Site ligado a Moro agora acusa Bolsonaro de usar Abin para acessar dados contra Witzel

Portal ainda prega que Moro foi quem "impediu" Bolsonaro de usar PF em "proveito próprio"

Jornal GGN – O site Antagonista, porta-voz de Sergio Moro desde a Lava Jato, afirma em nota que foi o ex-ministro quem “impediu” Jair Bolsonaro de usar a Polícia Federal em “proveito próprio”.

A informação contradiz o próprio depoimento de Moro à PF. Além disso, diz que Bolsonaro recorreu à Abin para obter dados da Polícia Federal contra adversários políticos. Mais uma informação apresentada sem nenhuma evidência.

Segundo o site, como Moro e Maurício Valeixo, ex-diretor-geral da PF, não quiseram ajudar Bolsonaro a acessar inquéritos em andamento ou outras apurações, “caíram de desgraça”.

Para contornar a situação, “o Palácio do Planalto chegou a usar a Abin, o serviço secreto do governo, para tentar obter as informações da PF por intermédio dos canais de cooperação entre as duas corporações”.

Ocorre que, em seu depoimento à Polícia Federal em Curitiba, o ex-ministro Sergio Moro admitiu que, em nenhum momento, Bolsonaro lhe solicitou, ou solicitou a Valeixo, informações sigilosas sobre inquéritos em andamento ou adversários políticos.

Moro tem convicção de que essa era a intenção de Bolsonaro, que queria mexer em cargos estratégicos da PF no Rio, Pernambuco e outros estados, mas não apresentou provas nesse sentido.

A única novidade de peso que Moro apresentou contra o ex-patrão, era uma mensagem narrada pelo ex-juiz, demonstrando interesse de Bolsonaro na superintendência do Rio, mas não explicava a agenda por trás dessa mudança.

O depoimento de Moro, no âmbito da investigação contra Bolsonaro, está disponível aqui.

O GGN vai investigar e contar a trajetória de Sergio Moro sem os retoques da grande mídia.
Saiba mais aqui

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  Escola fechada é sinal de que o resto não deveria estar aberto, diz Átila Iamarino

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome