Senhor Engenheiro, por José Manoel Ferreira Gonçalves

Soberania e Democracia são conceitos muito ligados ao desenvolvimento, tanto quanto a felicidade do povo está em grande parte ligada ao crescimento econômico sustentável

Senhor Engenheiro

Por José Manoel Ferreira Gonçalves

Se a advocacia depende de escritórios e tribunais, se a medicina depende de clínicas e hospitais, se o ensino depende de instalações adequadas e, enfim, se o ser humano precisa de casa pra morar, podemos dizer que disso se segue a engenharia funciona como o melhor termômetro para se medir o desenvolvimento. Não que seja mais importante que qualquer outra atividade, naturalmente, mas a melhor medida.

O raciocínio é singelo? Sim, mas nem por isso menos verdadeiro. De uma forma ainda mais simples, podemos medir a temperatura do nosso desenvolvimento pelo percentual de engenheiros (civis, ambientais, de produção etc.) uberizados que nos transportam.

Por outra: Soberania e Democracia são conceitos muito ligados ao desenvolvimento, tanto quanto a felicidade do povo está em grande parte ligada ao crescimento econômico sustentável com distribuição de renda, por exemplo.

Por isso que, muito provavelmente, quando o império quis atacar nossa soberania, nossa economia e nossa democracia, interrompendo um ciclo virtuoso da economia brasileira (apesar das enormes críticas que tenhamos ao período) o fez atacando a nossa engenharia de ponta que, devido ao trabalho de muitos figurava entre as mais desenvolvidas do mundo, conquistando obras por todo o planeta.

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Não falo isso por ser engenheiro, evidentemente, falo para que reflitamos sobre isso para que possamos pensar juntos uma maneira de evitar que soframos um novo ataque tão exitoso quanto o que foi feito pela famigerada Lava Jato que, se tinha o mérito de atacar um problema crônico dos países em geral e notadamente do nosso, a corrupção, esteve em primeiro plano a serviço de interesses de governos e corporações estrangeiras e, com o apoio da mídia hereditária, desacreditou nossa política, desestabilizou nossa democracia, e destruiu nossas empresas multinacionais, as que traziam dinheiro de fora para dentro do país.

O que acontece hoje com a Petrobras e com a Eletrobras advém daquela infame iniciativa, que era regida à distância, mas executada em solo brasileiro, mais especificamente, em solo curitibano. 

Importa aqui apontar que o alvo ter sido a nossa engenharia de ponta não se deve ao acaso, mas sim à absoluta certeza que seria a maneira de afetar de maneira mais generalizada o país como um todo.

O fato de a indústria da construção pesada e a engenharia nuclear ter estado no epicentro deste terremoto não deixa dúvida razoável, a nosso ver, quanto ao que aqui expomos. Nossos estaleiros desapareceram, nossas sondas para extração de petróleo do pré-sal não são mais feitas aqui, e sequer o direito à tecnologia exclusiva que aqui foi desenvolvida na área de sondas nos foi garantida. Do nosso submarino nuclear nem notícia mais recebemos.

Não teria cabimento a menor soberba, mas precisamos ter consciência da importância estratégica do nosso trabalho, para defender o interesse da classe, claro, mas também os interesses nacionais e, mais especificamente, do povo brasileiro.

Pretendemos aprofundar esse assunto, mas é relevante que tenhamos em mente esse primeiro ponto.

José Manoel Ferreira Gonçalves é jornalista, cientista político, advogado e doutor em engenharia. Dedica-se ao estudo da ecologia e meio ambiente, bem como aos modais de transporte, notadamente o ferroviário, para cuja bandeira milita.

O texto não representa necessariamente a opinião do Jornal GGN. Concorda ou tem ponto de vista diferente? Mande seu artigo para [email protected]

Leia também:

A história se repete? Pois que se repita!, por José Manoel Ferreira Gonçalves

A engenharia em transe, por José Manoel Ferreira Gonçalves

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José Carvalho

- 2022-06-04 15:37:23

A questão do perder envolve, sobretudo, o quanto isso te afasta do ganhar. Claro que interesses adversos foram presentes no que se relaciona à operação LAVA JATO. Mas a defesa do interesse nacional jamais poderia ser feita, senão pela institucionalidade do País. Tanto as instituições públicas quanto as instituições privadas, cada uma dentro das delimitações cabíveis a cada uma. Como foi referido, o todo envolvido não consistia apenas com a construção civil, mas a várias outras atividades. A solidez de uma sociedade está na garantia que ela oferece de si mesma, ou seja, na sua capacidade capacidade de avalizar a civilização contida e sob responsabilidade dela. Ser capaz de decidir sobre suas próprias questões, demonstra que toda e qualquer questão abrigada nessa engenharia jurídico - legal, que é a nação brasileira estará também garantida. A sociedade representada e o Estado representante são conexões de uma mesma causa. Perder essa orientação dentro das subordinações e da paridade entre as partes do Estado/sociedade, sobrepõem vontades nem sempre aplicáveis ao melhor proveito do conjunto de toda a sociedade. Fazer a preservação de todo o patrimônio produzido pela execução dessas atividades, levando em consideração o que representava esse acumulado, em face da dimensão dessa participação. As dimensões das perdas diretas e indiretas, seriam suficientes para justificar e legitimar a manutenção dessas atividades. Buscar estágios mais avançados para todas as engenharias envolvidas, podendo abrir espaços a outras, seria de grande impulso ao País sem qualquer prejuízo no que diz respeito ao cumprimento das leis.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador