A agilidade do governo interino para entregar o pré-sal

Jornal GGN – O governo interino tem pressa em acabar com a exclusividade da Petrobras na operação do pré-sal. O Senado Federal aprovou em fevereiro o substitutivo de Romero Jucá para o projeto de lei de José Serra e a matéria deve ser votada em breve na Câmara dos Deputados. Michel Temer é defensor da medida.

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, concedeu recentemente entrevista ao Valor Econômico e disse que o governo precisa estimular as parcerias com o setor privado. “Nesse caso, a atividade pode perfeitamente ser partilhada com o setor privado, sem excluir a preferência da Petrobras”, disse. “Tudo aquilo que pudermos fazer em parceria com o setor privado, vamos fazer rapidamente”, garantiu.

Os defensores da medida afirmam que ela busca solucionar os problemas financeiros da Petrobras. “O problema é financeiro. Logo estaremos aqui com a necessidade de nova capitalização da empresa com dinheiro do contribuinte”, disse José Serra.

Os que são contrários acreditam que a dívida da estatal pode ser administrada sem a necessidade de entregar a riqueza da nação ao capital privado estrangeiro e também enxergam outras agendas, pessoais, sendo colocadas à frente do melhor interesse do país. “Em 2009, o Wikileaks vazou conversa de José Serra com executivos da Chevron na qual ele assumia o compromisso de mudar as regras do pré-sal para beneficiar a empresa e outras petroleiras estrangeiras. Muita gente não acreditou, a grande mídia abafou”, lembrou o senador Lindbergh Farias.

Nos últimos anos, a Petrobras foi o motor do desenvolvimento industrial e, graças ao seu pioneirismo, a fronteira tecnológica foi superada e o Brasil dominou processos complexos de perfuração e extração em águas ultraprofundas. Todo um ecossistema se desenvolveu para atender às encomendas da estatal e a indústria naval, por exemplo, foi ressuscitada.

Leia também:  A esquerda precisa mudar o discurso, por Daniel Dalmoro

“A Petrobras e suas operações do pré-sal são de extrema importância para a retomada do desenvolvimento e para combater o desemprego. A Petrobras é a espinha dorsal do desenvolvimento industrial brasileiro”, disse o senador Roberto Requião.

Contrariando os interesses do país, a política de conteúdo local foi flexibilizada no início deste ano, com a aprovação do Programa de Estímulo à Competitividade da Cadeia Produtiva, ao Desenvolvimento e ao Aprimoramento de Fornecedores do Setor de Petróleo e Gás Natural (Pedefor).

O Pedefor representou uma mudança na filosofia com relação ao conteúdo local. As penalidades para os descumprimentos de contratação nacional mínima, estipuladas nos contratos, foram atenuadas e os elos da cadeia de valor enfraquecidos.

A presidente Dilma Rousseff era contrária ao projeto de lei de José Serra e o substitutivo de Romero Jucá. Temer é a favor. 

As petroleiras estrangeiras não estão perdendo tempo. A Shell anunciou na última segunda-feira (30) uma parceria com a Sulzer e a FMC Technologies para o fornecimento de um sistema de bombeamento submarino multifásico que será aplicado na operação do Parque das Conchas, na Bacia de Campos.

Enquanto isso, a Petrobras continua a realizar novas descobertas no pré-sal. A área de Libra, primeira da Bacia de Santos a ser leiloada já teve o sétimo poço perfurado. Uma lâmina d’água de 2.034 metros foi superada e a presença de petróleo foi confirmada.

17 comentários

  1. E Se o Canal de Ormuz Fechar

    Em um momento que se acirram as tensões no Oriente Médio , donde a guarda revolucionária islâmica do Irã alerta quanto a possibilidade de fechamento do estreito de Ormuz motivado pelas operações militares por países estranhos na região. No caso de tal fato se concretizar estará ameaçada o escoamento de 1/3 da produção mundial de petróleo, nesta condição, o preço sobe exponencialmente o que ocasionará impactos significativos para o Brasil, pois importamos grande quantidade de óleo leve desta região para contrabalançar a grande quantidade de óleo pesado produzido aqui. Mas, temos a possibilidade de alterar este cenário nos próximos anos com a integração total do pré-sal sob domínio nacional. 

    Acho que a mídia deve dar mais ateção a estas questões, visto que o caso da petrobrás a um foco grande na questão do preço do barril e seu endividamento deixando de lado o ponto de vista da segurança energética.

    Abaixo segue reportagem

     

    http://br.sputniknews.com/mundo/20160505/4454531/eua-operacoes-ormuz-apesar-ameaca-ira.html

    • A pressa de entregar o

      A pressa de entregar o pré-sal é o título deste post. Motivos? Muitos. Esse que vc cita pode ser mais um. Muitas idas e vindas no governo interino. Muitos recuos, exceto nestes tópicos de interesse externo, tratados com celeridade e sem obstáculos. 

  2. Nassif: a entrega é maior.

    Nassif: a entrega é maior. Esse senador, acidental e criminosamente ministro, é chegado a maracutaias há muitos anos. Quem não se lembra da compra de ambulâncias? E do Paulo Preto, no Rodoanel? E da quebra das patentes de remédios? Da negociação da Vale, segundo seu comparsa e ex presidente? Do que se conseguiu descobrir, a folha corrida é longa e o BO, porém, nunca conseguiu ser lavrado, acobertado sempre pela grande mídia. A pergunta é —no retorno da Presidenta estes malfeitos poderão ser cancelados? E os facínoras devidamente enquadrados em crime de lesa pátria? E a Lei dos “Medios” finalmente editada, não sem antes algumas medidas zelosas contra esse bando da FIESP & Cia? Porque senão, todo trabalho de retomada do Brasil dessa quadrilha foi inútil

  3. Eesse governo golpista,

    Eesse governo golpista, precário, de merda, se deu autorização de revogar medidas do governo democraticamente eleito.

    O que nos impedirá, quando voltarmos ao poder ( e iremos voltar) de desfazer todos esses atos praticados sem autorização do mandatário supremo, o povo?

    Nada.

    Só espero que o próximo governante democrático tenha coragem para agir em nome dos interesses nacionais.

    Luciana Mota.

     

    • Usurpadores não têm legitimidade

      Eu não reconheço nenhuma ação praticada pelos usurpadores e golpistas.

      Todas as ações são ilegais e ilegítimas, pois são realizadas por uma quadrilha de usurpadores.

      Qualquer negócio com a quadrilha de usurpadores não é reconhecido e será repudiado no tempo devido.

  4. O vídeo…

    Pena que não tenho mais o link de um vídeo sobre geopolítica onde dizia claramente que Serra em 2009 havia prometido o pré sal à Chevron. Abordava também as inexplicáveis manifestações de junho de 2013. Um vídeo de cerca 30 minutos. Será que R. Maestri consegue encontá-lo? Já tentei e não consegui.

  5. MÍDIA INTERNACIONAL

    MÍDIA INTERNACIONAL REPERCUTE:
    – COMUNIDADE INTERNACIONAL NÃO RECONHECE GOVERNO INTERINO DE TEMER!!! ALEGAM NÃO HAVER SEGURANÇA JURÍDICA PARA INVESTIMENTOS NO BRASIL COM ESTE GOVERNO INTERINO!
    – DELEGAÇÕES OCIDENTAIS E DO LESTE EUROPEU ALINHAM-SE E AVALIAM NÃO ENVIAR RESPECTIVAS DELEGAÇÕES PARA DISPUTA DOS JOGOS OLÍMPICOS NO BRASIL!
    – CHINA, RÚSSIA, CHILE E URUGUAI AVALIAM A POSSIBILIDADE DE CHAMAREM DE VOLTA SEUS RESPECTIVOS EMBAIXADORES NO BRASIL!
    – CHINA AVALIA SUSPENSÃO PARCIAL DAS IMPORTAÇÕES DE SOJA BRASILEIRA!

  6. Atenção: agora o golpe é no Pré-sal!

    Atenção: agora o golpe é no Pré-sal!, por Romulus                                                      

     ROMULUS                                  QUI, 26/05/2016 – 07:18ATUALIZADO EM 26/05/2016 – 07:18

    Atenção: agora o golpe é no Pré-sal!

    Por Romulus

    Já tratei da falácia da revisão da meta fiscal para 170 bilhões de reais nos últimos dias. O título daquele post, que reproduzo abaixo, é bastante ilustrativo:

    Um Estado para chamar de seu: a farsa da “herança maldita” e o álibi para gastar (consigo)

    De lá extraio a seguinte passagem-síntese:

    >> Percebem como ter um governo ilegítimo e fraco sairá caro para a sociedade? Percebem também quem pagará o famoso – e plagiado – pato nesse quadro?

    Pois é.

    Já percebi e os analistas estrangeiros também, como se depreende dos artigos indicados (…).

    Concluo constatando a ironia histórica que vivemos:

    Empreenderam um golpe de Estado na presidente legítima usando como álibi irresponsabilidade fiscal. Pois o presidente ilegítimo que empreendeu esse golpe praticará irresponsabilidade muito maior. Nem que seja apenas para pagar pelo tal golpe.

    LEIA MAIS »

  7. Nassif;
    O que me espanta é a

    Nassif;

    O que me espanta é a falta de pressa dos petroleiros, ao contrario da agilidade dos golpistas que querem entregar o pré sal..

    Marcaram uma greve geral para daqui a 10 dias com duração de 24 horas. Jogarm duro ein!!!!

    Exemplo nos deram os funcionários da AGU , que imediatamente se mobilizaram e em menos de 24 horas botaram para a rua um golpista corrupto.

    Em 10 dias muita coisa pode acontecer.

    Genaro

  8. Tá no papo

    Muita gente se ilude pensando que o projeto Serra é benéfico porque não obriga, apenas permite que a Petrobras renuncie aos 30% mínimos de participação e ao direito de operar cada poço do pré-sal. Tem otário pensando que, se não for conveniente aos seus interesses, a Petrobras não abrirá mão dessas vantagens. 

    Balela! Com o conselho de administração, a diretoria e o presidente da Petrobras no bolso dos tucanos, basta a Chevron piscar o olho que ela abre mão de qualquer vantagem. A troco de nada.

    Adeus às ilusões, estamos é roubados! Greve já, só a greve dos petroleiros pode parar essa manobra entreguista e larápia!

    • ta no papo….

      Marcrap: perfeito. Mas o mais inacreditável é que é desta forma em toda economia. Por ideologias ultrapassadas ou entreguismo mesmo, doamos um dos maiores mercados mundiais em troca de bugigangas. Não exigimos nem trocas de tecnlogia. Donos das maiores reservas de minério de ferro não produzimo aço. Para ter “air-bag” obrigatório em automoveis levamos 20 anos e quase voltamos atrás. Não é só a Petrobrás é o Brasil todo. Um continenete que acha que é um país da Am. Central.    

  9. HURRY UP !

    É bom mesmo correr com isso,  o tempo urge e a “cagada” feita na Petrobras foi feia, não recuperável a curto prazo.

    A empresa não tem como extrair o petróleo do pré-sal e com a guerra declarada aos combustíveis fósseis em Paris, a tendência é que tenha cada vez menos.

    Há um boa probalbilidade de o petróleo ficar lá mesmo se esperar muito tempo. Simplesmente pela inviabilidade financeira da operação.

    AH, mas porque há tantos interessados ??  Ora, é um bom negócio, seria também um ótimo negócio para a Petrobras se ela fosse tão bem administrada quanto são as outras petroleiras.

    Quem quiser saber um pouco mais sobre o case Petrobras, é bom ler isso :

    How low can you go? Doing the Petrobras Limbo!

  10. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome