Os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia, por Arkx

Os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia, por Arkx

GGN e DCM mais O Cafezinho estão procedendo a demolição controlada da Lava Jato & Associados. não restará pedra sobre pedra. em todos os níveis tudo virá abaixo. até se atingir as raízes profundas do Deep State, para expor quem formulou, financia e comanda o Golpe de 2016 no Brasil.

uma heróica força tarefa da blogosfera da resistência travando nas redes  uma parte decisiva da épica Batalha do Brasil. no epicentro de uma Guerra Mundial Híbrida deflagrada pelo Império contra o mundo multipolar, ou lutamos ou não sobreviveremos.

“Fazer os cidadãos petrificados compreenderem que mesmo que não entrem em guerra, já estão nela de qualquer jeito. Que ali onde é dito que é isso ou morrer, é sempre, na realidade, isso e morrer.”

COMO FAZER?, Tiqqun

as informações já divulgadas até o momento são mais do que suficientes para um imediato afastamento e prisão preventiva dos integrantes da Republiqueta de Curitiba. somando-se a isto as acusações sobre o governo usurpador, rejeitado por exatos 99% dos brasileiros, configura-se um quadro no qual claramente se impõe:

– a nulidade do impeachment;

– a revogação de todos os atos e contratos do governo golpista;

– a punição de todos os responsáveis pelo golpe.

então, cabe indagar? por que ainda não aconteceu?  afinal, quem deu este golpe? quem sustenta Temer no governo?

quem deu e sustenta o golpe não foi a manada de patos amarelos, estes apenas a massa de manobra para legitimar o “clamor das ruas”;

tampouco foi o PSDB e o PMDB, estes apenas seus operadores políticos;

nem mesmo a Republiqueta de Curitiba, estes seus operadores jurídicos;

também não foi a Globo, esta sua principal agência de psyop, especializada no controle de corações e mentes.

o golpe foi dados pelos grandes empresários brasileiros, associados aos mega interesses transnacionais.

exatamente o 1% que ainda apoia Temer. exatamente o 1% que enriqueceu e mantém sua fortuna privada sugando as tetas dos recursos públicos, enquanto para os demais prega o Estado Mínimo.

qual entidade empresarial, ou mesmo um único grande empresário brasileiro, que já se manifestou contra o desmonte do Brasil promovido pelo Golpe de 2016?

o desGoverno Temer é o governo que mais representa os Donos do Dinheiro no Brasil: esta lumpenburguesia que vê o Povo sob a ótica da escravidão e a Nação da perspectiva de colônia.

Guinle, Simonsen, Klabin, Lafer, Gerdau, Bouças, Marinhos, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez, Mendes Júnior, Odebrecht, Moreira Salles, Setúbal, Aguiar, Villela, Sarney, Lemann, Armínio Fraga, Goldfajn, Safra, Steinbruch, Henrique Meirelles…

são os legítimos herdeiros dos primeiros “empresários” que aqui aportaram para pilhar e saquear. escravizando os povos originários, envenenando o solo, nenhuma intenção em desenvolver uma sociedade.

assim percorremos uma viagem redonda até desembarcarmos no Golpeachment. ao longo da História a procissão das mesmas Famiglias, sempre expropriando o patrimônio público em benefício de seus interesses particulares.

desde a madeira, açúcar, algodão, ouro e diamantes, café, minério de ferro, soja, frango e boi. os repetidos ciclos das commodities baratas e sem valor agregado. até a era do capital improdutivo, fazendo da SELIC a mais rentável commodity.

um imutável fluxo exportador para alimentar a fome de lucros fáceis das grandes traders globais: Vitol, Glencore, Cargill, ADM, Gunvor, Trafigura, Mercuria, Noble Group, Louis Dreyfus, Bunge, Wilmar International, Arcadia, BlackRock…

as idéias dos liberais brasileiros sempre estiveram fora de lugar. se antes combinaram liberalismo com escravatura, agora associam Estado Democrático de Direito com um Judiciário fora da lei.

o modelo do grande empresariado brasileiro ainda é o Visconde de Mauá: a união da mão de obra escrava com o capital internacional, compatibilizando no mesmo lugar latifúndio, manufatura e escravidão. o retorno do trabalho escravo sob Temer nada mais é do que a volta de algo sempre presente: o eterno retorno do reprimido com uma escravidão nunca superada.

mas o reprimido sempre volta se não for encarado de frente e transformado.

sem compreender quem é nosso inimigo principal, jamais o Golpe de 2016 será derrotado. enquanto nos deixarmos iludir com o jogo de espelhos, confundidos por heterônimos e pseudônimos, tomando os operadores pelos formuladores, vagaremos pelo deserto das miragens infinitas.

é preciso nomear com definição e determinação. para que todos saibam, de uma vez por todas. nosso inimigo principal não é a Globo, a “classe média”, os patos amarelos, o PSDB e o PMDB, etc… nosso inimigo principal é a lumpenburguesia brasileira. o inimigo interno sempre sabotando e traindo o Brasil e sua população.

são a eles que devemos conceder nosso perdão para continuarem nos golpeando mais uma vez? e de novo. e novamente. e outra vez. num retorno eterno de farsas e tragédias sem qualquer possibilidade de redenção? sempre os mesmos fracassos e capitulações?

ou chegou o momento dos Brasis finalmente bradarem: não esquecemos, não temos misericórdia. quem deve morrer são nossos inimigos. vida longa à blogosfera unida. que a força esteja entre todos nós. 

.

Redação

35 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Os ricos nos perseguem em Lula

    Concordo com tudo, menos no papel da Globo. É ela que cria as condições para que a realidade social esteja enconberta. É ela que nos violenta simbolicamente (Jessé de Souza) todo dia. Sem ela os grandes empresários já estariam devidamente enquadrados, a Republiqueta de Curitiba não teria o poder que tem, um crime não ocorrido não teria servido para prender seres humanos como na farsa do mensalão referendada pelo STF. Porém, o que me chama mesmo atenção é o eterno desfilar de análises e nenhum plano de ação. Da última vez que Lula esteve em minha cidade, os amigos perguntavam se eu não iria prestigiá-lo. Minha resposta lacônica foi “estão alistando?”. Quando veremos as antenas da Globo serem destruídas em analogia ao que ocorreu com os carros do Globo no suicídio de Vargas? Quando o desejo da IstoÉ se concretizar? Onde estão os estrategistas? A ordem do dia? Ou existe ainda a ilusão de que haja Democracia, Estado de Direito?

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      para reflexão: muito da pouca resistência popular ao Golpe deve ser buscada na brutal e sistemática repressão ao movimentos de rua pós Junho de 2013. por exemplo, o que vc sugere em relação a Globo chegou a acontecer, tanto em SP qto no Rio. porém tais atos então foram estigmatizados como “baderna” e “depredação”, inclusive pelo Governo Dilma e intelectuais ligados ao PT. recorde-se que Dilma assinou a Lei Antiterrorismo, também um instrumento de contra-insurgência.

      vídeo: Black Bloc joga “merda” na sede da Rede Globo – São Paulo – 30/08/2013

      [video: https://www.youtube.com/watch?v=-nxGqvQ0Hrg%5D

      vídeo: INVASÃO A REDE GLOBO DE TELEVISÃO NO RIO DE JANEIRO

      [video: https://www.youtube.com/watch?v=n5jrPk17nhY%5D

      .

  2. Bom post. 
    Só tenho minhas

    Bom post. 

    Só tenho minhas dúvidas quanto a capacidade do povo de resistir ao poder devastador de uma Hybrid War. Ela chega ao subconsiente das pessoas, pois mexe em seus preconceitos mais arraigados. Quando uma pessoa é tocada neste ponto ela não tem mais como se defender.

    O mecanismo é por demais complexo para explicar aqui, mas seu efeito é demolidor.

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> Só tenho minhas dúvidas quanto a capacidade do povo de resistir ao poder devastador de uma Hybrid War.

      seja como for, já estamos em plena guerra civil híbrida, desde a segunda eleição de Dilma, ao menos. por isto a citação:

      “Fazer os cidadãos petrificados compreenderem que mesmo que não entrem em guerra, já estão nela de qualquer jeito. Que ali onde é dito que é isso ou morrer, é sempre, na realidade, isso e morrer.”

      COMO FAZER?“, Tiqqun

      onde dizem é a reforma da previdência ou a quebradeira da seguridade social, será na realidade: a reforma da previdência E a quebradeira da seguridade social.

      é isto que o cidadão petrificado já entendeu. e todos sabem muito bem O QUE FAZER! o que não se sabe ao certo é: COMO FAZER?

      .

      1. Só acho que estamos em guerra

        Só acho que estamos em guerra desde ANTES da eleição da Dilma.

        E, sinceramente, tenho muitas dúvidas se todos sabem O QUE FAZER. Acho que não. A maioria com os quais converso e o que observo é que poucos sabem realmente o que está acontecendo. São muito burros pra ter noção e, pior, acreditam em quase tudo que veem na TV e escutam no rádio, portanto….

        1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

          -> Acho que não. A maioria com os quais converso e o que observo é que poucos sabem realmente o que está acontecendo. São muito burros pra ter noção e, pior, acreditam em quase tudo que veem na TV e escutam no rádio, portanto….

          compreendo sua percepção. mas considere que Temer é aprovado por apenas 3%! neste sentido, todos sabem O QUE FAZER: Fora, Temer!

          daí minha afirmação ser: COMO FAZER? como tirar não apenas Temer, como todos os golpistas que ocupam Executivo, Legislativo e Judiciário?

          em 2018? numa eleição viciada com um candidato hipotético?

          abraços

          .

          1. Concordo com você quanto ao

            Concordo com você quanto ao FORA TEMER  e o COMO FAZER. Minha discordância não é essa. É quanto ao SABER O QUE OCORRE.

            As pessoas desaprovam Temer porque sentem na pele que a coisa enfeiou, mas daí a dizer que SABEM O QUE OCORRE vai uma bela distância. Não sabem, não tem a menor noção. Por isso que a reação é tão difícil. Impossível eu diria.

            Mas aguardemos.

             

  3. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

    exportadores de commodities e suas fake news: balança comercial do café é negativa!

    ao contrário da propaganda segundo a qual seriam aqueles que trazem divisas ao país, o café segue sendo um produto deficitário.

    e isto sem nem mesmo contabilizar as externalidades: danos ao meio-ambiente e custo social com as doenças causadas aos trabalhadores.

    .

  4. Sem dúvida, caro Arkx, que

    Sem dúvida, caro Arkx, que sem a adesão do grande empresário nacional, o golpe imperialista e financista não teria tido tanta facilidade. Vamos combinar que foi como tirar picolé de criança.

    Entendi sua “indireta” ao “lulismo”. No entanto, vejo essa questão do “perdão”, que é tratado também pelo Fornazieri, de uma maneira mais complexa.

    Lula ainda acredita no pacto do capital produtivo com o trabalho. E é aí que ele vai colocar suas forças, sua capacidade de liderança e habilidade política. José de Alencar continua, simbolicamento, sendo seu parceiro.

    Nessa luta em que está em jogo qual caminho o capital nacional vai seguir, o do desenvolvimentismo nacionalista, ou o financismo entreguista, não é questão de acreditar na boa-fé e patriotismo dos empresários tupiniquins. José de Alencar é um caso unico.

    Mas é caso de diálogo duro e botando as cartas na mesa. O querem os donos do dinheiro? Apostar todas as fichas nessa viajem de volta aos século XIX? Manter a plebe em regime de escravidão sob chibatada dos capitães do mato, seja polícia, PF ou Forças Armadas?

    Vão pagar para ver no que vai dar essa aventura do capitalismo pré-ihistórico? São todos como o dono da Riachuelo? Com a palavra, os próprios  

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> Lula ainda acredita no pacto do capital produtivo com o trabalho.

      -> José de Alencar é um caso unico.

      José de Alencar já faleceu, assim não é correto eu agora ficar me referindo a pormenores a respeito dele. mas todos sabemos que uma boa parte do grande empresariado brasileiro, além de tudo, defende a restauração da monarquia.

      quanto ao pacto do capital produtivo com o trabalho, é necessário analisar: ainda existe grande capital produtivo? ainda existe mega empresa que não esteja completamente financeirizada? sem falar de outras relações muito mais perigosas…

      a pacto necessário, e viável, tem quer ser com as PME em APL (Arranjo Produtivo Local). replicando por toda parte o modelo de gestão que a Noruega adotou para a cadeia de gás e petróleo. a espinha dorsal estatal, com várias pequenas e médias empresas nela se conectando.

      -> Apostar todas as fichas nessa viajem de volta aos século XIX?

      -> Manter a plebe em regime de escravidão sob chibatada dos capitães do mato, seja polícia, PF ou Forças Armadas?

      pondere, conforme consta em outro post: um retorno que é ao mesmo tempo um avanço, combinando mais uma vez de forma desigual o arcaico e o pós-moderno.

      não é exatamente que esteja havendo um retrocesso. isto é como estamos percebendo o movimento, o qual é na verdade um novo modelo social sendo implantado pelo neoliberalismo selvagem do capital financeiro transnacional e pós-democrático. seremos todos pobres e descartáveis. um admirável mundo novo.

      os plutocratas globalizados e transnacionais apostam que é possível sobreviver a um holocausto nuclear. e já estão implementando suas Estratégias de Redução Populacional (ERP).

      os militares brasileiros sabem muito bem disto.

      “[…] as verdadeiras cabeças são as famílias que dominam o Banco da Inglaterra, o Federal Reserve Bank e cartéis associados. Elas controlam o Banco Mundial e o FMI e a maioria das Agências de Inteligência do mundo. […] Planeja reduzir a população humana de cerca de 7 bilhões de pessoas para menos de 1 bilhão no prazo de duas ou três gerações no interesse de manter seu domínio global.”

      Gelio Fregapani – 18/10/2017

      grande abraço

      .

  5. Otimo texto, simples, direto.

    Otimo texto, simples, direto. Também faço uma ressalva: numa guerra, é preciso vencer os inimigos que nos atacam de frente. Os operadores lançam o veneno, espalham minas, operam a lavagem cerebral. Não vejo como enfrentar os golpistas sem derrotar os operadores. A título de exemplo: às vezes entro em veículos de pessoas que são empresários ou trabalhadores da classe méida, média, baixa e alta. Em quase todos os casos, num gesto automático, essas pessoas ligam o rádio, que já está naqueles programas de linchamento de Lula, do PT, do Dirceu, etc. etc. Já tentei conversar com as pessoas mais simples sobre isso, mas me senti incapaz de desfazer essa dominação psíquica.  O comentarista Marcos K parece ter se referido a isso, um mecanismo cujo efeito é demolidor. 

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> Em quase todos os casos, num gesto automático, essas pessoas ligam o rádio, que já está naqueles programas de linchamento de Lula, do PT, do Dirceu, etc. etc. Já tentei conversar com as pessoas mais simples sobre isso, mas me senti incapaz de desfazer essa dominação psíquica. 

      compreendo.

      penso que há 3 grandes blocos sociais hoje no Brasil:

      1. uma lumpenburguesia neo-colonial e semi-escravagista, formada pela quase totalidade dos grandes empresários;

      2. uma parcela da população, de vários extratos sociais, alinhada incondicionalmente com esta lumpenburguesia. a base social do proto-fascismo brasileiro. ambos são irrecuperáveis;

      3. uma outra considerável parcela da população que não se curvou ao golpe e continua ocupando as ruas e as redes.

      poderíamos tb nomear um 4o. bloco: uma maioria em silêncio, mas não silenciosa.

      é da relação entre os 3 blocos que se dá, no plano interno, o encaminhamento dos fatos e o rebalancemanento da correlação de forças.

      o grande rearranjo global em curso catalisará decisivamente o cenário interno. estamos num processo brutal de mudanças.

      abração

      .

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> A globogolpista virou vidraça. É hora de jogar pedra!

      reflita: as pedras estavam sendo jogadas em Junho de 2013. mas então as mesmas pedras que se propõe que agora sejam jogadas, eram vistas como “baderna” e orquestração da CIA para derrubar o “nosso governo”.

      abraços

      vídeo: Rede Globo Leblon – Grande Ato na Casa do Cabral – 17 de Julho, 2013.

      [video: https://www.youtube.com/watch?v=qTA-zNwURYs%5D

      .

      1. Não misture alhos com bugalhos

        Não misture alhos com bugalhos, por favor.

        Não force a barra dando interpretação enviezada às minhas palavras.

        Quem disse que as pedras que estavam sendo jogadas em junho/2013 são as mesmas que se propõe que agora sejam jogadas?

        Aliás, onde estão os que em junho/2013 jogavam pedras? Onde estão os black blocks? Onde estão os paneleiros? Pelo visto estão satisfeitos com o que conseguiram, não é mesmo?

        Naquele tempo estávamos em plena democracia e todos, eu disse TODOS, os atos praticados visavam tão somente desestabilizar a democracia para derrubar o governo eleito. Isto está irremediavelmente provado.

        Não me venha com esse lero lero de engana midiotizado. Pensas que és a mídia golpista e que todos os outros são Homer Simpsons?

        1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

          -> e todos, eu disse TODOS, os atos praticados visavam tão somente desestabilizar a democracia para derrubar o governo eleito. Isto está irremediavelmente provado.

          não adianta ficar irritado e repetir a miserável narrativa cunhada pelo Lulismo sobre Junho de 2013, num típico caso de efeito manada.

          reconheça que vc jamais esteve nas ruas naqueles dias, que no Rio se estenderam até a Copa de 2014.

          se dê uma chance de compreender o que aconteceu. veja os vídeos que postei. existem centenas de vídeos que documentaram aquela insurreição. desmente categoricamente a versão que tudo aquilo não passou de “armação para desestabilizar o nosso governo”.

          ao contrário do que reza a lenda, foi a maior chance perdida da Esquerda brasileira em todos os tempos. até Dilma já sabe disto.

          vídeo: Black Bloc em confronto com a PM na Manifestação dos Professores dia 7 de Out.(cenas exclusivas)

          [video: https://www.youtube.com/watch?v=lhGswYUdC48%5D

          .

          1. Insurreição?!?!

            Insurreição?!?! Mas contra o que mesmo?!?!

            Kkkkkk. Você e suas “verdades”.

            Primeiro faz de conta que não entende uma figura de linguagem e, à sua conveniência, transforma as minhas pedras conceituais em pedras concretas. Tudo para montar um gancho para ter uma oportunidade de justificar o discurso de que as famigeradas jornadas de junho/2013 foram “legítimas lutas de esquerda”. É o método de encaixar uma teoria a marteladas em fatos que já estão mais do que provados como manipulação e preparação para o golpe.

            E agora vem me dizer que “foi a maior chance perdida da esquerda brasileira”?!?! Insurreição?!?!

            Mas onde estão os insurretos? Por que sumiram? Por que não mais estão na rua atirando pedras?

            Insurreição contra o que mesmo?

            É só responder a essas singelas perguntas. Mais nada.

          2. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

            -> Por que não mais estão na rua atirando pedras?

            olha os bloc aí! e onde estavam Lula e Dilma, chorando abraçados?

            és um prisioneiro dentro da bolha dos seguidores de uma seita de fanáticos. nada pode ser mais parecido com um pato amarelo do que um pato vermelho.

            vídeo: ALERJ 09/02/2107 – TV Sind Justiça RJ

            [video: https://www.youtube.com/watch?v=rQv0mWyxGAM%5D

            .

  6. Quem é o nosso inimigo? Para uma grande parte do que aqui…..

    Quem é o nosso inimigo? Para uma grande parte do que aqui escrevem e leêm é extremamente simples responder:

    O inimigo principal é o capitalismo na sua forma mais evoluída que se chama o Imperialismo.

    Pronto, talvez responda a uma das perguntas, porém ficamos que nem a história infantil dos ratinhos:

    Quem coloca o guizo no Gato?

    Se seguirmos na história numa segunda parte jamais contada, os ratinhos começaram depois da pergunta a se ofederem e brigarem entre si, e todos esqueceram do Gato.

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> Quem coloca o guizo no Gato?

      vc quer uma resposta simplista para uma questão extremamente complexa. assim sendo, para reflexão:

      – este golpe só pode ser derrotado por um movimento de massas profundamente capilarizado. por uma integração das ocupações, como as do MST e do MTST, com as Caravanas de Lula. sempre acompanhadas de um incessante trabalho de registro, divulgação e conexão nas redes virtuais. até desembocar numa decisiva Greve Geral;

      – seja quem formos, seja aonde vivermos, sempre haverá inúmeras demandas para agir. militar é viver. não existe militância política separada da vida. é em nossa própria forma de viver que fazemos política.

  7. Chega de nos enganarmos, gente!
    Nassif, a última fala do Temer hoje cedo em Itu, nesta epheméride da Proclamação da República, conseguiu até o repúdio de alguns dos coleguinhas que legitimaram e legitimam o golpe, como o Camaroto da Globo. Com seu ar de caixeiro-viajante, Temer advogou a tese de que o povo brasileiro “tem a tendência de caminhar para o autoritarismo” e que temos tendência para a centralização. O antídoto é ele, que faz a caravana passar enquanto a cachorrada ladra, que promove a autonomia e o funcionamento tranquilo das instituições – deixou claro, talvez antecipando uma prorrogação indefinida de sua governança neste 2018. Afinal, entre ele e o Bolsonaro (única candidatura que pode fazer frente ao Lula) não há o que discutir: ele é a encarnação do espírito republicano e sob seu comando todas as reformas serão implantadas, uma vez que mesmo sendo um corrupto comprovado continua exercendo o cargo como se fora um baluarte da honestidade e probidade administrativas; rasgou a CLT e tudo continua como dantes, claro que com a ajuda do quartel (que hoje o livrou dos protestos com o emprego de tropa fardada ao seu redor). Como contrapartida, afinal, só tem de vencer a blogosfera ou, como bem escreve Arkx, o GGN, DCM e Cafezinho e quantos ainda se empenham em demolir a Lavajato nessa Guerra Mundial Híbrida que estaria em curso. Dizer que esse povo cordato e mansueto não tem misericórdia e quem deve morrer são os nossos inimigos me fez recordar Getulio e Jango como dois momentos em que essa força cívica deveria ter assomado em sua plenitude, sem esquecer de Dilma, que teve sua vitória eleitoral esmagadora sobre Aécio lançada ao lixo. Não nos enganemos, a força não estará entre nós enquanto as aparências continuarem mantendo essa farsa de que vivemos numa democracia. Ou será que alguém ainda acredita que STF/STJ/TSE são a garantia de que vivemos sob uma sacrossanta e inviolável Constituição democrática, sob a guarda de um quarto poder infenso à corrupção, arbítrio e enganação? Talvez tenhamos nos próximos meses alguma reação, assim que os bolsos esvaziados e o recrudescimento da violência que a miséria fomenta atingirem novos patamares, mas de que adianta, se o ventríloquo democrático, hoje aprovado apenas por 3% da população, continuar vendendo sua muamba (a ordem e o progresso democráticos) falsa como verdadeira? Em síntese, quando os 97% de cidadãos contrários a Temer derrubarão esse Moro da Vergonha que personifica a ditadura vigente? Quando nossa juventude ressurgirá e botará para correr esse MBL que supostamente fala e age em seu nome? Quando teremos força – não a da Guerra nas Estrelas e outras ficções hollywoodianas – capaz de sobreviver a um bloqueio de Internet como esse que vem solapando o teu/nosso blog de resistência, sem que o alzheimer coletivo vigente deixe tudo como está para ver como é que fica? São indagações pertinentes, uma vez que foi em nome da falecida República que Dilma e todas as resistências da cidadania deixaram o impeachment ocorrer e sepultar nossas esperanças em dias melhores – razão pela qual, nessa epheméride, nosso luto republicano não pode escamotear a verdade dos fatos. A de que o Brasil precisa ser redemocratizado para valer, sob pena de Temer e seus sequazes tucano-peemedebistas se eternizarem nesse autoritarismo vigente, sob a cumplicidade do PT e demais siglas que aparentam se opor à tragédia em andamento.

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> o GGN, DCM e Cafezinho e quantos ainda se empenham em demolir a Lavajato 

      caro observador1, como vc muito bem observou este post tem como foco o trabalho conjunto de vários sites da mídia alternativa (em especial, neste exato momento, GGN, DCM e O Cafezinho).

      ao que parece, infelizmente a maior parte dos leitores e participantes ainda não demonstra ter compreendido a importância desta iniciativa.

      -> Dizer que esse povo cordato e mansueto não tem misericórdia e quem deve morrer são os nossos inimigos me fez recordar Getulio e Jango

      -> sem esquecer de Dilma

      nosso povo não é cordato, ao contrário do que reza a lenda. nossa História é uma sucessão de massacres e genocídios a cada vez que o povo se insurgiu.

      foi o Povo nas ruas após o suicídio de Getúlio que abortou o golpe em 1954. mas em 1961 e 1964 Jango se recusou a colocar o Povo (e as tropas) nas ruas. o mesmo ocorreu com Dilma em 2016, com a ressalva que a esta faltavam as tropas, as quais Jango tinha suficientes para humilhar a quartelada atabalhoada de Mourão Filho.

      -> Talvez tenhamos nos próximos meses alguma reação

      temos tido considerável reação desde antes do golpe. mas… pondere: como se ter maior reação se Dilma e Lula, assim como PT, CUT e MST, jamais abraçaram de fato uma resistência lastreada nas ruas?

      -> Quando nossa juventude ressurgirá

      já ressurgiu diversas vzs, inclusive com o movimento secundarista de 2016/2016. a juventude estava em peso na Ocupação de Brasília, em 24-MAI-2017.

       a chave da compreensão do comportamento da juventude é Junho de 2013, e o período que vai até a Copa de 2014, quando foi expulsa das ruas e perseguida com inquéritos criminais.

      enquanto amplos setores da Esquerda se recusarem a compreender Junho de 2013, insistindo numa narrativa tão conveniente quanto improcedente, jamais conseguirão dialogar com a juventude, muito menos inspirá-la a voltar maciçamente às ruas.

      -> Quando teremos força – não a da Guerra nas Estrelas e outras ficções hollywoodianas

      a “força” a que me refiro não é uma citação ingênua a qualquer ficção da indústria cultural. e sim Hollywood é quem faz uma citação enviesada e medíocre da “força” a que me refiro.

      -> A de que o Brasil precisa ser redemocratizado para valer, sob pena de Temer e seus sequazes tucano-peemedebistas se eternizarem nesse autoritarismo vigente, sob a cumplicidade do PT e demais siglas que aparentam se opor à tragédia em andamento.

      sem dúvida! daí a necessidade de um constante processo de crítica e autocrítica no campo da Esquerda! sem isto não temos como nos opor “à tragédia em andamento”.

      contudo, esta tragédia é algo inevitável, dadas as opções erradas tomadas pelas forças progressistas no Brasil, desde a redemocratização. sem compreender que optamos passar por esta tragédia, como se ela não fosse também de nossa responsabilidade, por nossas escolhas e ações, vamos apenas girar em círculos.

      abraços

      .

      1. Chega de nos enganarmos, gente!
        Arkx, a aparência não bota comida na mesa e o ilusório não resiste à realidade, razão pela qual esperar que os donos da internet banquem um contragolpe é irracional e enganoso. Sem educação e informação, não temos reação à vista; a bateção de panela ainda envergonha e manieta seus autores e as camisas da CBF são fardamento de uma batalha que não houve mas sinaliza lado, facção e não se muda de time ao sabor do apito – principalmente quando o amor próprio nos leva a persistir no erro. Para haver estouro popular e multidão aguerrida, a amnésia precisa vencer a predisposição e uma geração assumir ser preciso mudar e isto só o tempo aliado à carência e desesperança permitirão. Nossa pequena classe média é gigantesca e, como tal, lerda e quase catatônica, submissa ao faz de conta e à cabeça feita pela elite; só muita fome e carência rompem sua inércia contemplativista, razão pela qual o “pai dos pobres” GV se sentiu deserdado pelos filhos e se matou, assim como Jango é apenas nome de um viaduto enorme que liga o nada à parte alguma, sem raízes, copa ou frutos que a Moral e Cívica escolar não tenha aniquilado. Sem história por trás, sem opção à frente, resta apenas um operário no fim da vida como alternativa, mas se a ditadura togada o impedir de concorrer e a fome gritar mais alto, qualquer Dória pintado de gestão vira opinião e vence a eleição. Afinal, jovens como você, que propagam ter a força, a razão e mentem com convicção aqui estão, transformando black-bloks mercenários em heróis. E de nada adianta termos filmes mostrando eles como força auxiliar da tropa de choque em junho de 2013 (saindo para atear fogo em sacos de lixo e voltando incólumes, na praça Ramos de Azevedo, à concentração logo atrás da tropa e suas bombas de efeito moral, gás lacrimogênio, spray de pimenta, balas de borracha e jatos d´água fria no frio junino da Paulicéia). Filmes, como os que flagraram as malas da corrupção em trânsito e os rega-bofes de Moro com corruptos e corruptores, não provam nada quando não queremos enxergá-los e às somas astronômicas que nos subtraem. Mas se forem vinte centavos de aumento na tarifa de ônibus, fora Dilma!, fora Lula!, abaixo o PT! – e a ilusão ganha a partida, mas não o campeonato enquanto este durar, afinal não foi assim que terminou o campeonato de 64, vinte e um anos depois, em 85? Concluindo, quero deixar claro que minhas críticas ao PT são meras queixas de um esquerdista sem esquerda, porém lulista e dilmista até 2030 ou será otimismo demais supor que até lá termine o campeonato em curso? Será sim, caso prevaleça a sua opinião, de primeiro exterminarmos a elite econômica se quisermos resolver nossos problemas – com um banho de sangue capaz de afogar o banhista? -, mas talvez possamos refundar o PT como PPJ, partido da pessoa jurídica, e renovar para valer o Congresso Nacional, para acabar com os subsídios/anistias fiscais e demais prêmios que mantêm e sustentam essa mesma elite escravagista de que somos teúdos mas não manteúdos.

        1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

          -> jovens como você

          caro observador1, como vc não teria condição de observar já não sou jovem há pelo menos algumas décadas. apenas para contextualização da interlocução, já cruzei a última fronteira cronológica.

          posto isto, tenha certeza que li seu comentário com toda atenção. poderia escrever longamente sobre diversos pontos. algo me parece prioritário e urgente urgentíssimo. assim faço um chamamento. por favor, reflita:

          – é preciso furar as bolhas, escapar delas, circular entre elas. arejar. visualizar outros pontos de vista. encarar outras perspectivas. dialogar com outros discursos. falar outras línguas.

          não sem antes deixar enfaticamente claro que compreendo perfeitamente suas colocações, com as quais tenho várias identificações, destaco alguns efeitos-bolha em seu comentário, sem qualquer intenção depreciativa, muito pelo contrário, mas apenas para apresentar uma ponderação alternativa.

          -> assim como Jango é apenas nome de um viaduto enorme que liga o nada à parte alguma

          é um dos efeitos-bolha mais presentes no debate político brasileiro: a centralidade de São Paulo. considere : no Rio, há uma grande avenida central chamada Pres. Vargas e tb uma vital via expressa João Goulart. enquanto isto em São Paulo, Borba Gato ganhou uma enorme estátua e Raposo Tavares uma rodovia inteira.

          e assim foi com Junho de 2013, e seus desdobramentos até a Copa de 2014, cujas características foram muitíssimo diferentes no Rio e SP.

          -> transformando black-bloks mercenários em heróis. E de nada adianta termos filmes mostrando eles como força auxiliar da tropa de choque em junho de 2013

          os que utilizam a tática black bloc, difundida mundialmente após Seattle e Genova, não são heróis e muito menos mercenários. muito embora em todo movimento de massa haja heróis e também mercenários infiltrados.

          para compreender o black bloc é preciso romper a camisa de força de outro efeito-bolha. não me tome por pretensioso, mas apenas para enriquecer a conversa sugiro dois livros:

          – “M@ascAr@dos”, de Esther Solano sobre os adeptos do black bloc no Brasil;

          – “Black Blocs”, de Francis Dupuis-Déri, resultado de 15 anos de pesquisa sobre o tema.

          esclareço: não sou adepto da tática black bloc, mas é forçoso reconhecer que em determinadas circunstâncias ela tem seu lugar (vide vídeo abaixo).

          -> Mas se forem vinte centavos de aumento na tarifa de ônibus, fora Dilma!, fora Lula!, abaixo o PT!

          aqui outro efeito-bolha, este por conta de uma narrativa enviesada cunhada por intelectuais Lulistas (esclareço, o termo não é depreciativo, cfe. André Singer). Junho de 2013 jamais foi um movimento especificamente direcionado contra Dilma, Lula e o PT. e sim muito mais na linha do “que se vayan todos!”

          Junho de 2013 tornou-se o mais grave efeito-bolha impedindo a Esquerda brasileira tradicional de se reciclar. sei que este ponto é todo um debate, muito além desta troca de comentários.

          -> um esquerdista sem esquerda

          aqui um exemplo de como escapar do efeito-bolha. um esquerdista sem esquerda! também poderia me colocar assim. Marx sem marxismo. um PT sem a burocracia partidária. Lula sem Lulismo. anarquista sem Anarquismo.

          abraços

          vídeo: ALERJ 09/02/2107 – TV Sind Justiça RJ

          [video: https://www.youtube.com/watch?v=rQv0mWyxGAM%5D

          .

          1. Não nos enganemos, gente!
            Arkx, para meu olhar septuagenário o teu avatar é de jovem, o que numa conversa sobre aparências versus realidade ilustra bem contradições geradas por um Estado que continua sendo gerido pela mesma UDN/ARENA de sempre, agora sem oponente minimamente organizado, uma vez que o PT não soube ou não pôde criar uma mídia alternativa – depois de injetar R$ 6,5 bilhões em anúncios na Globo em sua dúzia de anos no poder – e muito menos seguir GV e resgatar os educadores como construtores de gerações como a minha, que se insurgiu contra o golpe de 64. Sem mídia e sem educadores valorizados e respeitados, a geração-coxinha sem misericórdia com panelas e sem vergonha de odiar pretos, pobres e políticos avessos às desigualdades sociais, chegamos ao atual estágio de estupidificação da cidadania, uma vez que a Constituição de 88 não foi digerida pela elite escravocrata e pela massa humana dela dependente desde o Brasil Colônia. Com mais de meio século de jornalismo na carteira de trabalho e uma estadia no DOI-CODI antes de chegar aos18 anos, reitero o que escrevi e não posso concordar com essa distinção geográfica com que nos brinda: São Paulo é onipresente em nossos mais de cinco mil municípios e aqui Getúlio Vargas é nome de pequena rua da antiga periferia de Vila Maria, contígua às favelas do Parque Novo Mundo, razão pela qual sempre encontrei GV em zonas de meretrício ou áreas depreciadas, muito embora existam exceções como a do RJ. O bandeirantismo está presente por toda parte, mas, principalmente, na síndrome de julgarmos esta terra um lugar de passagem e de fazer fortuna para depositá-la e usufruí-la na “metrópole” ou paraísos fiscais de onde nos consideramos natos. O nacionalismo está quase sempre associado a períodos de exceção, mas, sem história – principalmente a Contemporânea – não nos orgulhamos muito desse continente pátrio, motivo pelo qual é o campeão planetário de auto-destruição florestal, hídrica e marinha, assim como ninguém correlaciona o título de campeão mundial no uso de agrotóxicos com o de campeão do mundo em neoplasias ou câncer. Estrangeiros em nosso torrão natal, desde 88 temos uma casta judicial plenipotenciária que nos priva de justiças comezinhas, como a punição dos corruptos e corruptores, separando criminoso de colarinho branco dos demais – simplesmente por termos câmaras municipais, assembléias estaduais e um Congresso Nacional repletos de bandidos legislando em causa própria. Meus antigos torturadores são nome de avenidas, mas nunca vi o nome de Lamarca nominando escola ou logradouro, mesmo no Vale do Ribeira aonde foi bombardeado com napalm e agente-laranja até hoje presentes na biota ou cadeia alimentar, sem nenhum estudo de saúde pública sobre a questão. Por tudo isto, junho de 2013 é a pedra fundamental de nossa conversão em gigantesca Guantanamo: quando presenciei Plínio de Arruda Sampaio perfilado à porta do Teatro Municipal, desfraldando a bandeira do Psol sobre aqueles jovens mascarados vestidos de preto, protestando contra um reajuste de 6,7% na tarifa de ônibus concedido por um prefeito do PT; e quando estes jovens, depois de quebrarem e incendiar lixeiras públicas, voltavam a se concentrar atrás da Tropa de Choque e das viaturas da Rota (com sua cor cinza e negra associadas ao Esquadrão da Morte que durante décadas assassinou pobres na periferia), pressenti o pior; uma manobra para desestabilizar Dilma. Em nenhum momento eles ameaçaram a Assembléia Legislativa, a Câmara de Vereadores ou o Palácio dos Bandeirantes, assim como as pedradas contra a Globo, dois ou três meses mais tarde, ocorreram noutro contexto. Por isso, lamento que Lula/Dilma não tenham concedido aos fundadores do Psol as prebendas que estes reclamavam, pois, mesmo injustas (convenhamos, Ivan Valente nunca fez jus ao sobrenome e Plinio de Arruda, que morreu um mês depois, aos 83 anos, já era um cadáver político), teriam evitado que essa sigla se somasse aos tucanos e peemedebistas nos protestos que culminaram com o golpe. E certamente evitariam boa parte dessas bolhas gasosas que nos sufocam, rescendendo aos sonhos então assassinados e ora putrefatos.

          2. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

            nota: provavelmente o configurador de tamanho não vai definir corretamente as dimensões da imagem (400×247). releve.

            caro observador1,

            como já observei anteriormente, seus comentários são muito bons. já que a comunicação por escrito enseja muitos mal entendidos, e existem várias formas de tentar evitá-los, desta vez vou fazer um ping-pong.

            sempre faço questão de deixar claro: compreendo perfeitamente seu ponto de vista. conheci e de certa forma ainda convivo com muitas pessoas que pensam como vc. temos muitas identificações, mas em alguns pontos a discordância é crucial. o que não vem a ser nenhum problema. só enriquece.

            vou demarcar claramente ambas: convergências e dissonâncias. algumas vzs o tom poderá ser um tanto duro, mas sempre respeitoso. espero que releve.

            -> um Estado que continua sendo gerido pela mesma UDN/ARENA de sempre

            concordo 100%.

            os 13 anos de Lulismo deveriam ter sido a paciente e cronometrada, minuciosa e determinada, corajosa e astuciosa, reengenharia de um novo pacto político de uma nova estrutura de poder.

            mas, contudo, todavia, entretanto… esta já não era nem sequer a intenção do PT, ao menos desde 1989.

            -> uma vez que o PT não soube ou não pôde criar uma mídia alternativa – depois de injetar R$ 6,5 bilhões em anúncios na Globo em sua dúzia de anos no poder

            pois é. mas não foi por falta de aviso e de quase “súplicas”. e também não foi por falta de gente capacidade e disposta a trabalhar por este projeto de uma mídia alternativa.

            a dura e triste verdade é que o PT (ou o Lulismo, para ser mais exato) tentou de todos os meios cooptar a Globo. o mesmo que fez com os demais grandes grupos empresariais brasileiros. deu no que deu. e os melhores exemplo do pior são Eike Batista e a  JBS.

            -> e muito menos seguir GV e resgatar os educadores como construtores de gerações como a minha

            -> chegamos ao atual estágio de estupidificação da cidadania

            pois é, de novo!!!

            o investimento maciço não deve ser numa abstrata “educação” (assim como tb numa abstrata saúde). e sim em educadores. e na relação pedagógica não apenas nas escolas e universidades, mas através de um cotidiano ele mesmo fonte de aprendizado e gerador de conhecimento. em outras palavras: numa pedagogia de construção coletiva da cidadania.

            e por que não foi e é feito?

            é o ponto em que a Direita e a Esquerda tradicional se igualam: porque este processo gera autonomia. as massas deixam de ser apenas massa de manobra e se tornam sujeitos coletivos com vontade e projeto próprios. então, bye bye burocracia dirigente..

            -> uma vez que a Constituição de 88 não foi digerida pela elite escravocrata

            verdade. a elite brasileira não passa da corja que enriqueceu. são insuperavelmente medíocres e de uma incompetência ancestral para gerir o país.

            só que isto preciso ser dito. assim mesmo, com estas palavras. na cara deles. para o povão ouvir e entender. e ser combatido com ação e organização. com resultados. e resultados rápidos.

            e não ficar com tapinhas nas costas, apertos de mãos, sorrisos cínicos, cochichos ao pé do ouvido..

            -> e uma estadia no DOI-CODI antes de chegar aos18 anos

            convivi com pessoas que foram presas e torturadas. naquela época 2 ou 3 anos de idade faziam grande diferença. estas pessoas não faziam nada de mais. eram bem críticas à luta armada. apenas liam em grupos de estudos obras “subversivas”: “História da Riqueza do Homem”, “As veias Abertas América Latina” e o perigosíssimo “Manifesto Comunista”. por causa disto foram enfiados na “geladeira”.

            alguns anos depois, ocupávamos as ruas lutando por “Anistia, Ampla, Geral e Irrestrita”. e a Esquerda mais uma vez capitulou. e por favor não me alegue nenhuma “correlação de forças”, porque nos anos seguintes esta correlação se alterou decisivamente. e a Lei da Anistia aos Torturadores jamais foi revisada. nem mesmo por Dilma.

            é preferível a derrota de pé, do que uma vitória de joelhos. a derrota de pé é a mãe da vitória que virá, enquanto a vitória de joelhos é a madrasta de uma derrota que já está ali.

            -> e aqui Getúlio Vargas é nome de pequena rua da antiga periferia de Vila Maria, contígua às favelas do Parque Novo Mundo, razão pela qual sempre encontrei GV em zonas de meretrício ou áreas depreciadas

            não sabia disto! muito legal saber.

            -> muito embora existam exceções como a do RJ.

            é o que estou lutando para lhe fazendo compreender.

            em Junho de 2013 a diferença nas ruas entre SP e Rio foi enorme. além disto, no Rio as manifestações continuaram fortes até a Copa de 2014. inclusive com as greves dos professores e dos garis.

            -> esta terra um lugar de passagem e de fazer fortuna para depositá-la e usufruí-la na “metrópole” ou paraísos fiscais de onde nos consideramos natos.

            nunca existiu nenhuma “burguesia nacional”. o grande empresário brasileiro sempre esteve associado aos interesses internacionais. e disto a Globo é um dos melhores e mais atuais exemplos.

            portanto, qualquer política de Esquerda tem que ter esta constatação como norte. e não ficar com iniciativas estúpidas como foram as “campeães nacionais”. oligopólios formados com recursos públicos através de política de governo, mas sendo apresentado como neo-desenvolvimentismo.

            -> motivo pelo qual é o campeão planetário de auto-destruição florestal, hídrica e marinha, assim como ninguém correlaciona o título de campeão mundial no uso de agrotóxicos com o de campeão do mundo em neoplasias ou câncer.

            há mais de 11 anos passo boa parte do tempo em um sítio no Sul de Minas. região da água mineral. a seca por aqui tem sido tão forte e constante, que há brigas por água na região rural.

            enquanto isto, tão de novo fazendo o Leilão do Cavalo Manga Larga. compra por 500 mil. assina integral mas paga com deságio de 90%. e os helicocas continuam sobrevoando.

            pois bem, agora vem o que quero de fato abordar aqui. acabei de saber que no leilão de ontem um dos cavalos foi arrematado pela simplória quantia de 1,5 milhão. existem alguma possibilidade de se enfrentar as desigualdades brasileiras sem atacar de frente este mecanismo? a Lava Jato é uma operação realizada pela Direita, sem dúvida, mas a partir de fatos concretos. não é porque a Lava Jato é seletiva e partidarizada que uma operação análoga não tenha que ser conduzida, só que pela Esquerda. este é o dilema, e outro efeito-bolha, que a Esquerda se recusa a enfrentar.

            -> convenhamos, Ivan Valente nunca fez jus ao sobrenome

            mais uma vez a enorme diferença: entre o PSOL de SP e o do Rio há uma distância abissal, o fosso do PSOL paulista. o PT do Rio foi sistematicamente destruído pela Executiva nacional até se tornar nada mais do que linha auxiliar do PMDB de Cabral e Paes. o PSOL carioca tem bons políticos, como Freixo e Glauber.

            -> simplesmente por termos câmaras municipais, assembléias estaduais e um Congresso Nacional repletos de bandidos legislando em causa própria.

            jamais vamos mudar coisa alguma focando única e exclusivamente na via parlamentar. esta foi a discussão política mais presente nos tempos do nascimento do PT. e a ela temos que retornar. só que agora com o enfoque da experiência. e tb dos novos tempos, das novas formas de organização e de luta. este ponto é tb ele todo um debate a parte.

            -> Por tudo isto, junho de 2013 é a pedra fundamental de nossa conversão em gigantesca Guantanamo

            vc está enganado quanto a Junho de 2013. foi a maior oportunidade perdida pela Esquerda. mas não o quero convencer disto. apenas lhe apresentar uma outra leitura, e de forma sólida e documentada.

            -> depois de quebrarem e incendiar lixeiras públicas, voltavam a se concentrar atrás da Tropa de Choque e das viaturas da Rota

            não questiono em absoluto o que vc testemunhou. ao contrário, reafirmo. estive em várias ocasiões nas ruas entre 2013 e 2014.

            considere: em todo movimento de massas há infiltrações. o movimento de massas é para onde todas as forças convergem. ele as catalisa. e é nele que entram em disputa. o movimento de massas é a luta de classes viva ocupando as ruas.

            -> uma manobra para desestabilizar Dilma.

            é a pior leitura que se fez naquele momento. inclusive uma leitura fechada obtusamente em SP. como sempre, exacerbando a importância de SP. seria até natural avaliar como uma manobra para desestabilizar Haddad. mas Dilma, por quê?

            lembre-se que nem Dilma comprou esta leitura, ao propor a Constituinte exclusiva. aliás, Dilma é a grande personagem trágica contemporânea. e não Lula. mas é bem verdade que Lula está em vias de suplantar Dilma.

            -> Em nenhum momento eles ameaçaram a Assembléia Legislativa, a Câmara de Vereadores ou o Palácio dos Bandeirantes, assim como as pedradas contra a Globo, dois ou três meses mais tarde, ocorreram noutro contexto.

            mais uma vez vc está incorrendo em tomar SP como a totalidade do país. no Rio houve a célebre tomada da Alerj. houve acampamentos de semanas na frente da Câmara de Vereadores e da rua onde morava Sérgio Cabral. várias manifestações contra a Globo. o ataque do vídeo que postei (e que vc não viu ainda) ocorreu numa noite que ficou conhecido como “Leblon em chamas”.

            Junho de 2013 foi muito maior, mais profundo, mais duradouro e mais incisivo no Rio do que em SP.

            em 20/06/2013, a av. Pres. Vargas foi ocupada de ponta a ponta. ao chegar em frente à Prefeitura, a multidão foi atacada do nada pela cavalaria da PM. recuaram. reagruparam. e contra-atacaram. nesta noite nasce o black bloc no Rio. com a garotada das favelas enfrentando no asfalto o caveirão.

            vou deixar os vídeos. tenha um pouquinho de boa vontade e assista qdo tiver vontade.

            sabe por quê? porque chegou a hora: Não nos enganemos, gente! o mundo passa por mais uma grande transformação. não ainda está perdido. tudo está em jogo.

            chegou a hora de pessoas como vc retornarem às ruas. para se reencontrar com o jovem que vc já foi. e nunca deixou de ser em seu íntimo. para se abraçar a uma juventude nas ruas que precisa desesperadamente de sua experiência. e que saberá lhe recompensar com doses imensas de vitalidade.

            nada temos a perder, somente um mundo a ganhar.

            obrigado pela oportunidade de dialogar.

            vídeo: manifestantes enfrentam o blindado “Caveirão” – Rio de Janeiro – 20/06/2013

            [video: https://www.youtube.com/watch?v=FTEoPHVTd9Y%5D

            .

             

             

          3. A “fome neoliberal” será a salvação da Nação?
            Arkx, 1) – Gostaria muito que fosse verdade que o RJ fosse exceção à regra e pudesse liderar a reconstrução nacional, mas infelizmente SP, como capital econômico-financeira e, antes, do bandeirantismo colonizador, é quem comanda o jogo de xadrez decodificado por Nassif. Prova disso é haver convertido o “pai dos pobres” GV em figura menor que só é nome da ligação viária que revolucionou a geografia carioca por ter sido o grande fiador do prefeito que a ergueu há 73 anos, na condição de presidente da República de que o Rio era capital. Em SP, a elite lhe reservou uma modesta rua da periferia e acaba de rasgar um de seus maiores legados, a CLT, através de um ex-secretário da Segurança pública paulista, Michel Miguel Elias Temer Luria, sem qualquer manifestação mais significativa de nossos 220 milhões de conterrâneos. 2) – Graças à GV, na hora mais difícil do país pós-64, o único nome consagrado pela população para suceder ao entreguista FHC foi o de um filho da CLT varguista, dirigente de uma agremiação que deveria se chamar partido dos sindicalistas. Semi-alfabetizado mas phd em lutas contra o patronato mais radical e escravagista do país, Luiz Ignácio dançou no fio da navalha e só graças ao seu vice-presidente não foi deposto pelos neoliberais que dominavam e dominam a economia e finanças nacionais. Errou muito, não ouviu quantos haviam enfrentado a ditadura, mas Dilma e sobretudo Zé Dirceu o assessoraram bem e ao término da dúzia de anos no poder, o PT/Lulistas/Dilmistas deixaram uma herança altamente subversiva – que nenhum dirigente da esquerda que tínhamos seria capaz de idealizar e implementar: resgatou entre 30 e 60 milhões de pessoas da miséria e retirou o Brasil do mapa da fome mundial. 3) – Como a fome é o grande ideólogo que preside todas as revoluções humanas, resta saber se Lula vai ter o fim de seu artífice gaúcho e virar, caso morra, talvez nome de alguma transversal sem saída da imponente avenida Roberto Irineu Marinho paulistana ou se, parafraseando o grande guru e conterrâneo de Lula, Josué de Castro, quem provou arroz e feijão jamais vai voltar a viver de “leite da lama” (nome do caldo de carangueijos que alimentava a pobreza nordestino-litorânea). Josué, que foi cassado pelo AI-1 dos golpistas de 64 e viveu e morreu no exílio, certamente hoje seria hóspede da Operação Lava Jato na República de Curitiba, pois jamais perdoaria o fim das políticas redutoras de desigualdades sociais e jamais deixaria passar em branco o fato do principal assessor do juíz Moro, o procurador do MPF Deltan Dallagnol, ter comprado duas casas do programa Minha Casa, Minha Vida – destinado a famílias com renda máxima de seis mil reais – mesmo ganhando mais de R$ 60.000,00 mensais. 4) – Quando a massa deserdada e faminta ocupar as ruas do país batendo panelas vazias, saberemos se a herança lulista fará ou não diferença em nossa Nação. Até lá, espero, tenhamos superado essas bobagens que hoje dividem o contingente de pessoas capacitadas a criar as bases para a reconstrução nacional.

          4. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

            caro observador1,

            deixo esta nota para que tenha certeza que não apenas observei sua resposta como a li com atenção.

            por motivos que seria um pouco difícil aqui explicar, devo reconhecer que suas palavras me deixaram um tanto entristecido. mas a vida é assim, dura…

            seja como for, muito embora estejamos talvez no momento mais difícil, complexo e perigoso da História do Brasil, também há enormes possibilidades oferecidas, assim como uma imensa energia criativa transbordando dos subterrâneos to tecido social.

            grande abraço

            .

  8. Não Tem Jeito, O Inimigo Continua Sendo O Mesmo

    Li e ainda estupefato preparava-me para aplaudir finalmente a percepção do autor que, “Agora o Inimigo é o Outro”, mas que nada, ao ler comentários do autor replicando comentários feitos com o eterno “lulismo / lulopetismo”, desisti pois, ‘paralelepipedicamente’, o inimigo dessa “revolucionária” gente, continua sendo e sempre será, o mesmo.

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> preparava-me para aplaudir

      nada é mais parecido com uma manada de patos amarelos do que uma manada de patos vermelhos.

      se eu quisesse fazer sucesso, teria sido dirigente sindical e parlamentar, desde o início da década de 1980.

      se quisesse ter ganho muito dinheiro, teria ocupado cargos de direção e em conselhos de administração.

      se quisesse aplausos tinha blog, Facebook e Twitter enaltecendo o “nosso governo” a “nossa gente”.

      um dos maiores obstáculos à redemocratização do Brasil é a manada de patos vermelhos.

      .

       

  9. Arkx, você já combinou com os Russos?

    Prá anular o golpe e seus efeitos maléficos sobre a maioria esmagadora da população, para revogar todos os atos e contratos do governo golpista e para punir todos os responsáveis pelo golpeachment, depende da correlação de forças das classes sociais em luta. Não se trata apenas de vontade.

    1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

      -> Arkx, você já combinou com os Russos?

      combinado com os russos, os chineses e setores dos EUA.

      mas vc há de convir que a situação mundial está um tanto periclitante. os sauditas e isralenses viraram o tabuleiro. o Irã explodiu um artefato nuclear. a Europa está prestes a entrar em colapso econômico. a RPDC não parece estar blefando.

      Dr. StrangeLove se tornou um exemplo de sanidade frente aos AngloSioNazi. assim sendo, nunca antes neste mundo as coisas andaram tão descombinadas quanto agora.

      vídeo: Dr.StrangeLove – cena final

      [video: https://www.youtube.com/watch?v=NFkryphC-k%5D

      .

      1. impossibilidade de desgolpe

        Neste momento tropas da Sérvia e dos Estados Unidos realizam exercícios conjuntos. Jovens que viram os familiares e vizinhos morrerem sob os bombardeios assistem agora o desembarque a convite das forças que bombardearam o país. Golpe? Uma queda não tem como ser derrotada, derrotas também não. Significaria não ter caído, não ter sido derrotado. Portanto, não existe um… des-golpe, nem golpe é uma expressão suficiente para o caso do Brasil. Golpe reduz muito ao plano interno e chama o pensamento para a questão de modelo econômico, neoliberalismo, para um funcionamento da política típico de um estado nacional soberano. Acontece que o estado não é mais nacional, muito menos soberano, porque foi de fora derrotado por dentro. E o foi não por acaso, mas por uma conjuntura geopolítica e estratégica nervosa e grave, em que as potências se medem, ameaçam e disputam posições em vista de guerra. O Brasil entrou em eixo com o polo mais belicoso, de índole manifestamente fascista. Imagina-se que chegaremos às eleições de 2018 e pelas urnas possamos reverter situações, avançar um projeto de recuperação. O sr. Temer disse que o Brasil tem vocação autoritária. Na sequência, sinais da caserna de apoio para o comando ao oficial general que defendeu intervenção militar. Será que os verdadeiros donos do golpe acompanham mera e desiteressadamente a cena?

        1. os Brasis: não esquecemos, não temos misericórdia.

          -> Acontece que o estado não é mais nacional, muito menos soberano, porque foi de fora derrotado por dentro. E o foi não por acaso, mas por uma conjuntura geopolítica e estratégica nervosa e grave, em que as potências se medem, ameaçam e disputam posições em vista de guerra. O Brasil entrou em eixo com o polo mais belicoso, de índole manifestamente fascista.

          muito bem exposto o nervo central da questão. dito com a terminologia que tenho adotado aqui no Nassif: o Império está em guerra de extermínio a todos os outros mundos.

          por falar nisto, acabo de descobri um excelente site, seguindo uma dica que me mandaram. acho que vc tb vai gostar muito: https://monogne.wordpress.com

          DECISIVE COMPONENT OF THE CIA’S WORLDWIDE APPARATUS. Its thousands of HIGHLY EXPERIENCED OPERATIVES, much older than incoming CIA recruits, had to have a big effect on the culture of the CIA. Thus, US INTELLIGENCE WAS NAZIFIED. 

          How Was The CIA Formed? By absorbing the Nazi war criminal infrastructure
          by Jared Israel

           

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador