Jair Bolsonaro volta a criticar cobertura da mídia

Presidente acusa imprensa de "destruir reputações" e dá “banana” a jornalistas

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar a imprensa neste sábado (08/02), ao se mostrar insatisfeito com a cobertura dos jornais sobre o seu posicionamento quanto aos custos que um portador do vírus HIV trazem para o Brasil.

Segundo informações do jornal Correio Braziliense, Bolsonaro reforçou o entendimento de que “qualquer pessoa com HIV é custoso para o mundo” e, em determinado momento, usou os braços para dar uma “banana” aos jornalistas que o esperavam na saída do Palácio da Alvorada.

Na última quarta-feira (5/2), durante o lançamento da campanha de abstinência sexual da ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, Bolsonaro disse que “uma pessoa com HIV, além de ser um problema sério para ela (si própria), é uma despesa para todos aqui no Brasil”.

Para Bolsonaro, ao agir dessa maneira, a imprensa “só faz fofocas” ao agir dessa maneira, e disse ainda que está sendo manchado pelos jornalistas e “levando porrada de tudo quanto é grupo de pessoas que tem esse problema lamentavelmente”.

Bolsonaro também criticou os veículos de comunicação pelas reportagens produzidas após a sua fala da última quarta-feira de que ele zeraria os tributos federais sobre combustíveis caso os governadores aceitassem zerar o Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). “Não vi de vocês uma matéria decente sobre ICMS do combustível. Levaram apenas pra um lado, desafiou os governadores. É só fofoca, só intriga, fica ruim conversar com vocês. Sei que muitos de vocês não têm culpa, que passa pela mão do editor que está rindo”, esbravejou o presidente, que completou: “Não dá, não dá. Vou dar uma banana para vocês”.

Leia também:  Duas frentes contra Bolsonaro, por Ricardo Cappelli

O Brasil registrou 208 ataques a veículos de comunicação e jornalistas apenas no ano de 2019, um aumento de 54% em relação ao visto em 2019. Sozinho, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi responsável por 58% de tais ataques, chegando a 121 registros. Os dados constam de balanço elaborado pela Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. A semana que passou também se perdeu como está perdido quase todo o tempo, desde a posse do atual governo. Ela começou com o gravíssimo assunto da importação de Jet Ski; com a negativa de socorrer e repatriar os brasileiros que estavam na China; com a irresponsável denominação, pelo ministro Guedes, de “parasitas” aos servidores públicos; com a preconceituosa classificação de onerosos, para o governo, dos cidadãos e cidadãs do Brasil que foram afetados pelo HIV; presidente assiste ao importantíssimo e inadiável discurso de Trump; presidente sinaliza liberação de áreas indígenas para exploração e extração de minérios; e, para não exaltar demasiadamente os grandes feitos da semana, o presidente a encerra com a cena de uma banana, com os braços, para a imprensa. Que baita competência, não?

  2. Ainda me pergunto por que tem jornalista que se submete a ficar no chiqueirinho ouvindo essas baboseiras. Sinceramente, merecem uma banana.

  3. Ele está se ajustando.
    Pois se este é um país de bananas, o presidente tem mais é que dar bananas.
    Coitados de nós.

    1
    1
  4. Encontrar excrescências até mesmo nas presidências (sem rima) já é um desastrosa barbaridade.
    Pior do que isso é ter uma parte da população que o apoia incondicionalmente em qualquer de suas excrescências.
    Estimo que tal parte esteja em torno de 10% a 15%. Junta-se uns 10% a 15% de conservadores de direita típicos da Casa Grande.
    O resto é de anti-petistas (uns 30% a 40% pontos ou cerca de metade ou mais) evangelizados por décadas de campanha contínua de manipulação, distorção, omissão de fatos. escandalizações e fake-news, simbolizadas por ex. em mensalões, ap470, “jornadas de junho, impeachment, lava-jatos e nas INCRÍVEIS criminalizações ( e condenações!) de um internacionalmente reconhecido e bem sucedido ex presidente (triplex, sítio, Gripen, Instituto, Angola, Quadrilhão, Guiné, Quadrilhão, Zelotes … fora a perseguição familiar).
    Estes (anti-PT), que foram maioria dos eleitores de Bolsonaro) gradualmente estão pulando fora deste inacreditável barco fantasma, mas estão tão impregnados, drogados, intoxicados por esta (bem sucedida) campanha de míRdia que, SE tiverem que escolher entre Bozzo e PT, ficariam ainda com o primeiro.
    Embora saibamos do poder da ciência de manipulação de massas, continua um mistério (pelo menos para mim) como ela funciona dentro da cabeça de amigos e parentes que pensa(áva)mos conhecer.
    Este é o grande desafio do momento!

  5. Sou tendente a crer que, nessa, o Boçalnaro tem razão:nossa imprensa é mesmo uma merda, com exceção da imprensa alternativa como a que costumamos ler aqui. Afinal, uma imprensa que vive esperando migalhas de informação a partir de um boçal, crendo que um dia qualquer ele diga alguma coisa que seja verdadeira, bem educadamente falada, e que demonstre à frente dela (a imprensa) um verdadeiro governante e não um reles palhaço, esse tipo de imprensa só está mesmo recebendo o tratamento que merece: uma banana, um pé na bunda, um xingamento qualquer, que são as únicas coisas que podem vir de um boçal. Jornalistas e repórteres já deveriam ter virado as costas e de preferência peidado na cara do boçal…..mandando-o t.n.c. Mas como são bananas, paus mandados de patrões fdp, sujeitam-se a receber a única coisa que podem vir de lá: coices.

  6. uma vez que os jornalistas e donos de jornais nao se enxergam e nem percebem o ridículo que é encontrar-se no chiqueirinho com o farsesco/grotesco/ridículo todos os dias,o ridículo/grotesco confessa e manda uma banana a todos para ver se esses idiotas aprendem a se respeitar.
    essa é a linguagem de um tempo que morre (os caras peidam e cagam pela boca e são aplaudidos pela patuléia amestreada)à espera de um novo tempo que, espero, seja, socialista.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome