Um grito em defesa do futuro do País

Como uma fagulha em uma pradaria seca, a postura governamental incendiou o naturalmente inquieto espírito das universidades e escolas de prestígio e incentivou a manifestação que ocupou as ruas

Estudantes e professores de universidades e institutos federais fazem protesto contra corte de verba na educação na Av. Paulista. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

do Jornal da USP

Um grito em defesa do futuro do País

As ruas das principais cidades do País, de norte a sul, de leste a oeste, foram tomadas, nesta quarta-feira, 15 de maio, por milhares de manifestantes. Estudantes, professores, pesquisadores, funcionários das universidades brasileiras, federais, estaduais, até particulares e de incontáveis escolas de renome se manifestaram em todo o País em defesa da educação.

Se há consenso sobre os desafios que o Brasil tem que enfrentar nos próximos tempos, um dos principais é o da educação. O que moveu as multidões que foram às ruas em todo o País foi que esse consenso parece não ser compartilhado pelas autoridades federais do setor, como o Ministério da Educação e áreas próximas.

Além de, até agora, não terem apresentado qualquer proposta educacional para os próximos quatro anos de governo, adotam uma postura crítica, hostil, ideológica e preconceituosa a tudo o que se faz e se fez em educação no Brasil. Em nome das dificuldades fiscais, anunciam cortes financeiros indiscriminados no orçamento das entidades educacionais, especialmente as universidades.

Como uma fagulha em uma pradaria seca, a postura governamental incendiou o naturalmente inquieto espírito das universidades e escolas de prestígio e incentivou a manifestação que ocupou as ruas.

Foi um grito em defesa do futuro do País.

Luiz Roberto Serrano

Um coro contra os cortes na Educação

Em São Paulo, milhares de manifestantes ocuparam a região central da Avenida Paulista a partir das 14 horas. A concentração foi em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde lideranças se alternaram ao microfone sobre dois carros de som, criticando o governo Bolsonaro e os cortes na Educação. O público era predominantemente jovem, de idade universitária, levado às ruas pela indignação com o bloqueio de bolsas e o congelamento de 30% do orçamento discricionário das universidades federais pelo Ministério da Educação — cujo ministro, Abraham Weintraub, foi convocado também a dar explicações sobre os cortes na Câmara dos Deputados, em Brasília.

Acima da multidão, fixada ao postes da Avenida Paulista, uma coleção de desenhos dos cartunistas Laerte e Angeli parecia fazer coro com a manifestação, trazendo críticas ilustradas a várias ideologias políticas conservadoras que permeiam o governo e a legislatura atuais.

Leia também:  Ministro culpa Dilma, deposta há 3 anos, por corte atual na Educação

Entre os gritos de protesto e frases levadas em cartazes não faltaram ironias e críticas aos “chocolatinhos” que Weintraub usou em um vídeo para explicar o contingenciamento de recursos, nem com a “balbúrdia” que ele disse existir nas universidades federais, muito menos com os “idiotas úteis” e a “massa de manobra”, termos usados pelo presidente Jair Bolsonaro para se referir aos manifestantes numa entrevista em Dallas, no Estados Unidos, onde ele desembarcou ontem para receber uma homenagem.

“Nas ruas, nas praças, quem disse que sumiu; aqui está presente o movimento estudantil”, cantava um grupo de alunos do curso de Gestão Ambiental da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP). Várias unidades da Universidade aderiram à manifestação, e um grupo de alunos chegou a caminhar em protesto desde a Cidade Universitária até a Avenida Paulista.

No início da semana, o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas (Cruesp) — USP, Unesp e Unicamp — divulgou uma nota defendendo “a importância de a comunidade universitária debater as questões relativas aos complexos problemas da educação, ciência e tecnologia no Brasil e suas consequências para o desenvolvimento do País”. O documento destaca que 95% das pesquisas científicas no Brasil são feitas em instituições públicas, principalmente nas universidades federais e estaduais. “Interromper o fluxo de recursos para estas instituições constitui um equívoco estratégico que impedirá o País de enfrentar e resolver os grandes desafios sociais e econômicos do Brasil.”

Av. Paulista, São Paulo – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens
Av. Paulista, São Paulo – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens
Av. Paulista, São Paulo – Foto: Cecília Bastos / USP Imagens

“A pesquisa brasileira é reconhecida e requisitada internacionalmente, então é um espaço público diverso e de grande valia para a sociedade como um todo”, disse Leonardo Meireles, professor nos cursos de licenciatura em Ciências Naturais e Gestão Ambiental, que foi às ruas ontem protestar com o grupo da EACH. “Não vejo nenhum curso dentro da universidade que não se reverta em benefício para o sociedade.”

“Não é só sobre três chocolatinhos e meio”, dizia um cartaz na Paulista. “O Estado não dá educação porque a educação derruba o Estado”, desafiava um outro. “O conhecimento destrói mitos”, era também uma frase que circulava amplamente pela avenida, em alusão ao apelido de Mito do presidente.

Leia também:  Cerca de 18 mil indígenas de Roraima estão sem ir à escola este ano e diretor do MEC fala em contingenciamento

Entre as muitas bandeiras levantadas em meio à multidão via-se um mix de siglas de partidos políticos, sindicatos, associações, escolas e movimentos sociais. Em meio a críticas à reforma da previdência e convocações de greve que também ecoavam nos discursos, um sentimento predominava entre os manifestantes: a defesa da educação, da ciência e das universidades públicas. “Um país sem ciência e ensino superior não tem futuro”, alertava mais um cartaz. “Balbúrdia é cortar da educação”, ironizava outro.

Carla Vitória, de 27 anos, mestranda de Ciência Política na USP, disse que os pós-graduandos de todos os programas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) decidiram conjuntamente sobre a participação no ato. “Fizemos uma reunião na segunda-feira em defesa das Humanas, porque o que o Bolsonaro quer é dizer que ciências humanas não são ciências, e impedir as pessoas de pensar e refletir sobre a sociedade.”

A manifestação começou a se dispersar no fim da tarde e a Paulista foi reaberta ao trânsito. Parte da multidão desceu a Avenida Brigadeiro Luis Antônio para protestar em frente à Assembleia Legislativa do Estadão de São Paulo (Alesp).

Soberania nacional com cortes nas pesquisas?

Concentração no Portão 1, na Cidade Universitária, USP – Foto: Jorge Maruta / USP Imagens
Foto: Jorge Maruta / USP Imagens
Foto: Jorge Maruta / USP Imagens
Foto: Jorge Maruta / USP Imagens

“Contra a reforma! Unificou… com estudante, funcionário e professor!” Este foi o refrão repetido diversas vezes por manifestantes durante o ato realizado na manhã desta quarta-feira (15) na portaria 1 da Cidade Universitária, no Butantã. Além das reformas, os manifestantes protestavam contra os recentes anúncios de cortes junto às Universidades federais e estaduais.

De acordo com o 1º tenente Telles, da Polícia Militar, responsável pelo grupo de PMs que acompanhou o ato, no auge da manifestação, por volta de nove horas da manhã, cerca de 200 pessoas estavam presentes. O mesmo número foi estimado pelo diretor do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), Magno de Carvalho Costa. “A manifestação acontece de forma pacífica e reúne professores, estudantes e trabalhadores”, lembrou o dirigente sindical. Com a concentração, o tráfego na Avenida Afrânio Peixoto e na Rua Alvarenga foi interrompido, impedindo o acesso de automóveis pelo portão principal da Cidade Universitária.

Igor Barreto Estevam é aluno do primeiro semestre do curso de Geografia, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP e contou que está em sua segunda graduação na Universidade. Para o estudante, que já é formado em Biblioteconomia, é importante que todos se conscientizassem em apoiar o ato para que os cortes anunciados pelo atual governo sejam barrados. “Além disso, estamos aqui também para defender a melhoria de nossa universidade, tanto em relação a questões salariais de professore e funcionários quanto a questões como a moradia estudantil “, disse.

Leia também:  Os Cavaleiros do Apocalipse começam a devastar a Amazônia, por Sebastião Nunes

A diretora do Sintusp Neli Maria Paschoarelli Wada questiona como é possível para o governo federal propagar que defende a soberania nacional e ao mesmo tempo anunciar cortes nas pesquisas.

Por volta de 9h20, os manifestantes iniciaram uma caminhada em direção à Faculdade de Educação, e o tráfego pelas ruas e a entrada principal do campus começaram a ser liberados. No início da tarde, após nova concentração, o grupo se dirigiu para a Avenida Paulista.

Movimento com a energia da juventude

Ribeirão Preto (SP). Foto: Mel Vieira / USP Imagens
Ribeirão Preto (SP). Fotos: Renata Cristina Rosa
Ribeirão Preto (SP). Foto: Mel Vieira / USP Imagens
Ribeirão Preto (SP). Foto: Mel Vieira / USP Imagens
Ribeirão Preto (SP). Foto: Mel Vieira / USP Imagens

Desde às sete horas da manhã, desta quarta-feira (15/5) alunos, professores e funcionários da USP se concentraram em frente à entrada do Campus pela avenida do Café, em Ribeirão Preto. O movimento, segundo os manifestantes, visa principalmente lutar em defesa da educação e contra os cortes de recursos para as universidades federais.

Às nove horas o grupo saiu em caminhada até o centro da cidade, com a adesão de milhares de pessoas, onde aconteceu aula pública com professores da Universidade. De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), cerca de cinco mil pessoas participaram das manifestações, a maioria estudantes. “Nosso objetivo foi alcançado nesta manhã: chamar a atenção para a necessidade de defender os investimentos em educação. Impressionou a adesão maciça dos estudantes”, relata André Orlandin, diretor estadual do Sintusp.

André Jorge Silva, representante da USPais, entidade formada por pais de alunos da USP, diz que a adesão de estudantes, professores e dos pais foi um recado, para os políticos do País, de que os jovens estão atentos e acordados para lutar contra os cortes de recursos para a educação e exigir respeito. “Foi lindo e emocionante participar desse movimento com a energia da juventude”.

4 comentários

  1. Esse governo nem que quisesse não pode atender aos estudantes, professores e funcionários das universidades públicas senão cai. O que o sustenta não são os que protestam, são os que estão satisfeitos tanto com o circo de horrores de bolsonaros, moros e outros palhaços quanto com o andamento do plano: destruir a democracia, a coisa pública, e deixar a cobiça da iniciativa privada correr solta. Enquanto continuar desregulando e privatizando, destruindo o estado, a democracia e tudo que for público, empobrecendo – em todos os sentidos – a pessoa comum (mesmo que essa se ache “especial e diferenciada”), esse governo se mantém. Já estava tudo arranjado no pacto que o Jucá falou, “com STF e com tudo”.

  2. A saúde é irmã siamesa da educação e previdência na disputa pelo saldo que restar da PEC da Morte!
    Mas, sem a força e jovialidade da “Educação”, a saúde e previdência têm destinos diferentes!
    A previdência será imolada para que mais e mais investidores possam fruir dos juros do tesouro…
    Já a saúde quanto menos notícia, menos perceptível, mas será sucateada…
    Não surgirão recursos a curto e médio prazos e lançar mão das reservas vai levar o resto para o buraco!
    Eu pensei que demoraria um pouco mais para chegar onde chegamos!
    Eles são muito competentes na arte de mal governar!
    Você só tem uma vantagem em conseguir antever um desastre!
    Você vai procurar se proteger…
    Por que no fundo todo mundo se ferra…

  3. manifestações foram um sucesso, mas é bom
    ficar de olho…tem de ter um objetivo maior
    – transfoirmar o país com uma politica de centro-esquerda
    que mantenha a inclusão social e o emprego etc
    e tal dos tempos petistas…

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome