Maduro anuncia medicamento que “cancela 100% do coronavírus”

Estudo envolveu células de pacientes venezuelanos infectados com Sars-Cov-2, diz jornal. Ministério da Saúde venezuelano promete enviar dados à OMS

Do Clarín

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou que o Instituto Venezuelano de Pesquisas Científicas (IVIC) encontrou uma molécula chamada DR-10 que mata cem por cento do coronavírus “sem nenhum tipo de toxidade que afete as moléculas saudáveis ​​para gerar efeitos colaterais negativos.”

Em uma conferência por meio de sinal estatal, Maduro relatou que após seis meses de investigação, “a Venezuela obteve um medicamento que cancela cem por cento do coronavírus”.

O presidente acrescentou que, assim que a pesquisa for certificada pela Organização Mundial da Saúde, seu país passará a preparar, com alianças internacionais, a produção em massa da molécula como cura para o coronavírus.

A este respeito, a Ministra de Ciência e Tecnologia da Venezuela, Gabriela Jiménez, explicou que os estudos surgiram de uma planta com atividades medicinais, que foi transferida ao IVIC por um grupo de pesquisadores para iniciar um estudo químico de suas propriedades.

“Foi iniciado o estudo químico que foi monitorado por meio da atividade biológica em células infectadas com o vírus isolado de pacientes venezuelanos Sars-Cov2, dos mesmos vírus que sequenciamos no país”, disse o ministro.

Nesse sentido, relatou que “foi identificado o princípio ativo da molécula, é um derivado do ácido ursólico, e essa molécula apresenta cem por cento de inibição da replicação do vírus in vitro”.

Em consonância com o que disse Maduro, o ministro das Ciências da Venezuela disse que a molécula DR-10 foi posteriormente “avaliada em células sãs, sem apresentar toxicidade nas doses em que foi enfrentada na presença do vírus”.

Leia também:  Christovam Barcellos: 'Manter a floresta em pé contribui para maior estabilidade do clima'

“A partir daí nos dedicamos a identificar a estrutura química da molécula, é um triterpeno derivado do ácido ursólico, foi feito um estudo químico e molecular, incluindo ressonância magnética, carbonos e prótons para identificar a estrutura completa e todos os estudos foram realizados estatísticas no laboratório de virologia “, disse Jiménez.

Por fim, o alto funcionário do governo venezuelano afirmou que o relatório “é endossado pelo IVIC e está à disposição do órgão científico do país e da Organização Mundial da Saúde para iniciar as próximas atividades”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Só faltava agora a guerra da (h)cloroquina boziana e o DR-10 maduriano… hehe
    Se bem entendi, trata-se de resultados de testes “in-vitro”, o que não significa muito. Uma bem pequena fração desses testes chega com sucesso à aplicação “in-vivo”.
    Caso inclusive da tal (h)cloroquina para a covid.
    Tomara que a consecução venezuelana chegue ao sucesso.
    Afinal, termos vacinas E remédios é a melhor opção para acabar de vez com esta tragédia.
    Que muitas sejam bem sucedidas!

  2. Vai ser bom ver o ministro da saúde tendo que escolher, se adota a vacina russa, ou a chinesa. Mas como o presidente disse que é melhor tratar dos doentes ao invés de vacinar, então o jeito vai ser usar esse medicamento produzido pelos irmãos venezuelanos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome