Oficial exonerado autorizou compra de mais munição

General havia deixado cargo quando autorizou norma que triplica o limite para a compra de projéteis; ordem foi de Jair Bolsonaro

Jornal GGN – O Exército brasileiro usou a assinatura de um oficial exonerado e sem função para publicar uma portaria que triplica o limite de compra de munição no Brasil, por ordem do presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o jornal O Estado de São Paulo, o general de brigada Eugênio Pacelli Vieira Mota havia deixado o posto de diretor de Fiscalização de Produtos Controlados quando autorizou a última versão do texto, por meio de um e-mail enviado de sua conta pessoal, a última versão do texto. Com isso, a norma aumentou o total de projéteis permitidos de 200 para 600 ao ano por registro de arma de pessoa física.

Um dia antes, na reunião ministerial de 22 de abril (cuja gravação foi divulgada nesta sexta-feira), o presidente Jair Bolsonaro determinou que o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e ao então titular da Justiça, Sérgio Moro, providenciassem a portaria que ampliava o acesso a munições.

“Peço ao Fernando e ao Moro que, por favor, assinem essa portaria hoje que eu quero dar um puta de um recado pra esses bostas”, disse Bolsonaro, referindo-se a prefeitos e governadores que adotam o isolamento social para combater o novo coronavírus, o que é o recomendado pelas autoridades mundiais.

“Por isso que eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme, que é a garantia que não vai ter um filho da puta pra impor uma ditadura aqui, que é fácil impor uma ditadura, facílimo”, afirmou Bolsonaro na reunião. “Eu quero todo mundo armado. Que povo armado jamais será escravizado.”

Leia também:  Wassef diz guardar provas de relação com Bolsonaro

 

Leia Também
STF acelera busca de provas em investigação contra Bolsonaro
Dados da Abin contradizem queixa de Bolsonaro
A vida pregressa de Moro: GGN investiga a trajetória do ex-juiz com ajuda de leitores

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. Só uma perguntinha Vssa Excia Sr. Presidente.

    Quando o Sr. diz que quer todo mundo armado, isso inclui também o povão, os sem teto, sem terra, o MTST, MST, Povos Indígenas, quilombolas, pequenos agricultores, favelados, pretos, putas e petistas?

    Ou só vale para mauricinhos, filhinhos de papai, marombados e milicianos?

    O Estado bem que poderia assumir a função de armar todo mundo e cumprir a sua vontade, né não? Inclusive começando pelos de baixo.

    Se for isso eu tô de plano acordo.
    Onde que eu retiro o meu fuziu e munição?
    Treinamento eu me viro…

  2. “Todo poder político vem do cano de uma arma”. – Mão Tsé Tung

    Uma vez armaram a população de Paris e o resultado foi a Comuna.

    Já imaginou a Coluna Prestes cruzando o Brasil de cavalo nos dias atuais?

    Quantas armas e quantas munições eles não conseguiram nos latifúndios?

    Mas qualquer gang pode se armar até os dentes, bastando ir até a um latifúndio na zona rural

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome