Kassio Nunes nega articulação de Wessef sobre sua nomeação e muda discurso sobre segunda instância

Declarações foram dadas durante videoconferência com seis senadores nesta terça-feira, 6 de outubro

Foto: TRF-1

Jornal GGN – O desembargador Kassio Nunes, indicado por Jair Bolsonaro (sem partido) para assumir o cargo do ministro Celso de Mello no Supremo Tribunal Federal (STF), negou que sua indicação tenha apadrinhamento de Frederick Wassef, advogado do clã Bolsonaro, e afirmou que cabe ao Congresso decidir sobre temas como da prisão em segunda instância.

As declarações foram dadas durante videoconferência, nesta terça-feira, 6 de outubro, com seis parlamentares. Questionado por Marcos do Val (Podemos-ES) sobre a prisão de segunda instância, o desembargador comentou que “essa matéria está na competência do Congresso”

Anteriormente, Kassio Nunes já havia defendido em entrevista a possibilidade do cumprimento de pena após condenação em segunda instância, mas não de maneira automática.

“Eu sou da natureza de juiz daqueles que respeita a decisão do Parlamento. O que o parlamento decidir será aplicado”, completou em sua justificativa à Marcos do Val.

Na mesma ocasião, Kassio Nunes ressaltou que sua indicação ao STF foi uma escolha de Bolsonaro, sem apadrinhamentos. A declaração vai na contramão de opiniões de ministros do STF, que apontam Frederick Wassef como o articulador da indicação.

Com informações de O Globo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Rede pede ao STF que estados e municípios possam ter planos próprios de vacinação

2 comentários

  1. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. Nada de limpo e ético pode-se esperar desse desgoverno bolsonazi: até mesmo a indicação de alguém para o stf (atropelando a aposentadoria do Mello) corre por conta de investigados e réus. Quanto à prisão após condenação em segunda instância, erra o dito cujo (cujo conhecimento jurídico, sabem as emas, é deficitário), pois, a aprovação de algo pelo congresso, em si (mais ainda, nos dias de hoje), não é prova irreparável no que diz respeito à constitucionalidade. Portanto, considerando-se os dizeres da CF, em vigor, com certeza que o assunto voltaria a ser debatido (aprovado ou não) em votação magistral. Mas, isso ele não sabe, pois, como os outros, chegou ao tribunal por conta das injunções politiqueiras das oab da vida (intimamente chama de “quinto dos infernos).
    Haja paciência.

  2. Não saberia dizer que apito toca,mas Cara de Coco Piauiense vai surpreender muita gente.A minha dúvida é se vai ser conseguir ser pior dos que lá estão.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome