Lula: “Só é possível fazer Frente agora em cima de programa de governo”

"Não é falta de tentativa. Cada um [partidos] está com o horizonte em 2022, é difícil", diz Lula sobre Frente Ampla contra Bolsonaro

Jornal GGN – Em entrevista a youtubers e blogueiros de esquerda, o ex-presidente Lula disse que uma Frente Ampla contra Jair Bolsonaro é difícil de sair do papel porque partidos e políticos que discutem a iniciativa não convergem sobre o chamado “dia seguinte”.

Enquanto o PT defende nova eleição após a saída de Bolsonaro, outras lideranças são a favor de movimentos que não alteram essencialmente a polícia econômica do governo federal.

“Só é possível fazer frente agora em cima de um programa de governo. Porque muita gente que tem uma frente contra Bolsonaro não quer impeachment. Ora, se a pessoa não quer impeachment, não quer mudança na política econômica, você vai criar uma frente em torno do quê?”, questionou Lula.

“Tirar o Bolsonaro e por Mourão? Tirar o Mourão e botar o Guedes? O ideal é que você tivesse uma Frente que conseguisse fazer impeachment do Bolsonaro e depois fizesse eleição direta do presidente da República e concorresse quem quisesse concorrer. Isso é uma Frente”, definiu Lula.

O petista defendeu que após o impeachment, o Congresso deveria se debruçar sobre uma proposta de emenda constitucional para viabilizar a eleição direta logo após o processo de afastamento. Hoje, a lei diz que o impeachment alça o vice-presidente ao poder.

Segundo Lula, a Frente Ampla não sai não por “falta de tentativa”, mas porque “cada um [partidos políticos] está com o horizonte em 2022, é difícil. Vamos ver se a situação política nos obriga a fazer o que a gente precisa fazer.”

Assista:

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora