O caminho da suposta propina da Odebrecht até a offshore de Verônica Serra

Serra é acusado de receber vantagem indevida relacionada às obras do Rodoanel Sul, por meio de uma rede de lavagem de dinheiro no exterior

Jornal GGN – A Lava Jato denunciou nesta sexta-feira (3) o senador José Serra (PSDB), ex-governador de São Paulo, e sua filha, Verônica Serra, por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro que teriam ocorrido entre 2006 e 2007. De acordo com a acusação, Serra recebeu vantagem indevida da Odebrecht, relacionada às obras do Rodoanel Sul, por meio de conta no exterior.

A força-tarefa do Ministério Público Federal em São Paulo, diferentemente de sua equivalente em Curitiba, alega ter rastreado o caminho da suposta propina até a offshore “administrada”, segundo os procuradores, por Verônica.

O GGN teve acesso à denúncia e expõe abaixo o que foi encontrado:

A DENÚNCIA

Segundo a Lava Jato, José Serra, ao final de 2006, solicitou a Pedro Novis, seu vizinho e um dos diretores da Odebrecht, “um pagamento indevido de R$ 4.500.000,00 (algo próximo a 1.600.000,00 euros), e indicou que gostaria de receber este montante não no Brasil, mas no exterior, por meio de uma offshore de nome CIRCLE TECHNICAL COMPANY INC”, que está em nome de José Amaro Ramos, com quem Serra “mantinha amizade há anos”.

Delator da Odebrecht, Novis disse que Serra “entregou-lhe em mãos o número de uma conta (em nome da CIRCLE), indicando que seria por meio dela que deveriam ser pagos os valores acordados.”

“FOLLOW THE MONEY”

A partir de documentos obtidos com delatores da Odebrecht e por meio de cooperação jurídica internacional com a Suíça, os procuradores da Lava Jato afirmam que Verônica Serra foi a receptora final do dinheiro que saiu da empreiteira.

Para isso, ela usou uma conta chamada “Firenze”, da offshore (DORTMUND), criada em 2003 no Panamá, mas administrada a partir da Suíça, no banco Arner, até 2014, quando ela agiu para encerrar a conta.

Leia também:  A anomia dos conselhos superiores é a parte mais vulnerável do Ministério Público

O trajeto dos recursos teria sido o seguinte: a Odebrecht usou offshores sob seu controle (a KLIENFELD e a FASTTRACKER) para fazer transferências à CIRCLE, de Amaro.

A CIRCLE, por sua vez, fez inúmeras transferências a outras offshores em nome do próprio Amaro, como a SOFIDEST e HEXAGON.

Depois, Amaro transferiu os recursos a partir da SOFIDEST e HEXAGON para a DORTMUND, de Verônica Serra.

A Lava Jato encontrou uma diferença entre os valores que saíram da Odebrecht e entraram na CIRCLE, e o que finalmente chegou às contas da DORTMUND, de Verônica. Essa diferença é da ordem de 628.815,10 euros, e teria ficado com Amaro.

No total, o que Verônica recebeu pela DORTMUND soma 936.000,00 euros, entre 2006 e 2007.

A tabela abaixo mostra as cifras apuradas. A primeira coluna diz respeito ao que saiu das offshores sob controle da Odebrecht. A segunda coluna aponta o que entrou nas contas de Amaro. A terceira coluna, o que foi transferido por Amaro à offshore de Verônica.

A Lava Jato também ressaltou que “a primeira parcela paga por JOSÉ AMARO à DORTMUND [de 326.000,00 euros, em março de 2006, portanto antes da Odebrecht começar os pagamentos], pela data, aparentemente constituiu um adiantamento, sabedor [Amaro] que seria beneficiário de créditos oriundos da companhia [Odebrecht] logo na sequência.”

“Frisa-se, de qualquer forma, que, embora uma parte dos pagamentos oriundos da ODEBRECHT tenha ficado com JOSÉ AMARO, o restante, 936.000,00 euros, foi de fato transferido à DORTMUND, controlada pelo entorno de JOSÉ SERRA”, sublinharam os procuradores.

Leia também:  Embaixador dos EUA trabalha pesado por tarifa zero em etanol americano

Amaro – um empresário que trabalhou para a Odebrecht em projetos envolvendo empresas francesas, e depois assessorou com a empreiteira no Brasil em um programa da Marinha, em São Paulo – negou em depoimento que tenha relacionamento íntimo com Serra, mas não explicou porque fez inúmeros depósitos em conta de Verônica Serra no exterior.

De acordo com a Lava Jato, no total, a Odebrecht então “realizou, entre 2006 e 2007, numerosas transferências, a partir da offshore KLIENFELD, controlada por Olívio Rodrigues Júnior, no total de 1.564.891,78 euros à offshore CIRCLE, pertencente a JOSÉ AMARO, tendo como beneficiário final JOSÉ SERRA”, que supostamente recebeu o dinheiro por meio da offshore DORTMUND, da filha Verônica Serra.

Verônica, anos depois, teria “pulverizado” os recursos em outras contas e encerrado a Firenze em 2014.

“Dessa forma, valores transferidos a JOSÉ AMARO RAMOS, pela ODEBRECHT, por solicitação de JOSÉ SERRA e tendo este como beneficiário final, foram remetidos, a partir de diversas operações, ao controle de VERÔNICA SERRA, filha do referido agente político, sendo, ao fim, liquidados para outras contas, em uma terceira camada de dispersão patrimonial, integrante, a toda evidência, de uma cadeia de lavagem de ativos.”

Como contrapartida à vantagem indevida, Serra, eleito governador em 2006, teria beneficiado a Odebrecht a partir de 2007 na “repactuação do contrato n° 3584/2006, relativo às obras do Rodoanel Sul de São Paulo, de maneira a minorar o impacto do decreto estadual nº 51.473, bem como o não oferecimento de dificuldades no curso da execução da mesma obra.”

Leia também:  Moro diz que Aras não tem "nada de concreto" contra a Lava Jato em Curitiba

Abaixo, a denúncia na íntegra:

Denuncia Jose e Veronica Serra

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

2 comentários

  1. Cortina de fumaça
    Como a lava jato está nas cordas, eles puxam uma carta da manga, ou seja, contra atacam com uma operação espalhafatosa. Pena que os idiotas da alasse média do brasil ainda entram nesta. Aqui a burrice não tem fim mesmo.

  2. Em recente entrevista com o historiador Villa, nota-se sinais de senilidade e tremedeiras em José Serra. Possível que o judiciário resolveu pegar o sujeito para as falsas lições de moral, ou prestar-se ao falso “a lei é para todos”, em seu devido tempo e interesses. Fazem como aconteceu com Paulo Maluf, que foi pego em suas lufadas só com idade avançada, para fazerem o joguinho da “justissa” e ai ele simulava ser manco e doente precisando de cuidados caseiros e logo após as catarses de vingança popular em matérias na imprensa, o indivíduo é solto para poder ir dar as voltas com seus porches e ferraris ou apreciar seus quadros e caros vinhos em casa, comprados com o dinheiro de politicagens.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome