Petrobras anuncia redução de 7,1% no preço do gás natural

Redução considera variação de preço e transporte; ao longo do ano, o preço praticado para as distribuidoras acumula uma redução de 25%

Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

A Petrobras oficializou uma redução média de 7,1% no valor do metro cúbico de gás natural em relação ao praticado no trimestre de maio a julho. O reajuste entrará em vigor a partir de 1º de agosto.

Segundo a estatal, a queda leva em consideração tanto a variação do preço do produto quanto de seu transporte por meio de dutos. Ao longo do ano, o preço do gás natural para as distribuidoras acumula uma redução de 25%.

A Petrobras enfatiza que essa alteração no preço está em conformidade com os contratos acordados com as distribuidoras, que preveem atualizações trimestrais relacionadas à molécula do gás vinculadas às oscilações do petróleo Brent e da taxa de câmbio.

No trimestre em referência, o petróleo registrou uma queda de 3,8%, enquanto o câmbio apresentou uma apreciação de 4,8%.

Quanto ao preço final do gás natural ao consumidor, ele não é determinado apenas pelo preço de venda da Petrobras: ele também leva em conta o portfólio de suprimento de cada distribuidora, incluindo margens, tributos federais e estaduais, além das tarifas aprovadas pelas agências reguladoras estaduais, conforme legislação e regulação específicas.

A atualização anunciada não se refere ao preço do GLP (gás de cozinha), envasado em botijões ou vendido a granel.

Em entrevista coletiva, o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, ressaltou aos jornalistas que a nova estratégia comercial adotada é uma vitória, uma vez que a empresa conseguiu realizar o detalhamento das informações de forma correta e viabilizou a transparência.

“Alguns disseram que teria que dizer exatamente como se forma o preço. Nenhum preço, do cotonete, do leite condensado, da alface, tem essa dita transparência. Não é transparência. É um detalhamento da formação do preço. Nós temos transparência, porque sabe-se, e qualquer entidade de controle pode identificar isso, como é formado o nosso preço para chegar a cada produto final da ponta de entrega”, completou.

Com informações do UOL e Agência Brasil

Leia Também

Isadora Costa

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador