Chefe de Inteligência do governo Uribe é condenada na Colômbia

Jornal GGN – A ex-chefe de Inteligência colombiana, María del Pilar Hurtado, foi condenada pela Suprema Corte do país a 14 anos de prisão. Ela foi acusada de espionar ilegalmente defensores dos direitos humanos, jornalistas, políticos e magistrados durante o governo de Álvaro Uribe. O processo judicial demorou quatro anos.

Enviado por Pedro Penido dos Anjos

Condenada a 14 anos a ex-chefe de inteligência de Uribe, na Colômbia

Por Sally Palomino

Do El País

Maria del Pilar Hurtado, ex-chefe da Inteligência colombiana. / FERNANDO VERGARA (AP)

Depois de quatro anos de processo judicial, a Corte Suprema da Colômbia condenou na quinta-feira a 14 anos de prisão María del Pilar Hurtado, ex-chefe dos serviços de inteligência durante a presidência de Álvaro Uribe (2002-2010). Hurtado foi acusada de espionar ilegalmente defensores dos direitos humanos, jornalistas, políticos e magistrados. A Corte também condenou a oito anos de prisão domiciliar Bernardo Moreno, secretário-geral durante o mandato de Uribe. Em sua decisão, o tribunal pediu que o agora senador também seja investigado pelos mesmos fatos.

Hurtado se entregou às autoridades em 31 de janeiro, depois de ficar foragida da Justiça, sob a forma de asilo político no Panamá, por quatro anos. Sua saída da Colômbia aconteceu bem quando estourou o escândalo. Foi a primeira funcionária do Governo de Uribe a enganar a Justiça. Atualmente, um ex-ministro e um ex-comissário da paz, ambos funcionários em seu mandato, estão foragidos. Hurtado é a segunda diretora de inteligência que se encontra detida por esse caso. Jorge Noguera, que exerceu o mesmo cargo, também no Governo de Uribe, foi condenado em 2011 a 25 anos de prisão.

Sobre a decisão da Corte de que o ex-presidente responda à Justiça por sua possível ligação com o caso, Uribe disse em sua conta no Twitter que na próxima terça-feira contestará a solicitação da Corte Suprema de Justiça. “Que tristeza que Bernardo Moreno e María del Pilar Hurtado sejam condenados por cumprir o dever”, tuitou Uribe.

Continue a ler no El País

1 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

José Muladeiro

- 2015-05-05 05:17:24

Mesmo num país que enfrenta tremendas dificuldades

internas, a Justça está atenta para punir os que atentam contra as liberdades constitucionais.  No Brasil vemos exatamente o contrário.  Pessoas sendo encarceradas sem nenuma culpa provada,  outros condenados porque provas a seu favor foram escondidas pelo MP, como é o caso de Pizolato, outros cuja única culpa era por estarem numa posição do partido como foi o caso de Genoino. Agora mesmo tudo se repete e nosso Supremo nada faz.  Triste Brasil!

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador