Três vazamentos e três posturas diferentes de Sérgio Moro, por Fernando Haddad

Agora, Moro teria obrigação de mandar investigar vazamento de dados de David Miranda, defende o ex-prefeito Fernando Haddad

Foto Marcelo Camargo-Agência Brasil

Jornal GGN – “O caso Moro-The Intercept é paradigmático: Moro cometeu um ato indefensável ao vazar telefonema de Lula que serviu de base para impedi-lo de assumir a Casa Civil do governo Dilma”. E, agora, Moro teria obrigação de mandar investigar vazamento de dados de David Miranda, defende o ex-prefeito Fernando Haddad, em coluna para a Folha de S.Paulo, neste sábado (14).

Haddad cruza três situações dos últimos tempos polêmicas, mas que tiveram posturas completamente opostas do então juiz da Lava Jato e hoje ministro da Justiça do governo de Jair Bolsonaro. A primeira delas, foi a autorização como magistrado do vazamento, considerado ilegal, das conversas de Lula durante o governo Dilma Rousseff. Depois, as mensagens trocadas pelo Telegram e obtidas pelo The Intercept Brasil, que foram criminalizadas pela Lava Jato.

E agora, os dados da movimentação bancária do deputado e marido de Glenn Greenwald, David Miranda, sugerindo que ele teria cometido crimes, nada comprovado, nem pelos dados vazados do parlamentar. “Moro teria a obrigação funcional de mandar investigar e punir o vazamento de dados bancários do deputado federal David Miranda”, aponta Haddad.

Mas diferentemente de como se posicionou no primeiro episódio, o de Lula, e no segundo, das mensagens obtidas pelo The Intercept, no caso de Miranda, Moro não deve pedir apurações contra o vazamento ilegal: “Aposto que prevaricará e nem pedirá escusas”, conclui.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie agora