Pandemia impulsiona abertura de microempresas

Movimento foi puxado por pessoas que perderam o emprego ou que se viram obrigadas a buscar novas alternativas para lidar com a redução de salário

Foto: Reprodução

Jornal GGN – O número de microempresas e dos chamados MEI (microempreendedores individuais) disparou por conta da pandemia do coronavírus, puxado pela necessidade: a maioria dos empreendedores buscou novas alternativas para lidar com o desemprego ou aumentar a renda.

De acordo com o Mapa de Empresas divulgado pelo Ministério da Economia, o país contabilizou 782,6 mil novas empresas apenas no segundo quadrimestre deste ano, resultado da abertura de 1,114 milhão de CNPJs e de baixas de 331,5 mil.

O total de aberturas (MEI em grande parte) é considerado o maior para o período desde 2010, e ficou 2% acima do visto no ano passado, enquanto o encerramento de atividades é o menor em quatro anos, chegando a cair 17% ante o mesmo período de 2019. Tudo indica que tal movimento deve seguir em alta, principalmente devido ao fim ou redução do pagamento do auxílio emergencial pelo governo federal. As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

 

Leia Também
Desemprego atinge 14 milhões de pessoas no fim de setembro
68% querem extensão do auxílio emergencial para 2021, mostra pesquisa
Estudo aponta retomada desigual da economia no Brasil
Setor de serviços fecha agosto em alta de 2,9%, diz IBGE

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Xadrez de Moro, Dallagnol e Bolsonaro, e a busca do inimigo externo, por Luis Nassif

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome