FMI recomenda que o Brasil tenha “ambiciosa agenda de reformas” para retomar crescimento

Organização prevê crescimento de 0,9% do PIB do Brasil em 2019 e de 2% em 2020, graças a "tão esperada reforma da previdência"

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Jornal GGN – O mais novo relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), divulgado nesta terça-feira (15), orienta o Brasil a fazer “ambiciosa agenda de reformas, aberturas comerciais e investimentos em infraestrutura”, além da “tão esperada reforma da previdência.”

A organização aumentou de 0,8% para 0,9% a expectativa de crescimento acumulado da economia brasileira em 2019, uma melhora de apenas 0,1 ponto percentual em relação a previsão que havia feito em julho, e 1,2 ponto percentual abaixo da expectativa que tinha em abril.

A estimativa da organização é semelhante à divulgada um dia antes, na segunda-feira (14), pelo relatório Focus, do Banco Central: 0,87% em 2019.

Entre as razões para o rebaixamento estão o rompimento da barragem de Brumadinho (MG). A tragédia de 25 de janeiro, que deixou 251 mortos e outros 21 desaparecidos, forçou a mineradora Vale a reduzir a produção de ferro em quase um quarto (92,8 milhões) dos 400 milhões de toneladas que estavam previstos para o ano.

A organização, porém, prevê para 2020 crescimento de 2% do PIB brasileiro e redução da taxa de desemprego para 10,8%. O nível atual de desemprego, segundo o IBGE, está em 12,3%, e a previsão do FMI é que o país termine 2019 com 11,8% no índice.

Na avaliação do FMI, a melhora nos índices econômicos se dará especialmente pela reforma da previdência. O pacote que altera o regime previdenciário no país já foi aprovado na Câmara dos Deputados, e aguarda votação final no Senado.

Para o FMI, entretanto, o Brasil ainda patina em relação “agenda de reformas”, especialmente a reforma tributária, considerada pela entidade como urgente. A equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, promete entregar, até o início do próximo ano, uma proposta que visa, entre outras medidas, unificar os impostos cobrados, reduzir o custo da folha de pagamento e alterar a cobrança do Imposto de Renda.

Leia também:  Por influência do governo Bolsonaro, Brics muda posicionamento sobre Palestina e exclui apoio a refugiados

Visão neoliberal

O FMI foi o pivô da crise política que se instaurou nos últimos dias no Equador. Milhares de manifestantes tomaram as ruas contra o aumento dos combustíveis e as restrições econômicas impostas pelo “pacote neoliberal” firmado entre Lenin Moreno e o fundo monetário.

Após 12 dias de protestos contra as reformas econômicas, que deixou 7 mortos e 1.340 feridos, Lenín Moreno anunciou, neste final de semana, o cancelamento do pacote.

O FMI é uma organização que orienta os países a melhorarem o PIB sob os preceitos do capitalismo neoliberal, visão que propõe reduzir o papel do Estado em áreas de proteção, como saúde pública e previdência, acreditando que a criação de um ambiente de mercado competitivo, garante um bom desempenho econômico e aumento na qualidade de vida da população como um todo, que passaria a depender menos do Estado para ter acesso à serviços básicos de sobrevivência.

Ocorre que não há garantias que a menor participação do Estado no mercado garanta de fato um ambiente comercial competitivo. A visão neoliberal também é criticada por outra ala de economistas, para os quais cortes bruscos nas aposentadorias, por exemplo, e redução de impostos, com reformas econômicas que beneficiem apenas o mercado, diminuem a arrecadação, a distribuição de renda para toda a população, resultando em um nível menor das atividades econômicas.

*Com informações da BBC News Brasil.

8 comentários

  1. O FMI nada mais é que um agiota à serviço do capital. E quando um agiota se estabelece o devedor não cresce.

    • Pelos exemplos recentes da Argentina e do Equador, é melhor ignorar qualquer “recomendação” que venha do FMI ou do Banco Mundial.

  2. O crescimento do PIB justifica aniquilar qualquer direito trabalhista e até mesmo sacrificar a vida de milhões de trabalhadores. A escravidão durou 388 anos e no final os escravocratas se acharam no direito de querer indenização. Quanto aos negros escravizados e arrancados de seu país e de sua vida restou apenas o encarceramento em massa para seus descendentes, a execução pública por policiais do estado que se acham no direito de apertar o gatilho do FUZIL, a tortura naturalizada por Sergio Moro, estado e sociedade. O inimigo que o estado quer aniquilar tem classe social e cor. Segundo dados do Anuario de Segurança Pública de 2019 os negros são 75,4% dos mortos pela polícia. Impossível negar o viés racial da violência no Brasil, a face mais evidente do racismo em nosso país. O Brasil é hoje o 3º país com a maior população carcerária do mundo. Ao todo são 726.712 presos. Desse número, 64% são negros.

  3. A missão do FMI é não permitir que países não pertencentes aos grandes ascendam para esse grupo. Portanto, suas receitas visam somente aprofundar as disparidades.

  4. FMI?! Que retrocesso! O golpe desta vez está sendo forte…
    O pessoal que se locupleta com o dólar está feroz e não adianta tentar debater, discutir ou questionar. Ontem o filho do Bolsonaro disse como se deve tratar quem tentar argumentar: deboches e memes.

    Duas coisas: não há simetria entre a “direita” e a “esquerda”. A “direita” se impõe pela força física, não pelos argumentos. E força física como argumento é o oposto de civilidade. E isso leva à segunda:
    Aquela “direita” que alguns saudosistas insistem ser possível novamente não existe mais. Se alguma vez, no passado, houve empresário com alguma sensibilidade para com a coisa pública, no que se tronou o capitalismo isso é impossível. Do jeito que o capitalismo evoluiu, aquilo em que se tornou, faz com que empresários não possam, nem que quisessem, ser menos do que vorazes, agressivos, selvagens.

    O tempo não para (que dizer de voltar atrás, então?), se se pretende interromper a barbárie, é preciso outra atitude: as antigas só funcionariam se todo o cenário voltasse no tempo.

  5. Ha mais de 50 anos, esta instituição mete o bedelho na economia de países em desenvolvimento e continua a mesma droga, são ricos as custas da miséria do povo, emprestam com a mão direita e arrecadam com a esquerda o triplo, assim são os países sem soberania, servem de colônia a países desenvolvidos, enquanto estivermos nas amarras do capital internacional, sempre seremos escravos.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome