Militares ficam com meio bilhão de reais destinado à Amazônia

Dinheiro é fruto da multa que a Petrobras foi obrigada a pagar por ordem dos Estados Unidos após a Lava Jato

Jornal GGN – O Ministério da Defesa vai usar R$ 577 milhões de verba “carimbada” para a preservação da Amazônia, para levar adiante um projeto de sistemas de satélite. A informação é do Estadão desta segunda (21).

Os recursos saíram do fundo de 1,25 bilhão de reais que a Lava Jato tentou usar para criar uma fundação para defender seus interesses próprios. O dinheiro veio de uma multa que a Petrobras aceitou pagar para se livrar de um julgamento nos Estados Unidos por causa da FCPA, a lei anticorrupção norte-americana.

O Supremo Tribunal Federal abortou os planos da “fundação Lava Jato” e destinou, após uma série de audiências, os recursos bilionários para a Educação e meio ambiente – mais especificamente, a preservação da Amazônia.

Segundo o Estadão, o projeto do satélite deve ficar pronto em 2026 e visa observar o avanço do desmatamento na Amazônia. O empreendimento custará 5 vezes mais do que o orçamento anual do Inpe, que já dispõe de um sistema de monitoramento da devastação e queimadas.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  "Mediocridade extrema", diz general Santos Cruz sobre boicote à vacina por Bolsonaro

3 comentários

  1.  “O dinheiro veio de uma multa que a Petrobras aceitou pagar para se livrar de um julgamento nos Estados Unidos por causa da FCPA, a lei anticorrupção norte-americana.” rs. Lei que so pune a “corrupção” dos outros.
    Pelo visto a Petrobras foi roubada duas vezes no mesmo “processo” lava-jatista/EUA.

  2. Vão utilizar os recursos para gastos desnecessários em satélites desnecessários… e o restante será gasto com diárias e adicionais dos “combatentes”…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome