MP aposta que “peixes pequenos” vão delatar esquema no gabinete de Flávio Bolsonaro

Mãe e esposa de miliciano ligado à família Bolsonaro também são alvos da quebra de sigilo no caso Queiroz

Jornal GGN – O Ministério Público do Rio de Janeiro pediu a quebra de sigilo fiscal e bancário de Fabrício Queiroz, Flávio Bolsonaro e outras 93 pessoas e empresas de olho em obter alguma delação premiada. É o que informa Guilherme Amado em sua coluna na revista Época.

Segundo o colunista, o MP-RJ estendeu a quebra de sigilo a todos os funcionários que trabalharam com Flávio na última década com duas finalidades: observar se alguma movimentação suspeita passou despercebida pelo Coaf, e mirar em “peixes pequenos” que, ameaçados, “possam se interessar por uma delação premiada”.

A quebra de sigilo, já autorizada pela Justiça, atinge esposa e mãe de um miliciano ligado à família Bolsonaro, e preso sob suspeita de ter participado da morte de Marielle Franco.

Danielle Nóbrega, esposa, e Raimunda Magalhães, mãe, foram selecionadas para o gabinete de Flávio pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, que tem amizade de longa data com o ex-PM Adriano Magalhães, acusado pelo MP do Rio de comandar o Escritório do Crime, um dos maiores grupos de extermínio na ativa.

Adriano está foragido e há mais de uma década é acusado de participação em assassinatos. Ele já foi homenageado por Flávio Bolsonaro duas vezes, quando já acumulava processos na Justiça.

A quebra de sigilo vai abranger os anos de 2008 a 2018.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora