“Esse foi o primeiro ano que o produtor de arroz teve lucro”, diz ministra

A declaração ocorre quando o preço do arroz dispara, com regiões em que os supermercados já parcelam o alimento no cartão de crédito

Jornal GGN – A ministra da Agricultura Tereza Cristina disse nesta quinta (10) que, com Jair Bolsonaro, os produtores rurais tiveram “seus custos cobertos e uma margem de lucro” pela primeira vez “em muitos anos”.

A declaração ocorre quando o preço do arroz dispara – há regiões em que os supermercados já parcelam o alimento no cartão de crédito – sem que o governo Bolsonaro aceite regular as exportações e o preço no mercado interno, usando recursos como os estoques reguladores da Conab.

“Esse foi o primeiro ano que o produtor rural de arroz teve seus custos cobertos e uma margem de lucro. Trabalharam no vermelho muitos anos… Então foi muito difícil a tomada dessa decisão”, disse a ministra. Com a crise do arroz, o governo decidiu zerar a taxa de importação de arroz em países de fora do Mercosul – algo que, segundo a ministra, “incomoda muito o produtor”.

A isenção da tarifa deve abrir caminho para a exportação de arroz dos Estados Unidos e da Tailândia, que produzem um grau mais próximo do que é consumido no Brasil.

“Em meio ao dólar forte frente ao real que dificulta compras externas, as importações de arroz pelo Brasil de janeiro a agosto somaram 373,3 mil toneladas, queda de 26% ante o mesmo período do ano passado, segundo dados do governo”, frisou a Reuters.

A ministra ainda admitiu que a alta no dólar e o aumento da demanda no exterior impulsionaram as exportações de arroz produzido no Brasil, ajudando a elevar o preço no mercado interno. Mas assim como outros membros do governo Bolsonaro, Cristina indicou o aumento do consumo, por causa do auxílio emergencial, como fator de desequilíbrio nos preços vistos nos mercados.

Na noite de quarta (9), Bolsonaro disse que “de jeito nenhum” vai regular o preço do arroz intervindo no mercado. Segundo o ex-ministro Aloizio Mercadante, o presidente é obrigado por lei a fazê-lo, e o PT vai estudar a viabilidade de uma ação judicial.

Crise do arroz: Lei obriga Bolsonaro a regular os preços, diz ex-ministro

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  The Guardian: Os truques sujos de Trump na corrida eleitoral

8 comentários

  1. Isso é coisa de gente vagabunda…mentir descaradamente que pela primeira vez os agricultores estão tendo lucro como se eles fossem bonzinhos, uns verdadeiros santos a ponto de venderem em lucro há muito tempo……conta outra, va sua mentirosa……isso é cafajestice. Por outro lado, querer atribuir ao aumento de consumo ( por causa do auxilio emergencial) e não à falta de um estoque regulador essa alta dos preços é outra mentira deslavada….repito coisa de gente vagabunda, repugnante. Ora, se seus protegidos agricultores querem produzir só para exportação, sumam do brasil, vão plantar arroz na pqp e deixem suas propriedades aqui para que o MST as utilize para plantar e vender com preços socialmente justo para a população mais pobre, aliás, para todo o Brasil. Você e seu chefe boçal não têm vergonha na cara………….só desejo que um câncer dos mais bravos os leve para os quintos dos infernos. Já pensou se derepente os milharais, os canaviais, as plantações de soja deste país começarem a pegar fogo……? /afinal, se esses estrumes só pensam no lucro plantando mixaria percentual de arroz e feijão, que é a comida básica do brasileiro e se por causa disso agora vamos pagar absurdos pelo preço do arroz, daqui a pouco do feijão também, então é preciso darmos outras respostas à altura desses cafajestes: primeiro, fogo………….segundo, os imbecís que votaram num fdp desses que está aí, quem sabe reflitam e percebam que os tal auxilio emergencial minguado, se vier, será todo ele gasto com a roubalheira no preço do arroz porque um governo de cafajestes não têm competência nem mesmo para ter um estoque regulador (que o Brasil sempre teve) então não dá para votar novamente em bestas como essa aí………que aliás já devia ter sua chapa cassada pelo TSE, que sem vergonha na cara até agora não julgou a maior fraude eleitoral dos últimos tempos……..malditos, meu desejo é saber que esses estrumes foram premiados com um câncer cada um……malditos.

    19
    1
  2. Sou de uma região de produtores. A saca de 50 kg de arroz com casca era vendida a cerca de R$ 40,00, o que cobria custos e ainda garantia uma margem de lucro, pequena, mas existente.
    Com a saca a R$ 110,00, com potencial a chegar a R$ 180,00 estamos falando de margens de lucro 200% a 400%!
    Isso é um absurdo completo, quase tão absurdo quanto a alegação da ministra.

  3. Os agricultores, então, há 10 anos vêm
    promovendo almoço grátis?
    Isso mesmo?
    Po, expliquem ao guedes como sobreviver sem lucro.

  4. Nassif: quando te digo que o sistema de governo econômico do TenenteJair e seu fiel escudeiro GuéGué é, sobretudo, exterminador de pobre você não bota fé. Veja a declaração da ministra —“A ministra da Agricultura Tereza Cristina disse nesta quinta (10) que, com Jair Bolsonaro, os produtores rurais tiveram “seus custos cobertos e uma margem de lucro” pela primeira vez “em muitos anos”. Ou seja, o “Mercado” (e Bolsas e Bancos) precisam de pragas tipo Covid-19 pra alavancar seus negócios. É preciso que se explore as classes mais baixas pra que empresários sem escrúpulos (o que não falta) encham a burra de grana. Agora me responda. Sem a cobertura das baionetas da FardaVerde (apoiada pelos AzulSauvas) seria possível? Ouça o que dizia Saint-Hilaire, antes que seja tarde pra toda lavoura de Pindorama…

  5. Intencionalidades reveladas…
    são nesses conflitos de interesses, entre exportar e produzir para consumo interno, que a gente descobre que eles, os que apoiaram Bolsonaro, realmente fazem o que pretendem que aconteça.

    podem ter certeza absoluta de que o abandono dos estoques reguladores foi a pedido de gente que deu muito apoio financeiro; gente que atualmente já está comprando até os grandes atacadista como, por exemplo, o Assai Atacadistas. Futuro é de controle total dos preços

  6. Bem, o Guedes reclamando que as domésticas ganhando muito, o auxílio emergencial causando boom de consumo de alimentos e materiais de construção.
    Meu Deus, como ficamos ricos.

  7. Palhaçada, a declaração dos plantadores de arroz! 10 anos plantando no prejuízo? Que bonzinhos, eles… Resolveram se rebelar, justo agora em que vivenciamos uma pandemia e a renda dos trabalhadores está cada vez mais curta!Isso é crime contra a economia popular!

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome