Do `coxinismo` e adjacências, por Maria Fernanda Arruda

Do `coxinismo` e adjacências

por Maria Fernanda Arruda 

Nossa sociedade em sua ânsia de seguir cultura alheia e se portar como boy ou girl em sacadas gourmet, está dando um espetáculo incrível  para um romance de estudo de decadência social. Se preza mais um quadro com certificado de conclusão de cursinho escolar do que conhecimento. O dito título de doutor já amesquinhado pelo judiciário, que o adotou ás suas funções ao arrepio da verdade está passando a ser insultuoso a quem é chamado por ele já que tem mais ironia do que respeito. Vulgarizando-se isso se fotografa a verdade – são todos doutores de fancaria. De ‘facto’ de que adianta um ou outro, que inclusive tenha obtido tal título dentro das regras, se ao se manifestar mostra incrível obtusidade? Se acabamos de ver a vedete dos juízes falar QUERER, quando deveria dizer ‘quiser’…ou seu parceiro usar verbo intervir com flexão INTERVIU? Sendo ambos tri-formados, como eram os generais triplo-coroados e que prestavam continência aos majorengos dos EUA…que valor tem a bagagem que esconde imbecis?

O uso do idioma tem de ser visto como o código que dá legitimidade e nacionalidade ao cidadão. Aqui os que gostam de ser chamados de excelência preferem arranhar ou falar um inglês macarrônico e acabam por esquecer o pouco que sabiam do vernáculo pátrio. Expressam-se, conscientes de sua ignorância, por meio de ‘ghost writer’ sob pacto de segredo, não é, FHC? Ou ouvem mandar seu auxiliar de juiz pesar a mão nas sentenças que assinarão. A pantomima ainda está em ritmo crescente. Vai ao paroxismo de pessoas públicas armarem uma casamata de advogados  e amedrontarem quem os criticar pela covardia dos que fogem de um embate. Parecem com os valentes que na hora da briga saem com a desculpa – não brigo com você por que minha mãe não deixa, ou porque agora estou de óculos… Mas se cercados de meganhas são ‘valientes’ como o corpo de magistrados que entraram no forum de Curitiba para interrogar Lula. Que terá havido para que nossa evolução social produzisse essa fauna de lesmas morais?

Maria Fernanda Arruda

escritora e ativista digital

 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora