“Lava Jato é pai e mãe do bolsonarismo”, diz Gilmar Mendes

Ministro lembrou que Moro vazou delação de Palocci às vésperas da eleição, sendo "inquestionável que o então juiz atuava como cabo eleitoral do governo que ele passaria a integrar"

Foto: Agência Brasil

Do Conjur

Quem elegeu Jair Bolsonaro foi a “força tarefa” da “lava jato”, que tinha no seu comando o juiz Sérgio Moro e como assessores, os jornalistas que cobriam as condenações em série que celebrizaram seus protagonistas. Não exatamente com essas palavras, mas com essa concatenação, o ministro Gilmar Mendes, do STF, revisitou, neste sábado (2/5), a produção do atual momento político brasileiro, em entrevista à Rádio Gaúcha (link aqui).

“Isso foi fruto de uma ampla construção”, analisou o ministro. Especialmente do eco que a imprensa deu “aos eflúvios, às emanações de Curitiba, da ‘lava jato’”. O itinerário foi simples e eficiente: “Se o Supremo decidia alguma coisa que afetava a ‘lava jato’, o STF é que estava errado — nesse contexto que se desenvolveu o repúdio contra o STF, do qual a mídia foi parceira”.

Para Gilmar, a ‘lava jato’ é o pai e a mãe do bolsonarismo. Desse bolsonarismo vitorioso”. Instado a analisar a colisão de Moro com Bolsonaro, o ministro tentou cautela, mas ressalvou que não se pode ignorar os fatos: ao vazar graves acusações, baseadas em pretensa delação de Antônio Palocci, às vésperas da eleição, é inquestionável que o então juiz atuava como cabo eleitoral do governo que ele passaria a integrar. “A mim me bastam os fatos”, disse o ministro do STF.

Bem humorado, Gilmar lembrou o dia em que Paulo Guedes, já ministro da Economia, contou-lhe que antes mesmo da posse pedira aquiescência de Bolsonaro para convidar Moro para o governo. E recordou o quanto Guedes ficou curioso ao ouvir que ele “deveria escrever isso na sua biografia”. O motivo seria uma inestimável contribuição com o Brasil — que seria tirar Moro de Curitiba.

Leia também:  Deltan mostra que Lava Jato é movimento político, diz Rodrigo Maia

Os jornalistas pediram avaliação de Gilmar sobre o episódio em torno do livro de Rodrigo Janot, em que o ex-procurador disse que se embriagava durante o dia, na PGR, e que certa vez foi armado ao Supremo, pensando em atirar no ministro e matar-se depois. “Isso mostra a tristeza desse período”, comentou o ministro, rememorando que a própria imprensa apurou que, no dia indicado por Janot, ele sequer estava em Brasília. “Se esses falsos heróis fossem obrigados a pedir desculpas pelo mal que fizeram ao país, precisariam de mais duas ou três vidas para se redimir”, afirmou Gilmar depois da entrevista.

Questionado sobre a Comissão de Inquérito do Congresso criada para investigar a fabricação de notícias fraudulentas, Gilmar Mendes comparou os agrupamentos que as geram como “um tipo de religião sem deus”. Lembrou da ação nociva dessas milícias na votação do Brexit, no Reino Unido, e na eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos.

No Brasil, comentou o ministro, “esses agrupamentos falam em aniquilar pessoas, matar, ‘cancelar o CPF’, como pistoleiros virtuais”. Para ele, “é preciso saber quem patrocina isso”. E voltou a defender o inquérito aberto no Supremo, sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes — que deu passos importantes nesse sentido”.

“Uma coisa positiva, nesse cenário de tantos desacertos e infelicidades é que o país está voltando a valorizar o jornalismo profissional, está voltando ao normal para se reencontrar consigo mesmo”, concluiu.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

6 comentários

  1. A frase é boa, mas incompleta, para poder ser honesta. A família do bolsonarismo não tem apenas pai e mãe, mas também muitos tios, tias e primos intrometidos e basta revisitar falas e feitos do STF, políticos, jornalistas, religiosos e membros das FAs. Além do que, é dar força demais para algo que é fraco. Não é o bolsonarismo que foi criado com a eleição de Bolsonaro (apenas ficou evidente e estabelecido), é a divisão que foi amplificada. Mesmo esta já existia, por isto que foi apenas amplificada. Lembro que após a campanha eleitoral de 2013, com a eleição de Dilma Roussef onde se ilustrava até geograficamente um Brasil dividido (a imprensa fez questão de demonstrar em mapas gráficos à época), ficou salientado neste espaço de comentários o receio desta divisão ser usada para fins malinos (o que veio a ocorrer). Quanto mais dividido, mais fraco algo fica, é a lei. Em divisão não há consenso, é a lógica. Sem bom senso, não há como repor unidade, o consenso. Se há “culpada” para isto, é a entropia, lei básica que sobrepõe (ou deveria sobrepor) à ciência. A ingenuidade é não perceber que a aceleração da entropia prenuncia a degradação e o ocaso de um sistema, um modo de funcionamento que veio a se tornar anti funcional. E a maior insensatez, ou falta de bom senso é esta ingenuidade de achar que o acaso vai nos proteger enquanto andarmos distraídos, de que as coisas seguem por si só um fluxo “evolutivo”. Não, as tendências desenham as possibilidades e das possibilidades surgem as probabilidades. Mas tendências são resultados das construções dentro do sistema, definido reações às ações. Ai é onde reside a “lógica filosofal” da entropia. Complexidade é resultado direto da multiplicidade de divisões, de alta entropia e da degeneração de um sistema. Enquanto as divisões prosperarem, coisas como bolsonarismo, mitismo, fakenismo continuarão a ocorrer, pois estes são meros efeitos colaterais da crise sistêmica. Não tem força em si e resultam das fraquezas oriundas de um sistema/ambiente fragmentado.

  2. Gilmar do céu, tá esquecido do afrodescendente o menino pobre fruto da meritocracia que apoiastes com fervor na ap470 ovo da serpente da pandemia antidemocrática do momento?
    O teu imperial veto à entrada do Grande Presidente Lula na equipe do governo Lula, recente e esquecido.
    Seguramente não aceito a ingenuidade do Gilmar, somente a péssima estratégia.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome