Publicação original 17/11/2019 às 10:59

Atualizado no dia 20/11/2019 às 21:00

Nossa narrativa – hipótese de investigação – começa a focar, agora, em Carlos Bolsonaro, o mais tresloucado dos filhos de Bolsonaro.

Primeiro, vamos colocar as peças do nosso xadrez.

Peça 1 – a live de Bolsonaro contra a Globo

Na madrugada seguinte à matéria do Jornal Nacional sobre o porteiro, Jair Bolsonaro fez um live descontrolado atacando a Globo e afirmando que estavam perseguindo seus filhos.

Detalhe: o nome de nenhum filho tinha aparecido na reportagem.

https://www.tercalivre.com.br/jair-bolsonaro-detona-rede-globo-voces-infernizam-a-minha-vida-o-tempo-inteiro/

Peça 2 – o segundo vídeo de Carlos Bolsonaro

No dia seguinte, pela manhã, Carlos divulga um vídeo tentando desmontar a tese de que Elcio Queiroz tinha ido para a casa de Jair Bolsonaro. Na tela, aparece outra chamada para a casa de Jair, despertando dúvidas. Carlos faz, então, novo vídeo para mostrar o conteúdo da outra chamada.

A um minuto de gravação, ele, espontaneamente, mostra uma chamada para a sua casa, no condomínio. Mostra o horário, de 17:58 e o diálogo com o porteiro:

“Seu Carlos, é o Uber”, avisa o porteiro. “Opa. Valeu. Obrigado”, responde o filho do presidente”.

Peça 3 – o primeiro álibi de Carlos Bolsonaro

Ali, ele, sem perceber, detona seu primeiro álibi: o de que, na tarde da morte de Marielle, ele estava em sessão na Câmara de Vereadores.

No vídeo da sessão daquele dia, é possível conferir sua presença às 3 horas e 8 minutos de gravação. Era 17:30. Da Câmara de Vereadores ao condomínio dos Bolsonaro, não se vai por menos de 50 minutos. Uma consulta ao sistema do Uber poderá mostrar para onde Carlos Bolsonaro foi conduzido.

A troco de quê Carlos insistiu no álibi da sua presença na Câmara de Vereadores, e não em sua casa? Provavelmente porque, àquela hora, dois assassinos de Marielle estavam em reunião na casa e Ronnie Lessa, no mesmo condomínio.

Provavelmente foi a constatação das trapalhadas de Carlos Bolsonaro, com o uso compulsivo das redes sociais, que levou seus advogados a convencê-lo a sair de todas as redes.

Peça 4 – a esposa de Ronnie Lessa

Conforme noticiado, nas vésperas do depoimento de Ronnie Lessa, sua esposa enviou por WhatsApp a foto da planilha do porteiro. Se ele enviou do WhatsApp, é porque recebeu de alguém. É só quebrar seu sigilo e, a partir dele, rastrear o caminho dos IPs para chegar no mandante do crime.

Atualização

Recentemente, Carlos Bolsonaro ironizou as ameaças recebidas pela mãe do youtuber Felipe Neto. Mais uma vez muda da versão sobre o dia fatídico do assassinato de Marielle.

“Animador de torcida, deixa eu desenhar. Minha última votação foi às 16:45, ou seja, eu não posso estar em casa às 17:15 como mencionado na entrada dos membros, pois o caminho é longo. O resto é o mesmo besteirol de sempre! Haja paciência! Abraço e beijo na sua mãe!”

Mais uma vez mudou o álibi, tornando-o definitivamente suspeito de envolvimento no crime.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora