Ato pró-Bolsonaro divide caminhoneiros, insatisfeitos com alta do diesel

Parte da liderança apoia manifesto em apoio ao governo; outra articula protestos em Brasília para pressionar Bolsonaro a baixar valor do combustível

Greve dos caminhoneiros em 2018. Foto: Thomaz Silva/Agência Brasil

Jornal GGN – A alta do diesel e falta de fiscalização sobre a lei do frete são dois fatores responsáveis pela insatisfação da categoria dos caminhoneiros com o governo e deve diminuir a adesão da classe nos atos planejados no próximo 26 em apoio ao presidente Bolsonaro. É isso que mostra reportagem da Folha, publicada nesta terça-feira (21).

“A nossa classe está dividida em sete partes”, disse Fabiano Márcio da Silva, caminhoneiro de Governador Valadares ao jornal. Ele contou que ainda não sabe se irá ou não à manifestação. “Só [sei] que sou a favor do governo, sou patriota”.

Ele contou ainda que os grupos do WhatsApp, montados pela categoria desde os protestos que paralisaram o país em 2018, têm pessoas de todos os aspectos políticos, desde esquerda até aqueles que apoiam intervenção militar. “A política [das eleições] acabou, mas o pessoal não quer largar”, explicou.

Em um vídeo compartilhado em um dos grupos, o líder Salvador Edmilson Carneiro, o Dodô, de Riachão do Jacuípe, no norte da Bahia disse: “Tem a questão do óleo diesel, que hoje ninguém aguenta mais. A categoria vai acabar parando de novo. Parando por falta de condição de trabalhar, não vai ser nem para exigir alguma coisa”. O caminhoneiro criticou ainda o governo por manter a política de reajustes dos combustíveis.

Já Vanderlei Alves, conhecido como Dedeco, divulgou um vídeo e criou uma imagem de celular chamando os caminhoneiros para o ato do dia 26. “Quem puder pegar seu caminhão e ir à manifestação da sua cidade, vá. Para mostrar que os caminhoneiros está com o governo, com a governabilidade desse governo”. Segundo ele, o Planalto está sendo chantageado pela Câmara dos Deputados.

Leia também:  The Economist: Investigações da Lava Jato correm risco de autodestruição

Ao mesmo tempo, outro líder importante da categoria, em termos nacionais, Wallace Landim, o Chorão, divulgou que vai às manifestações, mas não representando os caminhoneiros: “Eu fui candidato nas últimas eleições e apoiei o governo. Então, eu, como Wallace Landim, vou”, disse.

Setores do movimento de caminhoneiros já estavam trabalhando na realização de outro protesto, não para apoiar Bolsonaro, mas para pressionar o Planalto a baixar o preço do óleo diesel. Alguns estão, inclusive, viajando para Brasília, com esse objetivo.

“Chegando em Brasília a gente vê o que vai aprontar por lá. Se vai fazer uma manifestação, uma carreata. A gente vai para cima do governo botar pressão”, afirmou Marconi França, caminhoneiro do Recife.

O grupo deve chegar em tempo de acompanhar a última audiência sobre a nova tabela de frete que está sendo desenvolvida pela Esalq-Log, da USP, a pedido do governo.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

7 comentários

  1. O próprio golpista contra as instituições já vai dar cano ao tal ato de apoio. Tivéssemos um STF menos omisso e submisso, a papuda já seria o caminho de quem convoca atos criminosos. Não sei se está em validade a Lei de Crimes Contra o Estado e a Ordem Política e Social – Lei 1802/53 que decreta o seguinte:

    Art. 1º São crimes contra o Estado e a sua ordem política e social os definidos e punidos nos artigos desta lei, a saber:
    Art. 2º Tentar:
    I – submeter o território da Nação, ou parte dêle, à soberania de Estado estrangeiro;
    III – mudar a ordem política ou social estabelecida na Constituição, mediante ajuda ou subsídio de Estado estrangeiro ou de organização estrangeira ou de caráter internacional;
    IV – subverter, por meios violentos, a ordem política e social, com o fim de estabelecer ditadura de classe social, de grupo ou de indivíduo;

    Pena: – no caso dos itens I a III, reclusão de 15 a 30 anos aos cabeças, e de 10 a 20 anos ao demais agentes; no caso do item IV, reclusão de 5 a 12 anos aos cabeças, e de 3 a 5 anos aos demais agentes.

    Art. 3º Promover insurreição armada contra os poderes do Estado.
    Pena:- reclusão de 3 a 9 anos, aos cabeças; de 2 a 6 anos aos demais agentes.

    https://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/128791/lei-de-crimes-contra-o-estado-e-a-ordem-politica-e-social-lei-1802-53

  2. A nossa classe está dividida em sete partes. Um disgnóstico que serve para a classe trabalhadora. Nós estamos divididos. Queremos um Brasil justo para todos mas estamos divididos. Se a união faz a força porque nos mantemos divididos?. Mexem no nosso queijo e continuamos acreditando que o rato(poder instituido e eleito pelo nosso voto) vai nos devolver o queijo( nosso imposto=segurança. EDUCAÇÃO, saúde, qualidade de vida)???. Continuamos divididos, mas a boca prá fora A UNIÃO FAZ A FORÇA.

  3. O cara falou que a “nossa classe está dividida”. Está enganado num ponto e certo em outro. Primeiro porque caminhoneiros não constituem uma classe. E parte de uma classe social constituída de trabalhadores assalariados precários e autonomos superexplorados, que não se reconhece como tal. A outra parte, que reconhece que estão divididos é uma afirmação correta. O que o cara não entende é que divididos, hoje, eles são melhores do que foram quando estiveram unidos e fizeram merda.

  4. Quem apoia Bolsonaro a podre e suja maçonaria que deu o golpe no país ,e evangélicos doutrinados por pastores maçons Silas salafrário ,Didimaiscedo , e outros que não merecem nem ser citados os tampas de bueiros

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome