Sem ver parcialidade de Moro, PGR se diz contra absolvição de Lula no caso triplex

Em manifestação ao STJ, subprocurador diz que mensagens vazadas por Intercept são criminosas e não atestam má conduta de Moro

Foto: Ricardo Stuckert

Jornal GGN – A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou nesta quarta (17) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) uma manifestação contra a anulação da sentença de Lula no caso triplex.

Assinado pelo subprocurador Nívio de Freitas Silva Filho, o parecer nega que Sergio Moro tenha sido parcial. Mais que isso: o membro do Ministério Público Federal endossou o discurso da República de Curitiba e disse que as mensagens vazadas pelo Intercept são criminosas e não demonstram ilegalidade por parte de Moro.

“Em que pese todo o estrépito causado pela divulgação do suposto conteúdo – cuja veracidade é contestada e cuja ilegalidade é certa, pois decorrente de ilegal espionagem perpetrada contra autoridades públicas -, o fato é que nada há que sinalize tenha havido qualquer conduta do magistrado [Moro] que possa macular seu proceder no feito, eivando-o de parcial ou ilegal.”

Lula está preso em Curitiba desde 7 de abril de 2018. O STJ confirmou a condenação e reduziu a pena para 8 anos e 10 meses de prisão. O parecer da PGR faz parte dos embargos de declaração da defesa para “verificar erros ou contradições na decisão judicial”.

Com informações do Jornal do Brasil

Caro leitor do GGN, estamos em campanha solidária para financiar um documentário sobre as consequências da capitalização da Previdência na vida do povo, tomando o Chile como exemplo. Com apenas R$ 10, você ajuda a tirar esse projeto de jornalismo independente do papel. Participe: www.catarse.me/oexemplodochile

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora