Presidente argentino nega pedido de Bolsonaro para interceder por Áñez

Bolsonaro pretende oferecer asilo a Áñez com a ajuda de outros líderes sul-americanos

Foto Deutsche Welle

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, afirmou nesta quarta-feira (29 que negou o pedido feito por Jair Bolsonaro (PL) para intermediar junto ao governo da Bolívia a permissão para que a ex-presidente interina boliviana Jeanine Áñez se refugiasse no Brasil. 

“Ele veio me pedir para interceder junto à Bolívia para que Áñez fosse ao Brasil como solicitante de asilo e eu disse a ele que infelizmente não poderia fazer nada disso”, disse Fernández em entrevista à “C5N”. 

Áñez foi condenada a 10 anos de prisão  por acusação de golpe contra seu antecessor, o ex-presidente Evo Morales, em 2019. Durante seu governo, movimentos contrários foram alvo de forte repressão policial, que resultou em massacres e em ao menos 1.534 prisões arbitrárias.

Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn

Na última segunda-feira (27), Bolsonaro afirmou que pretende oferecer asilo a Áñez e discutia sobre o tema com outros líderes sul-americanos, como Alberto Fernández. 

“Faremos o possível para que venha ao Brasil”, declarou o mantadário brasileiro. Segundo ele, Añez foi “presa injustamente” por “supostos atos antidemocráticos”. 

Para o presidente argentino, no entanto, “a Bolívia deu um exemplo ao mundo ao julgar um golpe com tribunais ordinários e sem mudar os juízes naturais”.

Leia também: Bolsonaro insinua encontro com Áñez; ela nega

Declarações de Bolsonaro sobre boliviana refletem o medo

Em outras ocasiões neste mês Bolsonaro não hesitou em falar sobre a boliviana. Numa dessas declarações ele se comparou com Áñes, uma vez que, os ministros da Suprema Corte brasileira tem demonstrado.

“A turma dela perdeu (…) Qual a acusação? Atos antidemocráticos. Alguém faz alguma correlação com Alexandre de Moraes e os inquéritos por atos antidemocráticos? Ou seja, é uma ameaça para mim quando deixar o governo?”, questionou na ocasião.

O brasileiro também afirmou que já teve um encontro cara a cara com a mulher, jogando luz sobre as suspeitas da cumplicidade brasileira com o golpe boliviano. Contudo, a assessoria da boliviana nega o acontecimento.

Leia também:

Jornal GGN produzirá documentário sobre esquemas da ultradireita mundial e ameaça eleitoral. Saiba como apoiar

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador