Não é apenas Greta Thunberg: por que outros ativistas pelo clima são ignorados?

É um insulto apresentar os membros das comunidades mais ameaçadas pelas mudanças climáticas como espectadores passivos, que só agora estão sendo estimulados pelo "efeito Thunberg"

Por Chika Unigwe

No The Guardian

Ridhima Pandey tinha apenas nove anos em 2017 quando entrou com uma ação contra o governo indiano por não tomar medidas contra as mudanças climáticas. A paixão feroz e surpreendente de Pandey pelo meio ambiente não é acidental. A mãe é guarda florestal e o pai é ativista ambiental; e toda a família foi deslocada pelas inundações de Uttarakhand de 2013, que mataram centenas de vidas.

No Quênia, Kaluki Paul Mutuku está envolvido ativamente na preservação desde a faculdade, onde era membro de um clube de conscientização ambiental e é membro da Iniciativa Juvenil Africana sobre Mudanças Climáticas desde 2015. Criado no Quênia rural por uma mãe solteira, o vigoroso ativismo de Mutuku, como Pandey, foi inspirado pelos desafios diretos que sua família (e sua comunidade em geral) enfrentou com os efeitos das mudanças climáticas: “Ao crescer, testemunhei mães percorrendo quilômetros para buscar água”, diz ele.

Durante anos, jovens de todo o mundo vêm fazendo campanha para chamar a atenção para a crise que nosso planeta enfrenta e para enfrentá-la. No entanto, parece que a mídia está interessada apenas em uma jovem ativista.

Sem dúvida, a notável Greta Thunberg é uma estrela. Em apenas um ano, ela deixou de ser uma adolescente desconhecida, vivendo no conforto de uma casa de classe média na Suécia, e se tornou uma das faces mais reconhecidas do planeta. Ela é destemida, sincera, apaixonada pelo planeta e determinada.

Mas os colegas também. Nascido em um país rico, com pais que podem se dar ao luxo de acomodar as convicções de suas filhas e em uma cultura em que as crianças são incentivadas a falar, Thunberg tem privilégios que se cruzam. Ela está ciente disso e menciona regularmente seus colegas jovens ativistas em seus discursos, para lembrar aos jornalistas que existem outros trabalhando ao seu lado.

Leia também:  Nada acontece por acaso (Parte II), por Izaías Almada

Pessoas como a adolescente Aditya Mukarji, que em março de 2018 iniciou uma guerra contra canudos de plástico. Em apenas cinco meses, ele já havia ajudado a substituir mais de 500.000 canudos de plástico em restaurantes e hotéis em Nova Délhi. “As pessoas ouvem mais as crianças levantando preocupações ambientais”, diz ele.

No ano passado, Nina Gualinga, ativista indígena da Amazônia equatoriana desde os oito anos de idade, ganhou o prêmio de melhor conservação da juventude do WWF. Aos 15 anos, Autumn Peltier, do povo Anishinaabe do Canadá, é uma veterana defensora da água limpa e do clima. E Leah Namugerwa é um ativista ugandense de 15 anos.

Existem muitos outros cujos nomes raramente ouvimos. No entanto, frustrantemente, esses outros ativistas são frequentemente mencionados na mídia como a “Greta Thunberg” de seu país, ou dizem seguir seus passos, mesmo nos casos em que iniciaram seu ativismo público muito antes de ela começar o dela – identidades próprias e trabalho quase completamente apagados por uma mídia ocidental que raramente reconhece o progresso fora de sua própria parte do mundo.

Essa tendência da mídia de apresentar Thunberg como a pessoa que telefona, e as outras que existem apenas para atender à sua chamada, é problemática, especialmente para os ativistas negros e pardos cuja invisibilidade da mídia leva à invisibilidade para organizações cuja ajuda eles podem se beneficiar muito. Essa narrativa do “salvador branco” invalida o impacto dos locais que trabalham em suas comunidades e perpetua o estereótipo de “o nativo sem agência” que não pode se ajudar. Como africana, acho esses retratos profundamente ofensivos. É um insulto apresentar os membros das comunidades mais ameaçadas pelas mudanças climáticas como espectadores passivos, que só agora estão sendo estimulados pelo “efeito Thunberg”.

Leia também:  Overture para um chip emotivo e Réquiem para as emoções genuínas, por Fábio de Oliveira Ribeiro

Por que foi necessário uma Thunberg para a ONU organizar sua primeira cúpula climática juvenil? Os mais afetados não devem ser exilados à margem da conversa. Esses outros ativistas estão sendo informados de que seus trabalhos, suas contribuições, não importam. O privilégio da narrativa de um ativista em detrimento de outros cria um mundo em que Namugerwa mencionaria uma adolescente sueca que ela ouvira há apenas um ano como inspiração, mas não Wangari Maathai, a ambientalista do vizinho Quênia que ganhou o prêmio Nobel da paz em 2004. Pode-se argumentar que é natural que Namugerwa encontre inspiração em uma jovem com idade próxima, mas também é provável que o Movimento do Cinturão Verde de Maathai influenciou a decisão dela e de seus amigos de plantar árvores em seus aniversários para ajudar o meio ambiente.

Plantando árvores. Coleta de lixo. Impressionante para o meio ambiente. Estou admirada com todos os jovens que chamam a atenção para um problema muito real e urgente. Aplaudo todos eles por fazerem o que podem, de maneira grande e pequena, para combater as mudanças climáticas. Devo também reconhecer as crianças pequenas no Quênia e na Nigéria e em outras partes do mundo em desenvolvimento que fabricam brinquedos de plástico e metal reciclados e que provavelmente não saberiam se chamar defensores do clima.

Aplaudo Bangladesh por ter sido o primeiro país a proibir sacolas plásticas em 2002 e Ruanda por proibir plástico não biodegradável em 2008 (e Kigali por ser nomeada pela ONU como a cidade mais limpa da África). Um dia de cada vez, nossos esforços coletivos ainda podem salvar o planeta.

Leia também:  De Weimar ao Nazi-Fascismo: (Des)Ordem e Violência sob o Caos, por Roberto Bueno

E enquanto continuamos a trabalhar em direção a esse objetivo, a coisa moral que a mídia ocidental deve fazer é também destacar as contribuições dos salvadores negros e pardos que tentam fazer isso acontecer para que, quando as gerações futuras falarem sobre isso, essa não seja a história de uma única narrativa.

Chika Unigwe é uma escritora nigeriana. 

 

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

11 comentários

  1. São inúmeros os que, anonimamente, persistem em contribuir para a preservação do planeta. A preservação ambiental é um desafio para todos, todos os dias. Não se trata de um modismo ou de um apelo midiático.

    4
    1
    • Comece então por onde é mais importante e urgente. Pela porta da SUA CASA. Calçadas largas e fiação subterrânea, para plantar uma árvore da Mata Atlântica, onde provavelmente você mora. O rio que passa nas proximidades da sua casa deixe de ser esgoto onde a População do seu bairro caga diariamente. Automóveis muito mais modernos e econômicos, que usem basicamente Álcool como combustível. Muito mais limpo, ecologicamente sustentável e renovável (será que as Potências Industriais, baseadas no carvão e petróleo) querem isto? E tentemos diminui também um pouco da ‘ Indústria da Inocência ‘. Nos faria muito bem, junto com estas ações. abs.

  2. O prazo de validade expirou. Ninguém mais acredita nestes factóides. Ninguém mais leva a sério estes tais IPCC’s. Não passa do NeoColonialismo. Colonialismo Ambiental. Não adianta usarem estas moças como Malala e passearem pelo Mundo, estendendo tapetes vermelhos para o Governo da Arábia Saudita. A hipocrisia está envergonhando os poucos argumentos sérios. Usar estas crianças é feio demais. Mas mostra o tamanho dos interesses e até onde eles podem chegar ou passar por cima, para alcançarem seus próprios benefícios. É muita hipocrisia !!!

    4
    1
    • Zé, por muito tempo fui um descrente da ação humana sobre o clima, pois é bem difícil isolar o que é antropogênico e variabilidade natural, porém sem levar em conta o clima, só levando em conta os danos ambientais toda a luta contra o uso indiscriminado dos recursos naturais se sustenta, logo falar em neocolonialismo, colonialismo ambiental é uma verdadeira bobagem, pois nós estamos com esta história de desprezo ao ambiente perdendo uma percentagem notável de áreas que não eram degradadas.
      Daqui a pouco cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte ficarão mais ou menos como as distopias dos filmes de ficção científica. Digo mais, isto não pode ocorrer na próxima década.
      Deixa de ser ignorante, já li e estudei algumas dezenas de artigos técnicos de revistas como Nature, Science e outras (e não palpites) e as coisas estão ficando feias.

      • Maestri, pelo menos leia o que Vocês escrevem. E o que os outros escrevem também. “…Daqui a pouco cidades como Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte…” Não é exatamente o que escrevi? A porta das suas casas, das nossas casas? Onde está esta Discussão Ambiental nas Páginas deste Veículo? Onde vocês cagam é na Amazônia? Ah, bom!!, então Meio Ambiente Brasileiro precisa começar onde está a maior parte da Humanidade Brasileira que interessa. A Humanidade Brasileira que mora nas Cidades. Quanto aos Estudos Científicos Europeus e NorteAmericanos, dizem uma parte daquilo que interessa. Como afirmei. Também já disseram que a Camada de Ozônio na Antártida extinguiria a Vida. Ops, depois de financiado a troca de CFC por outra Indústria, escrevem uma errata : ‘- Nos perdoem, sem interesse comercial algum, mas é um Fenômeno Natural’. E Eu não sabia disto?!!!! Querem ver a Floresta mais extraordinária do planeta? MATA ATLÂNTICA DO VALE DO RIBEIRA. Onde Vocês nunca vão. Começa no extremo sul da Cidade de São Paulo, desce a Serra do Cafezal e segue pela BR 116, passando por Curitiba e Florianópolis. 100 Km de largura, chegando a 300 por mais de 600 Kms de extensão. Restingas, Mangues, Mares Internos, Oceano, Vales, Montanhas, Rios, rios e mais rios. E mais Água. Hárpias, Onças Pardas e Pintadas, Jaguatiricas, Antas, Gavião Pega-Macaco, Veados, Iraras, Tamanduás, Papagaios, botos, baleias, sardinhas, Bromélias, Orquídeas, Ipês, Jacarandás, Perobas,… A Floresta mais rica do planeta no quintal de mais de 60 milhões de Brasileiros. E não a destruímos até hoje. Como a Verdade é Libertadora?!! E ninguém, mesmo morando na sua Vizinhança vai lá visitá-la? É cheia de mosquitos e não pega celular. Como é bom este Ambientalismo de Shopping Center !!!!!!!

  3. Casa onde falta pão todo mundo discute e ninguém tem razão. O planeta reflete hoje esse aforismo familiar, projetado massivamente diante do excesso populacional de 7,4 bilhões de pessoas com problemas de toda ordem, a começar pela poluição da cidades, do mares, dos rios e até do ar. Distou resultou a questão ambiental (chamada equivocadamente de mudanças climáticas, que seria causa do suposto aquecimento), em que jovens desesperançados lutam por um futuro melhor, estimulados pela mídia engajada na campanha do IPCC de nos vender um planeta descarbonizado, movido por energia nuclear, que pe quem financia toda a neurose ambientalista.
    As coisas estão ruins no planeta? Pois vão piorar. Denuncio isto no livro “CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?”, sobre a falácia do século XXI. O artigo acima é “politicamente correto”, defende a garota sueca que faz gazeta de aulas, aplaudida e incentivada pela mídia e por seus país, que estão sendo financiados pela indústria de energia eólica e solar da Suécia, conforme já denunciou a mídia inglesa.
    O planeta caminha para o precipício, mas espero que sem a companhia de usinas nucleares.

    • Caro Richard Jakubaszko, antes de fazer esta crítica fui ler o teu blog, como escrevi um blog por mais de oito anos sobre o assunto e no fim simplesmente bloquei 90% dos artigos que vi que alguns nunca tão equivocados como o teu “Porque não acredito no aquecimento: depoimento” (https://richardjakubaszko.blogspot.com/), poderia se for o caso mostrar o monte de bobagens que escreves no teu texto, como por exemplo “não existe uma única prova científica do IPCC e de seus cientistas, de que esteja acontecendo o aquecimento do planeta.” pois aquecimento não precisa de prova, precisa de medidas, e se olhares um site de alguém que não é o que se chama um aquecimentista (climat4you) verás que não há negação do aquecimento, mas sim divergências quanto a sua origem (antropogênico ou natural) o segundo item do teu texto lá no seu blog é uma piada de péssimo gosto, já o terceiro item mostra que não sabes nada de física, pois a filtragem de ondas infravermelhas se dão por faixas de gases, logo não é a mesma onda que a água e o CO2 filtram. Poderia seguir, mas seria perda de tempo.

      • Rogério,
        lamento, o aquecimento precisa de provas, sim. Não é com ofensas infanto-juvenil como vc faz em seu comentário que vc vai desqualificar nem a mim e muito menos ao meu comentário. Se vc escreveu um blog por 8 anos, eu estudo esse assunto há 12 anos, e levei 4 anos escrevendo o livro “CO2 aquecimento e mudanças climáticas: estão nos enganando?”, onde tenho a companhia de inúmeros cientistas brasileiros e outros internacionais, portanto, não somos diferentes. No livro apresentamos provas científicas, colocamos em debate com gente de alto nível, sem cair na vida fácil da crítica do “piada de péssimo gosto”, e pedimos provas. As ciências e a igreja mandaram muita gente para as fogueiras porque acreditavam que a terra era plana, e é o que vcs tentam fazer novamente. Medidas já foram tomadas pela sociedade, por acreditar nas mentiras publicadas pela mídia politicamente correta, forçando o Congresso a aprovar políticas públicas, única no planeta, como o Código Florestal, que não tem qualquer utilidade para os brasileiros, mas confisca terras onde se poderia produzir alimentos. Daí temos um julgamento emocional sobre um tema muito sério. O planeta tem problemas enormes, como a poluição causada pelo excesso populacional, e já existe a fome para mais de 1 bilhão de pessoas. E vc vem me dizer que o aquecimento não precisa de provas. PRECISA, SIM!!! É a grande mentira do século XX! Prá nos vender energia nuclear? Ora, faça-me o favor!

  4. Nossa!! Vendo o nível dos comentários, podemos nos preparar para receber e aprender elaborações sobre a geometria plana do planeta Terra!! Por Tutatis!!

  5. Vejo com bons olhos a participação de pessoas que se preocupam com o bem estar do planeta. A única sugestão, com o intuito de colaborar, é que se informem melhor sobre o tema. Há muita divergência sobre o aquecimento global, e os mal intencionados se valem disso para denegrir os ativistas. O melhor seria trabalhar pelo combate à poluição apenas, já que esta não deixa dúvidas de que sujar é mal, e limpar é bom.

  6. Negar o aquecimento global a essa altura do campeonato não é mais caso de informar é caso de internar junto com terraplanistas e criacionistas. Quanto ao “excesso” populacional teve um sujeito por volta da década de 1940 que propôs e aplicou uma “solução final” para se livrar do que julgava ser um problema de população indesejada.

  7. + comentários

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome