Prefeitos de BH só investiram 20% do orçamento contra enchentes

Dos R$ 3,7 bilhões destinados a investimentos entre 2013 e 2019, apenas R$ 740 milhões foram efetivamente empregados na área por Márcio Lacerda e Alexandre Kalil

Funcionários da prefeitura de Belo Horizonte durante limpeza nas ruas da cidade por causas das fortes chuvas na capital mineira. Foto: Secom (via fotospublicas.com)

Jornal GGN – O poder público tem investido pouco em medidas que podem ajudar a amenizar os problemas com enchentes, e o que houve em Belo Horizonte é um exemplo disso. Em sete anos, os governos do atual prefeito, Alexandre Kalil (PSD), e de seu antecessor, Márcio Lacerda (sem partido), direcionaram apenas 20% do previsto em obras e ações contra alagamentos.

As despesas projetadas pela capital mineira para iniciativas de prevenção contra temporais chegaram a R$ 3,7 bilhões no período de 2013 a 2019, mas apenas R$ 750 milhões foram realmente empenhados – isto é, precisam ser executados em obras e outras iniciativas. Os dados foram compilados a pedido do jornal O Globo pela equipe do vereador Gabriel Azevedo (sem partido).

Os únicos anos em que o valor investido pela prefeitura ultrapassou o patamar de 20% foram 2017 (22%) e 2019 (50% até agosto), ambos na gestão Kalil. Em 2016, último ano da gestão Lacerda, o investimento foi de 10% do orçamento previsto.

Embora a prefeitura de Belo Horizonte afirme que tem atuado de maneira permanente para diminuir os riscos e prevenir os alagamentos, o professor de Engenharia Hidráulica e Recurso Hídricos da UFMG, Nilo Nascimento, diz que as enchentes são decorrentes “da falta de planejamento do poder público e do adensamento populacional em áreas suscetíveis a inundações”. A canalização dos córregos é outro problema, uma vez que a medida afeta o curso das águas e prejudica a absorção da água da chuva no solo.

2 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Zé Sérgio

- 2020-01-31 10:27:49

E a culpa é do Aquecimento Global, não é mesmo Greta?!!

Vladimir

- 2020-01-31 08:11:25

Em que pese a negligência dos prefeitos,os grandes culpados somos nós,eleitores. Culpados por não cobrar que serviços básicos sejam executados.Culpados por enaltecer somente os serviços que aparecem e esquecer por completo os serviços de saneamento,drenagem incluída. Culpados por vermos a especulação imobiliária impor leis de uso e ocupação do solo que provocam a concentração de pessoas,a impermeabilização do solo e o consequente aumento da temperatura local. Culpados por não darmos a devida atenção as questões ambientais,nas cidades,sobretudo,por canalizarmos córregos e destruirmos as matas ciliares. Culpados por deixarmos que imbecis governem nossas cidades,estados e país sem se preocupar minimamente com a questão urbanística,sobretudo as moradia para as pessoas de baixa ou nenhuma renda. Enfim,somos culpados!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador