Cassação de vereadora em SC é perseguição política, afirma Bancada do PT 

A vereadora se tornou alvo de seus pares após denunciar saudação nazista em manifestação no município de São Miguel do Oeste

Maria Tereza Capra (PT) | Foto: Reprodução/Câmara de Vereadores São Miguel do Oeste

A Bancada do PT na Câmara se manifestou neste sábado (4) contra a cassação do mandato da vereadora Maria Tereza Capra (PT), do município de São Miguel do Oeste, em Santa Catarina. 

A vereadora se tornou alvo de seus pares após denunciar uma manifestação em que os participantes protagonizam um gesto nazista em conjunto, após cantarem o hino nacional, em frente da base do exército da cidade do oeste catarinense, em 2 de novembro de 2022.

Segundo o PT, a decisão pela cassação do mandato, tomada na madrugada deste sábado, “trata-se de uma arbitrariedade e de clara perseguição política”. 

A decisão de ontem, tomada por 10 homens, com a ausência de uma vereadora, denota também o viés machista dos vereadores de São Miguel do Oeste”, diz a manifestação. 

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

Leia a nota na íntegra:

A Bancada do PT na Câmara repudia a decisão dos vereadores de São Miguel do Oeste (SC) de cassar, na noite de sexta-feira (3), o mandato de Maria Tereza Capra (PT), sob alegação de quebra de decoro parlamentar. Trata-se de uma arbitrariedade e de clara perseguição política simplesmente pelo fato de a vereadora ter publicado no ano passado, nas redes sociais, um vídeo com a denúncia de manifestação de vários participantes com gesto nazista em frente à base do Exército da cidade, em 2 de novembro de 2022.

Maria Tereza tem recebido ameaças desde novembro, por ter cumprido seu dever como política e cidadã, num momento em que extremistas de direita ameaçavam a democracia e as instituições de Estado. A decisão de ontem, tomada por 10 homens, com a ausência de uma vereadora, denota também o viés machista dos vereadores de São Miguel do Oeste.

Há evidências de parcialidade dos vereadores que conduziram o caso, bem como de falhas e vícios do processo. É inadmissível que tais fatos ocorram num momento em que o Brasil luta para resgatar a democracia e o Estado de Direito.

Brasília, 4 de fevereiro de 2023

Zeca Dirceu (PR), líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados

Redação

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador