aéreas (-55%) aos preços de hospedagem (-9%) e às mensalidades das creches (-1,7%).

 

Leia Também
Brasil deve registrar rombo em contas públicas até 2025
“Pandemia foi superdimensionada” e “tivemos alguns sucessos”, diz Bolsonaro
Pacote fiscal de Doria, que acaba com estatais e fundações, é aprovado
Crise alimentar: Fim da renda emergencial fará Brasil lembrar a África do passado

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome