SP poderá suspender quarentena após 7 de abril, diz secretário

A suspensão depende de dois fatores: a população manter isolamento até o dia 7 e os casos de coronavírus não sofrerem alta no ritmo de crescimento

Jornal GGN – O secretário de Saúde do estado de São Paulo, José Henrique Germann, disse na segunda-feira (30), durante coletiva de imprensa, que a quarentena contra o coronavírus poderá ser suspensa a partir da próxima semana.

A decisão dependerá de dois fatores: a população manter o isolamento até o dia 7 de abril, de acordo com a recomendação do governo, e o ritmo de crescimento de casos de coronavírus não aumentar para além do registrado atualmente.

Segundo Germann, “pelos casos iniciais que nós temos, eu diria que não vamos ter a necessidade de repetir o isolamento social muitas vezes mais para frente nem fazer o isolamento compulsório”.

Para o secretário, mantidas as condições atuais da epidemia, o estado está preparado para absorver a demanda por atendimento na saúde. “Estamos conseguindo achatar a curva de crescimento de casos.”

O governador João Doria disse que a suspensão da quarentena ainda será analisada. A Prefeitura também não se manifestou sobre o afrouxamento ou endurecimento das regras para escolas e comércios.

São Paulo registrou 1.451 casos confirmados de COVID-19 e 98 mortes, até segunda.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O que é imunidade de rebanho e por que "não se aplica" a Covid-19

8 comentários

  1. Estes números de 1451, são absurdamente estranhos, se a imprensa traz hoje que dois dos principais hospitais de ponta da América Latina, com investimentos e equipes de padrão alto, onde atendem a nata econômica e política do Brasil, que são o Sírio-Libanês e o Albert Einstein, na capital paulista tem somados já 450 (30% de todo o estado) funcionários afastados por se encontrarem positivados para a covid-19. É certo que vão ficar com esta história de rever a cada 15 dias a necessidade do isolamento social, afim de buscar reduzir a ansiedade das pessoas. No caso da comunicação pública, parece melhor do que dizer direto: “olha, vão ter de ficar em casa pelo menos até final de maio.” Como disse o prof. Atila Iamarino no Roda Viva de ontem, a tendência mundial para este ano será tipo: dois meses em casa, dá uma saidinha para desopilar, volta por mais dois meses. Temos de lembrar que se não há vacina, a grande parcela da população não tem em si nem vírus e nem anti vírus. Apenas algumas centenas de milhares que já se restabeleceram, estão “protegidas” deste vírus, pelo que se sabe até agora.

  2. ]Não sou entendido no assunto, mas diante do que acontece nos demais estados, será prematura a decisão de suspender a quarentena. Lembro aqui que, infelizmente, o estado de São Paulo, com uma população aproximadamente de 40,8 milhões de pessoas, até o 13% dia após o início da primeira morte pelo coronavirus, estava com a taxa de mortalidade de 7,5 mortes por dia.

    A China, com uma população de 1 bilhão e trezentos e oitenta e seis milhões, até o 13% dia do início da primeira morte pelo coronavirus, estava com a taxa de mortalidade de 1,3 mortes por dia, com quarenta social, sob pena de prisão.

    Por estes dados, um média de 6 vezes mais do que a China, é aterrorizante o que poderemos passar quando o pico da crise estiver ocorrendo.

    Isto, principalmente pela campanha de muitos paulistas estão movendo para derrubar a quarenta social (há muita desobediência por aí, fruto inclusive de ignorância), querendo e introduzir a quarentena vertical ( só idosos e pessoas de risco)

    https://www.brasil247.com/regionais/sudeste/na-media-sp-tem-6-vezes-mais-mortes-por-coronavirus-que-a-china

    • Concordo. O mais prudente seria prorrogar pelo menos até dia 20 ou 30 de abril. Os resultados do achatamento da curva seriam ainda mais favoráveis, e reduziriam o risco de ter que voltar atrás depois. Há uma clara pressão do poder econômico aí.

  3. Bom, como confiar nos dados se sequer há testes?

    “Não teste ninguém e ‘achate a curva'”, essa parece ser a política preconizada por essa gente.

    Se começarem a testar, os dados vão explodir. Os necrotérios da cidade de São Paulo já estão abarrotados, segundo denúncias de pessoas que perderam entes queridos

    Volto a repetir: os governos estaduais e das capitais estão fazendo muito pouco ainda. Só parecem agir bem porque contrastam com Bolsonaro. Mas Dória, Witzel, Covas, Zema, Crivella, são todos uns incompetentes.

  4. Na Holanda, hoje, a quarentena foi estendida até 28 de abril. Escolas, cafés, restaurantes, escritórios etc., tudo que não é essencial deve ficar fechado. Até 1o. de junho, regra de distância de 1.5m entre as pessoas e proibido realizar qualquer evento. Mas aqui no Brasil, sem testes, quem confia nos dados….?

  5. Na Holanda, hoje, a quarentena foi estendida até 28 de abril. Escolas, cafés, restaurantes, escritórios etc., tudo que não é essencial deve ficar fechado. Até 1o. de junho, regra de distância de 1.5m entre as pessoas e proibido realizar qualquer evento. Mas aqui no Brasil, sem testes, quem confia nos dados….?

  6. Após dia 07 de Abril, poderia liberar o comercio em geral com as precauções devidas, os mais idosos só poderiam se movimentar pela cidade com mascara e o grupo de risco juntamente com atestado médico poderia receber auxilio doença até o fim da pandemia desde que prove o seu isolamento. Jogos e show onde há forte aglomeração de pessoas entrariam na 2º fase do isolamento. Shopping poderia funcionar com controle de pessoas principalmente nas praças de alimentação, cada loja faria esse controle.
    Simples né!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome