Sob críticas, governo federal diz em nota que adolescente gay foi “brutalmente assassinado”

No Estadão

Em nota oficial divulgada nesta sexta-feira, 17, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República manifestou solidariedade a família de Kaique Augusto dos Santos, gay de 17 anos, cujo corpo foi encontrado pela Polícia Militar de São Paulo no sábado, 11. Chama a atenção no texto a afirmação de que o adolescente foi “brutalmente assassinado”.

Na avaliação do governo, trata-se de “mais um crime de ódio e intolerância motivado por homofobia”.

Essa não é a linha de investigação da Polícia do Estado de São Paulo. No inquérito policial o caso foi tipificado como suicídio e, segundo informações da assessoria de imprensa da instituição, continua sendo tratado dessa maneira.

O adolescente foi encontrado por volta das 5 horas do sábado, 11, na região central da capital paulista. Desde o início a polícia tratou o caso como suicídio, mas familiares e amigos suspeitam que foi agredido, antes de ser atirado do viaduto. Em entrevista ao R7, uma irmã de Kaíque contou que estava sem dentes e com muitos ferimentos pelo corpo.

Logo após a divulgação do caso, militantes e entidades dedicadas à defesa dos direitos dos homossexuais vêm cobrando explicações, criticando as autoridades e denunciando o aumento da homofobia no País. A polícia paulista e o governo da presidente Dilma Rousseff são os principais alvos das críticas.

Nas redes sociais, militantes lembram que a presidente vetou em 2011 a distribuição de material educativo sobre diversidade sexual em escolas; mandou retirar do ar, em 2012, o vídeo que estimulava o uso de preservativo entre jovens homossexuais; e, em 2013, não mobilizou sua base de apoio para fazer avançar o projeto de lei que criminalizaria a homofobia no País. Segundo os militantes, o governo Dilma teria se tornado refém da bancada evangélica no Congresso.

A nota oficial surgiu em meio a esse debate. O seu texto diz que “as circunstâncias do episódio e as condições do corpo da vítima, segundo relatos dos familiares, indicam que se trata de mais um crime de ódio e intolerância motivado por homofobia”.

O texto também menciona o Relatório de Violência Homofóbica, produzido pela própria Secretaria de Direitos Humanos, no qual se afirma que que houve um aumento de 11% dos assassinatos motivados por homofobia no Brasil entre 2011 e 2012.

A titular da secretaria, ministra Maria do Rosário, designou o coordenador-geral de Promoção dos Direitos de LGBT e presidente do Conselho Nacional de Combate a Discriminação LGBT, Gustavo Bernardes, para acompanhar o caso pessoalmente.

Nesta sexta-feira, 17, Bernardes participou da manifestação de protesto que reuniu centenas de pessoas no centro de São Paulo. Elas se concentraram no Largo do Arouche e foram em marcha até o local onde foi encontrado o corpo.

Outras duas entidades divulgaram notas sobre o caso. A diretoria do Sindicato dos Advogados de São Paulo, por meio de sua Comissão LGBT, também falou em assassinato, “com evidente motivação homofóbica”, e cobrou imediata apuração.

“A sociedade brasileira não pode ficar indiferente a esta situação, deve reagir e exigir mudanças para promover a dignidade e a cidadania de todos e todas”, disse a nota do sindicato.

O Centro Acadêmico XI de Agosto, da Faculdade de Direito do Largo São Francisco, repudiou a qualificação do caso como suicídio.

“Há fortemente indícios de que o caso de Kaique seja mais uma violência homofóbica de um jovem e negro, na cidade de São Paulo. Seu corpo foi encontrado no sábado, mutilado, após o jovem ter ido a uma festa na sexta à noite. Sem dentes, com hematomas na cabeça (provavelmente ocasionado por chutes), e com uma barra de ferro atravessando sua perna, com evidentes sinais de tortura física. No atestado de óbito, consta inclusive traumatismo craniano como causa mortis”, assinalou a nota da entidade estudantil.

80 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LC

- 2014-01-19 11:46:24

Dilma governando São Paulo

Em nota oficial divulgada nesta sexta-feira, 17, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República manifestou solidariedade a família de Kaique Augusto dos Santos, gay de 17 anos, cujo corpo foi encontrado pela Polícia Militar de São Paulo no sábado, 11. Chama a atenção no texto a afirmação de que o adolescente foi “brutalmente assassinado”.

 

Bom, já que eles não sabem administrar a Petrobrás, manter as contas públicas em ordem, conseguir trazer a inflação mais próxima ao centro da meta, ter um crescimento econômico que seja pelo menos acima do ridículo, então nada mais justo do que administrar a segurança pública de São Paulo. Mas não ponham o inacreditável p/fazer isso.

PS: Não sei o que aconteceu com o rapaz, mas a questão é que se estão acobertando alguém, tem que ser as organizações da sociedade civil, o MP e o povo de São Paulo/Brasil que tem que se manifestar, não o governo federal. Aliás, nisso os opositores estão certos, onde está o governo federal cuidando das merdas sendo feitas no Maranhão?

Junior Cunha

- 2014-01-19 11:00:19

Assassinatos

A diferença é que desde o começo o caso da menina foi tratado como deveria: um assassinato. A nota da presidência vem reparar a ridícula linha de investigação de suicídio do rapaz. Um cara que quer se matar arranca os próprios dentes? Pelo amor de deus, né? Não queiram comparar os dois casos. Foram duas vidas perdidas. E o estado deve fazer o que pode para preservar as vidas dos cidadãos.

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-19 05:41:53

Bom,

ainda bem que concorda ao final.

nilccemar

- 2014-01-19 03:18:40

Não. Não foi suicídio. Se é

Não. Não foi suicídio. Se é mais um caso de homofobia ou não, ninguém discute-lhe a especificidade que assim o faz caracterizar, apenas seccionam de sua identidade esse fator, que era gay. O fato é que vão sim cravar, divulgar e concluir o absurdo, que foi um suicídio, nada a ver com Dilma, e não vejo ninguém aqui colhendo elementos da cena para contrapôr, contradizer, a versão oficial, que nada tem a ver com Dima, que inexoravelmente a SSP/SP vai dar a mais este caso: que foi um suicidio, mesmo ele tendo aparecido com todos os dentes extraídos, coisa que um suicida jamais faria. Já acharam até apontamentos em que o jovem teria se despedido da vida ( ! ) Depois acharam amigos que testemunharão espontaneamente que ele já falara em cometer tal, e que se queixava da vida etc etc. Assim vai ocorrer. Essa história não é nada nada inusitada. E persistirá enquanto os sensíveis ao caso policalizam ( não politizam ) o debate.

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-19 01:14:28

Protesto contra a homofobia

http://fotografia.folha.uol.com.br/galerias/22123-protesto-contra-a-homofobia#foto-354169

claudio mesquita

- 2014-01-19 01:04:35

Conservadores de direita,

Conservadores de direita, mais um clichê.

Não estou falando de manif. nem rolezinho nem estou fazendo juízo de valor e muito menos defendendo a Dilma. É que já frequentei muitos ambientes assim na minha fase depravada lá pelos anos oitenta.  Já tive muitos amigos gay e tenho até hoje. Esses dias inclusive teve o casamento de um casal de amigos. Já andei pelo lado obscuro da vida e já vi muita coisa. Já vi as figuras sinistras que rolam em volta e não gostaria que um filho meu de 17 anos andasse nesses lugares. É disso que estou falando.

Não sei o que aconteceu com esse menino, mas com certeza o projeto anti homofobia não faria nenhuma diferença. Só tentei despolitizar o assunto, coisa que o post tenta fazer  de forma muito incompetente.

Não seja maiqueísta, não diga que desconsidero o menino só porque não concordo com sua opinião. Isso está mais para quem saiu para passear no bosque e o lobo mau pegou;

Mas acho que vc tem razão, a culpa é da Dilma.

 

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-19 00:27:29

Credo!

Que coisa mais macabra. E eu ainda fui ler porque acho seus comentários informativos!

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-19 00:19:31

Discurso lamentavelmente

cada vez mais típico. 

Muito parecido ao de 'conservadores de direita', só que mudando o alvo de desconsideração dos Amarildos, etc para os LGBTs.

"Fulano não deveria ir a manif", "grupos não devem fazer rolezinhos", "sicrana não deve usar saia".

Não tem importância. Grupos vulneráveis estão acostumados a perceber quem os desconsidera.

"Viadagem", como você diz, ou não, o que interessa é o que se passa de mensagem para LGBTs e simpatizantes.

 

claudio mesquita

- 2014-01-18 23:52:35

Nossa quanto maniqueismo,

Nossa quanto maniqueismo, quanto clichê.

Agora. o que um menino de 17 anos estava fazendo aquela hora em uma boate gay, numa região barra pesada. A família dele não tem nehuma responsabilidade no caso?

Parece que o menino estava num ambiente limpo, alto astral, saiu para dar uma volta e foi atacado por um monstro homofóbico e tudo porque a Dilma não apoiou o projeto da homofobia nem o kit gay.

Qualquer um de nós se sair tarde da noite sozinho naquela região está correndo o  risco de ter o mesmo destino. Certas partes do mundo são más, obscuras e depravadas. Não é lugar para criança.

Sinto muito pelo menino, mas colocar a Dilma no meio dessa estoria , me desculpem o termo, é viadagem.

aliancaliberal

- 2014-01-18 23:38:57

Leônidas, a  Ana Clara não

Leonidas, a  Ana Clara não tinha "pedigre" socialista não se encaixa em nenhuma  simulação de guerra de classe, e mesmo assim teriam que criticar um aliado, e sabe para o PT o que importa é o poder não as pessoas. 

A vida de Ana Clara não tem valor para a esquerda , a vida de qualquer um dos 50 mil mortos assassinados ao ano, não tem valor, somente  quem é util na simulação de guerra de classes tem valor o resto é lixo  para eles.

A vida não tem valor para a esquerda.

 

nilccemar

- 2014-01-18 23:34:13

Não estranho que busquem, ou

Não estranho que busquem, ou inventem, indícios para fundamentar sua absurda teoria de suicidio. Assim foi também no caso Marcelinho, em que o menino descrito no começo como criança dócil e normal, foi aos poucos ganhando contornos de criança monstruosa para que pudesse ser incriminada pela chacina aos pais, dois experientes PMs e outros familiares, inclusive a própria criança-vítima, elevada, depois de morta, à condição de autora do bárbado crime.  

alexis

- 2014-01-18 22:03:43

Deixou até mensagem

Polícia de SP diz que diário de jovem gay tinha mensagem de despedida

A polícia de São Paulo informou nesta sexta-feira (17) que o diário do adolescente gay encontrado morto embaixo de um viaduto no Centro, no último fim de semana, tem mensagens de despedida, informou o Jornal Nacional.

O jovem saiu de uma festa, sem documentos, alegando que os iria procurar. Explicação totalmente estranha para sair sozinho.

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 21:43:07

Bem possível

Desse Instituto von Mises, que às vezes aparece travestido de 'Libertarians' (ou "Livre', no Brasil) não se espera nada que preste.

É um tipo de neostalinismo às avessas. O Capital, genericamente, assumindo a função do Estado.

A única posição lógica desse grupo é a retirada de tropas do Oriente Médio. Acredite se quiser: em 2012 vi "progressista" aqui no blog torcendo por Ron Paul por causa disso.

 

leonidas

- 2014-01-18 21:32:14

E vc acha que o governo fez O

E vc acha que o governo fez O QUE?  ao de forma absurda e irresponsavel ja definir o que houve em um caso ainda à ser esclarecido pela autoridade policial E-S-T-A-D-U-A-L ?

Fala pra mim?

kkkkkkkkkkkkkkkkk

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 20:54:28

acrítico é acreditar..

sem problemas Gunter, faço essa discussão com amigos Gays ao vivo e lamento que estejam escolhendo o gueto..entendo ser melhor construir pontes mas cada um é cada um..onde vc enxerga luz eu vejo escuridão maquiada pela Natura, irrigada pelo Itaú e repleta de "nova política": Heráclito Fortes, Roberto Freire, Jorge Bornhausen et caterva..eu com certeza abrirei mão de comentar seus artigos daqui pra frente, pois não saem do "samba de uma nota só"..Marina é muito frágil na consistência política para que eu seja anti e "acriticidade" eu vi e muita na manada que a segue..

 

alexis

- 2014-01-18 19:55:08

Concordo

Concordo com o Gunter (abaixo) que eu tenho, às vezes, posições próximas do AL, do Rebolla e até do AA, em determinados temas. Estou com 63 anos (quase 64) e, por formação de infância e família, talvez na minha cabeça eu seja mesmo algo conservador e à antiga. Ainda, prometo me esforçar em melhorar nestes quesitos. Lembrando que, até agora, considero ao Gunter e ao AA uns dos melhores comentaristas do blog, pela sua coerência, paciência em responder a todo o mundo, e pela educação perante idéias contrárias.

Mesmo assim, tenho uma mentalidade política bastante clara e definida, onde os conceitos de nação, de Mercosul, de economia planejada, da ação forte do Estado como indutor de políticas e investimentos públicos, de socialismo e outros, estão fortemente arraigados. Acho o PT e Dilma o melhor para o Brasil, sem nenhuma dúvida, assim como Lula recentemente. Então, mesmo que pense igual que o Feliciano, às vezes, nem por isso serei evangélico ou mudaria de preferência política, apenas respeitarei e concordarei eventualmente. Também, se Dilma e o PT sentirem que a lei contra a homofobia deva ser editada, ainda assim continuarei apoiando Dilma e o PT, pois entenderei que essa posição nasceu democraticamente dentro do partido, observando diferentes pontos de vista, não apenas os do Gunter.

O sentimento político, social e de nação é algo plural para mim, e não penso em função de que este partido ou aquele adotem apenas a minha única eventual bandeira. Nisso eu discordo do Gunter, que, embora coerente e lutador, tenta trazer a política para o seu movimento pessoal ao invés de oferecer - ao melhor partido do Brasil - as suas corajosas ideias, levá-las ao seio dos correligionários e criar consciência dentro daquele meio. Aí teria o meu apoio, embora possamos continuar brigando nos detalhes, dentro do espaço democrático pertinente.

 

alexis

- 2014-01-18 19:34:08

Chantagem

Juliano, obrigado pelo seu comentário.

Posso estar até errado (e não seria a primeira nem a última vez), mas acontece que a tese do suicídio é verossímil e, por tanto, acho prematuro levantar bandeiras e tentar ganhar politicamente acima deste fato. O menino poderia ter cometido suicídio vitima de fatos derivados da sua homossexualidade, mas isso é mais uma das tantas causas de suicídio: homem traído por mulher, depressão, assuntos econômicos, etc. Existe aqui também um desejo (de parte da turma LGBT do blog) de chantagear ao PT e ao Governo, para que este se engaje no projeto de criminalização da homofobia, situação na qual não concordo.

nilccemar

- 2014-01-18 18:28:24

Também povo comprometido

Também povo comprometido contra a violência ( no geral ) faz muita diferença.

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 18:22:34

Presidenta comprometida... na Argentina.

Presidente comprometido faz a diferença. Print e texto de Markos Oliveira: Em Abril de 2013, a presidenta da Argentina, Cristina Fernandez de Kirchner, usou seu twitter para fazer um extenso relato. Ela contou que viu pela internet que um jovem militante do partido de oposição foi vítima de agressões homofóbicas. Rebatendo as críticas que não era importante o fato do jovem ser de um partido de oposição, ela marcou uma reunião com o jovem e integrantes do grupo LGBT pela qual o jovem milita. Na reunião, eles cobraram e a Cristina se dispôs a lutar pela aprovação de uma lei anti-discriminação. Os tuites: http://bit.ly/1hB3X6h A notícia: http://www.minutouno.com/notas/285692-cfk-anticipo-que-trabajara-una-ley-antidiscriminacion

Ed Döer

- 2014-01-18 18:18:52

JB, Eu também acho a história

JB,

Eu também acho a história do suicídio estranha, pois fica a impressão que a polícia poderia estar escondendo algo. O que me parece fazer sentido apenas se a polícia tiver envolvimento no que ocorreu.

Poderíamos estar diante de um caso da "velha" violência policial que saiu do controle e não "apenas" de falta de empenho, desinteresse e/ou incapacidade para desvender um crime bárbaro. Deixando claro que não quero descartar a possibilidade do crime estar relacionado com homofobia e/ou mesmo racismo, pois a própria "abordagem" policial poderia ter ocorrido dentro dessas óticas condenáveis.

E independente de quem teria cometido tal crime, as autoridades precisam agir o quanto antes para solucionar e evitar que o(s) culpado(s) não tenham a chance de fazer o mesmo novamente.

...

Em função do que você comentou sobre suicídios, eu lembrei desse caso bizarro (para você adicionar ao repertório), que aconteceu aqui em Porto Alegre alguns meses atrás, onde a mulher conseguiu (provavelmente sem querer) se (auto)decapitar durante a queda. Mas foi algo que ocorreu durante a luz do dia, então tinha testemunhas e mesmo imagens de câmeras pra confirmar o ocorrido estranho.

http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/08/policia-confirma-suicidio-em-caso-de-mulher-que-caiu-de-predio-no-centro-da-capital-4230376.html

Por sinal, ele só foi noticiado pois no primeiro momento "apareceu do nada" uma cabeça separada do corpo num dos pontos mais movimentados do centro da capital em plena luz do dia, já que o usual é não noticiar esse tipo de caso.

E acho um erro essa postura da imprensa e da sociedade, pois "tabus" só dificultam que se toque no assunto, deixando as coisas como estão, sem a possibilidade de avanços e melhor compreensão da realidade. 

nilccemar

- 2014-01-18 18:02:49

Será que além das suas

Será que além das suas atribuições prescípuas, que não são poucas, o governo federal vai ter que cuidar das ações de todas Secretarias de Segurança Públicas dos 26 estados federados ? Então eu pergunto: para que existem os Estados ?

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:58:26

Você repetiu a chamada rsrs

Já respondi à mesma questão em outro comentário.

Daytona

- 2014-01-18 17:57:19

A posição do Aliança é a

A posição do Aliança é a posição do Inst. Mises, centro notório de disseminação de ideias racistas e preconceituosas. Um de seus professores, o "nazista-liberal" Hans-Hermann Hoppe, defende que homosexuais sejam "fisicamente removidos da sociedade", criou polêmica em uma universidade em nevada por conta de suas afirmações homofóbicas, frequentemente organiza seminários com professores oriundos da KKK e de grupos neonazistas, nos quais são debatidos temas como "Qualidade Populacional".

Walter Block, outro professor do Inst. Mises, defnede que os negros são "geneticamente menos inteligentes que os brancos", o que justificaria o recebimento de salários menores. Já o presidente do Inst. Mises, Lew Rockwell, foi o responsável pela polêmica dos informativos racistas divulgados pela campanha do então presidenciável Ron Paul.

O próprio Mises divaga em seus lamentáveis livros sobre o "problema" de certas "raças inferiores" nunca terem contribuido para o "progresso da civilização", denotando uma visão de mundo elitista, eurocêntrica e racista.

Enfim, são essas ideias racistas e preconceituosas, formuladas em parceira com alguns dos mais virulentos grupos de ódio do planeta, como a KKK e os neonazistas, que informam as opiniões do Inst. Mises.

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:56:22

Se a polícia sabe?

Acho que sim e não tenho a mais mínima intenção de defender a condução do processo pela polícia paulista.

Fazer defesas partidarizadas do indefensável é algo com o que não perco tempo.

Aliás, minhas críticas ao governo Alckmin ao longo dos últimos anos não foram em geral ideológicas (até acho que se exagera aqui em privatizações e entregas de serviços a OSs), mas em relação à truculência policial mesmo. Minha crítica ao PSDB paulista é por apoiar a PEC 033/2012 (redução da maioridade penal) e por não ter quase ninguém defendendo a descriminalização da maconha.

E também indiquei links para criticar a internação compulsória de dependentes químicos e a indicação do sem noção do Salles como secretário.

De qualquer modo, polícias contra MPL também se viram em RS, DF, RJ, PE. O ranço militarista é geral.

Agora, o PSDB dá bolas fora (como pôr 100% de seus senadores para serem contra o PLC 122), mas nesse assunto o PT ganha nos gols contra.

Note-se como o PT não está conseguindo instrumentalizar o episódio contra Alckmin. A indignação ficou simultaneamente em relação à polícia estadual e ao governo federal mesmo (que já 'cansou' total.)

Eventualmente podem vazar críticas para Alckmin, claro. Se isso ocorrer eu comentarei.

Mas já se passou dia e meio e ainda não vi nenhuma no maior grupo de discussão que participo.

Críticas ao governo federal por fazer corpo mole na questão do PLC 122 já vi dezenas.

Algumas eu mesmo redigi...

Daytona

- 2014-01-18 17:51:31

"Homosexuais devem ser

"Homosexuais devem ser fisicamente removidos da sociedade", afirmação de Hans-Hermann Hoppe, professor do Inst. Mises, que explica o ódio que Aliança sente pelos homosexuais. Um trecho dos livros de Hoppe, leitura de cabeceira de gente como o Aliança:

 "In a covenant founded for the purpose of protecting family and kin, there can be no tolerance toward those habitually promoting life-styles incompatible with this goal. They – the advocates of alternative, non-family and kin-centred lifestyles such as, for instance, individual hedonism, parasitism, nature-environment worship, homosexuality, or communism – will have to be physically removed from society, too, if one is to maintain a libertarian order."

O rapaz em questão quase certamente foi assassinado por ser gay, gays, negros, nordestinos são frequentemente alvos de grupos extremistas, como neonazistas, que costumam frequentar os seminários do Inst. Mises e seus professores.

Os mentores do aliança Liberal e outros desses liberalecos brasileiros, que se organizam em institutos fundados pela Rede Globo e o Grupo Abril:

Hans-Hermann Hoppe and the German Extremist Nationalist Right

by TOM PALMER on JULY 1, 2005

Rockwell and Hoppe.jpg
Lew Rockwell and Hans-Hermann Hoppe: Together They Have
Opened the Gates of Hell and Welcomed the Most Extreme Right
-Wing Racists, Nationalists, and Assorted Cranks

The nutty professor from Las Vegas who has had such problems with his remarks about “undesirables” has been interviewed in the right-wing extreme nationalist German publication, Junge Freiheit, which celebrated his attacks on “democracy,” a concept which, it turns out, they also oppose. Junge Freiheit describes itself as follows:

- See more at: http://tomgpalmer.com/2005/07/01/hans-hermann-hoppe-and-the-german-extremist-nationalist-right/#sthash.HgaJ39GJ.dpuf

 

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:40:28

Isso fez parte do "golpe"

Nota-se que você não leu nada do que sugeri e ainda insiste em discursos prontos de militância petista.

Na tentativa de não pegar tão mal o PT colocou 4 senadores para defender a continuidade do PLC 122. Assim os discursos de históricos simpatizantes, como Suplicy, Ana Rita e Paim ficaram preservados.

Mas o governo não pediu para a bancada governista apoiar o PLC 122, ao contrário, Ideli pediu que não fosse votado este ano. 

Lindbergh precisava dos elogios públicos do Malafaia e, como já está queimado junto a LGBTs desde uns discursos dele no 1º semestre/2012 a favor de Magno Malta e contra a organização da Parada de SP, não teve dúvidas, seguiu as instruções extra-oficiais.

Como também colocaram a executiva nacional para fazer uma nota pró-PLC 122, outros senadores, como Walter Pinheiro, tentaram a abstenção ou a ausência de plenário para não pegar tão mal.

No fim só 4/12 dos senadores do PT foi pró-LGBT, versus 3/4 do PSB e os senadores únicos do PV e PSoL.

Cabe lembrar que 0/12 do PSDB, mas o quadro é tão ruim que o PT não consegue explorar esse fato.

Boa lembrança: Walter Pinheiro e Wellington Dias são em geral tidos como não-aliados de LGBTs. Piores que Marina.

Marta Suplicy de fato é tida como aliada. Ela prometeu em 2010 desengavetar o PLC 122 e cumpriu. Só que não manifestou indignação com o partido ser tão anti-LGBT nos últimos anos. Fica, assim, parecendo "simpatizante para inglês ver".

Se você quer dizer que faço propaganda, pode.

Mas você não consegue rebater um único comentário meu.

E o que importa não é convencer convertidos, mas informar indecisos. Eventualmente alguém ainda indeciso pode vir a ler comentários e verá sua argumentação e a minha. Temos que 'caprichar' na argumentação, não?

E, lamento informar, além de estar no meu direito, tenho achado melhor ficar do lado do status quo midiático, judiciário e dos coxinhas.

Esse discurso 'pseudoprogressista' e 'antiMarina', na minha opinião, não convence mais ninguém.

Entretanto, se você acha que convence, fique à vontade para fazê-lo.

Provavelmente abrirei mão de responder a comentários seus daqui pra frente, pois não saem de chavões governistas acríticos.

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:22:48

Psé, Juliano

O Brasil ficou tão doido que Alexis e Aliança defendem teses parecidas.

E esse Palmieri, que só vi estes dias, me pareceu governista em alguns comentários. Que coisa...

Para defender a homofobia todo santo ajuda...

Aqui pode ter reaças e neocons de plantão, mas a amostra não é representativa da sociedade. Como as oposições perceberam que direitos LGBTs são ponto fraco do governo podem até (maliciosamente) se abster no assunto ou ficarem 'enrustidas'. Pra mim tudo bem, o que os olhos não vêem o coração não sente...

Mas Leonidas, ainda que não seja entusiasta de direitos civis LGBT, não faz comentários desqualificando o problema de homofobia. Disso não lembro e acho que devemos ser justos.

Há oposição, governismo e nova oposição. Há homofóbicos e há simpatizantes. Muitas composições são possíveis.

x-x-x-x-x-x-x-x

Obrigado pelo apoio: PELA CRIMINALIZAÇÃO DA HOMOFOBIA JÁ!

(Até porque, se essa criminalização não vier, assim como se os programas abandonados não retornarem, não voto mais no PT! rsrsrs tá na hora de fazer o PT sair de sua zona de conforto e sentir um pouco de receio de perder eleitores.)

 

leonidas

- 2014-01-18 17:17:50

Houve nota da secretaria

Houve nota da secretaria sobre a morte da menina queimada viva  no maranhao?

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:15:13

Muito lúcido o que disse

Concordo, sem dúvida, que mesmo o suicídio seria resultante de um ambiente homofóbico.

E que as responsabilidades são de todos os níveis.

 

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:12:05

A polícia de SP merece críticas sim

nesse episódio.

Assim como a de PE (PSB...) no caso Lucas Fortuna (que motivou a outra única nota da SDH...)

Mas as polícias guardam ranço homofóbico em todo o país. Do mesmo modo que desrespeito a DHs de presos é generalizado. Repressão indevida a manifestantes é generalizada. Seria partidarismo bobo focar nisso.

Se homofobia fosse considerado crime ajudaria muito a melhorar essa postura. A mídia divulgaria, as pessoas sentiriam vergonha de serem homofóbicas do mesmo modo que sentem vergonha de serem racistas.

E conseguir isso é responsabilidade da bancada governista federal e de liderança do executivo, como já aconteceu no Chile e em alguns estados norte-americanos.

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 17:07:02

O governo de SP, no que se refere a legislação...

...sim, é o mais avançado. No que se refere a programas de educação de funcionários também.

Quanto à polícia, infelizmente, não necessariamente. O trabalho de conscientização ainda está sendo feito, mas a herança militarista e homofóbica resiste também nesse órgão.

Até temos uma Delegacia para Crimes Raciais e de Ódio. Beleza. Só que funciona em "horário comercial". Só serve para fazer denúncias a posteriori, portanto. Mas grande parte das agressões ocorre de madrugada e no fim de semana. Há algo errado, né?

E as tentativas de atribuir crimes de homofobia a latrocínios, brigas passionais ou suicídios são comuns pelo Brasil afora. Não vale a pena entrar num concurso do quem é menos pior. A polícia de SP é ruim, a do RS é ruim, a de PE é ruim. A do PI é ruim, da BA é ruim, do PR é ruim.

É tudo ruim. Sem partidarismo nisso. Aliás, é até sintoma que a indignação nesse episódio tem sido direcionada simultaneamente à polícia paulista e à bancada governista federal.

Sem dúvida Maria do Rosário é o lado mais moderno (ou seria menos antiquado?) do governo. É a única ministra vista como amiga por LGBTs (bom, é até obrigação dela, já que é a encarregada de cuidar de demandas LGBTs...) Não saberia dizer se o que vemos é fruto de brigas internas (a favor do bom senso de volta?)

Mas sabemos que ela não tem força política. Quando Lucas Fortuna foi morto em PE e André Baliera quase foi morto em SP, houve uma nota muito parecida.

Pegou bem por ser a primeira manifestação em dois anos (foi no fim de 2012), pegou mal porque nota assim pareceu ter sido feita porque ambas as vítimas eram... filiados e militantes do PT! E os crimes foram em estados do PSB e PSDB... Qualquer coincidência não é semelhança, não é mesmo?

Mas, tudo bem, foi uma nota.

Que caiu no vazio e em 2013 o governo federal fez a maior leva de retrocessos anti-LGBTs. O que começou timidamente em 2011 e 2012 se aprofundou.

Se há briga interna no PT não há dúvida que foi vencida pelos partidários da continuidade de concessões aos partidos fundamentalistas. A última (e das mais chocantes) foi a peripécia conduzida por Ideli para que o PLC 122/06 não fosse votado antes das eleições.

Pa-ra-béns Lindbergh! O apoio de Malafaia ficou garantido!

Não vamos tapar o sol com a peneira: Dilma e PT não gostam de LGBTs. Ou, ao menos, acham que LGBT bom é LGBT calado, que não reclama, que não critica o governo.

Já percebi isso e não haverá papo embromation capaz de me convencer do contrário.

Eu quero ações e fatos concretos, chega de discursinhos eleitorais.

Afinal, se o PT sabe fazer discurso para cortejar voto fundamentalista é porque sabe fazer propaganda para grupos. Então, sinceramente, que faça bom proveito dos votos dos fundamentalistas e conservadores morais. Mas me deixem fora dessa, eu não dormiria em paz com minha consciência votando em alguém do PT para cargos executivos. Para Suplicy como senador até voto.

O PT pode até passar a defender daqui pra frente a redução da maioridade penal. Só falta isso mesmo pra ficar igual ao PSC, PRB, PP e PMDB.

Os petistas que pariram esse bebê de Rosemary que o embalem.

 

nilccemar

- 2014-01-18 17:06:51

Questão de omissão local

Acho que a falta de esclarecimento dos casos dos homicídios emblematicamente cruéis em São Paulo está muito longe de se restringir à questão homofóbica. Este caso se refere a um gay, mas vários outros têm passado batido, e se têm engolido versões igualmente absurdas, além de contundente silencio omisso ante o índice record mundial de assassinatos de PMs em SP: o ano passado foram assassinados 60 PMs, sem que soubéssemos sequer hipóteses sobre quem e porque estaria sendo feita essa matança. As explicações aqui dadas aos homicidios e chacinas estão cada vez mais inacreditáveis. Todos assistimos impassíveis à explicação 2º a qual uma criança de 12 anos teria chacinado seus pais, dois PMs experientes e outros parentes, e depois se matado. Isso, após ter sido solenemente ignorado nas investigações o fato de que a mãe-PM, teria colaborado nas investigações sobre os colegas _ PMs ladrões de banco ( ! ) Se aceitamos isso, é sinal que estamos preparados para aceitar e engolir qualquer coisa, até que foi o cachorro quem perpetrou a chacina, na falta de uma criança a ser responsabilizada. Nem todos têm grupos de apoio tão bem organizado como os gays, mas, se querem apoio geral deveriam se solidarizar, protestando também contra a violência em geral, e como é não só não punida, como também bem estimulada em muitos meios de comunicação.  É preciso que coloquemos no debate a ocorrência funesta de esquadrões da morte agindo em SP. Parece ter vários, contra DGs, fankeiros, PMs, gays e jovens negros e mulatos da periferia. É preciso também uma análise específica do que ocrre em São Paulo, separado do resto do Brasil, e de porque, apesar dos mais horripilantes crimes serem aqui, São Paulo não faz parte dos índices de região mais violenta do Brasil.

Helio J. Rocha-Pinto

- 2014-01-18 16:53:27

Freud explica sim. Procure
Freud explica sim. Procure ler mais sobre psicologia. Sua aversão doentia a homossexuais é sinal de uma sexualidade mal resolvida. Já marcou consulta no analista?

Gilberto .

- 2014-01-18 16:39:12

Como não?

A polícia pode se pronunciar,  porque não a Secretaria? A polícia insiste na tese, e ninguém pode denunciar?

"Essa não é a linha de investigação da Polícia do Estado de São Paulo. No inquérito policial o caso foi tipificado como suicídio e, segundo informações da assessoria de imprensa da instituição, continua sendo tratado dessa maneira."

Gilberto .

- 2014-01-18 16:36:20

Outras hipóteses?

Caro Alexis, 

Abre espaço? Ou compra a hipótese levantada pela polícia? Ou corrobora a hipótese que encerra o caso sem necessidade de maiores preocupações? 

Não afirmei aqui em nenhum momento como se passou o fato.  Crítico que entre todas hipóteses possíveis a polícia tenha escolhido aquela que fecha a possibilidade de outras ou, no mínimo,  diminuiu as chances de localizar suspeitos, se for o caso.

Suicídio parece simplificar tudo, não?

Para mim,  não simplifica. 

aliancaliberal

- 2014-01-18 16:30:45

Mundo ao contrário - HETEROFOBIA

Mundo ao contrário - HETEROFOBIA

[video:http://www.youtube.com/watch?v=YQewUi4dz5s]

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 16:28:03

no Senado..

no Senado só Lindimberg Farias votou a favor do apensamento do PLC 122/06..Paim e Ana Rita ambos do PT votaram contra o apensamento ao CP..Walter Pinheiro Senador do PT se absteve pq é evangélico assim como Marina..agora ela diz não ser criacionista e em breve dirá não ser contra o aborto, eleição faz milagres..quem faz propaganda aqui é vc Gunter, o que está no seu direito, mas peca pela generalização e seguindo a manada do stauts quo midiático, judiciário e dos coxinhas: pau no PT..e eu nem me referí à Marta Suplicy à quem a causa do LGBT deve e muito..

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 16:27:40

Não esqueço de nada, ao contrário.

Marina Silva nunca fez nada contra LGBTs a não ser ter se negado a assinar o encaminhamento do PLC 122/06.

Recentemente (out/2012) gravou entrevista declarando aceitar o casamento igualitário no civil. Se deseja ficar fazendo propaganda informe-se:

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/lgbts-nao-serao-orfaos-politicos-em-2014

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/o-psb-buscara-ser-simpatizante

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/tera-o-aliancalao-consequencias

Marina também declarou não ser criacionista (o link para isso está no meio do 2º artigo acima)

E não é de modo algum pior que Gleisi ou Agnelo no discurso 'beato'. Então, no máximo, nivela por baixo.

Chamar Marina de 'criacionista' (ou Alckmin de Opus Dei) é apenas um hoax que os militantes do PT soltam para tentar disfarçar o que seu próprio governo faz. Parecido com aquela bobagem de 'esquerda que a direita gosta'.

O PT é um perigo para direitos civis LGBT, veja a seguir. Informe-se:

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/saudades-do-estado-laico

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/da-arte-politica-de-desagradar-a-gregos-e-a-troianos

Tente rebater com fatos e argumentos o que eu digo nesses artigos, ou o que militantes (que não eu) falam do PT nos links que aponto no 2º destes.

Palavras de ordem vazias não convencem mais. Os discursos do PT perderam a credibilidade junto aos mais informados (tanto que Dilma chega apenas a 30% de intenções de votos no perfil 'instrução superior')

A única pré-candidata que nunca declarou ser a favor do casamento igualitário é justamente Dilma:

http://www.jornalggn.com.br/blog/gunter-zibell-sp/os-presidenciaveis-e-o-casamento-lgbt

E pesquise mais em redes sociais e grupos específicos de combate a homofobia: Marina Silva é mais popular entre LGBTs que Dilma.

Chega do PT fazer propaganda negativa dos outros. Se quer voto que se mostre simpatizante de verdade e pronto, não é proibido, um dia já foi e pode voltar a ser. Se quiser. Mas que não tente ficar atribuindo a outros candidatos as posturas que o próprio realiza.

Eu não acho possível conscientizar militantes do PT, convertidos que são, não há mais esperanças que esse partido saia de sua surdez ou comportamento de avestruz.

Mas pretendo me comunicar com LGBTs e seus parentes preocupados mesmo, é apenas a estes que busco passar alguma mensagem.

 

 

 

aliancaliberal

- 2014-01-18 16:27:26

Quando o movimento se

Quando o movimento se mobilizar para que TODOS tenham segurança vou dar crédito.

Da forma como atuam fica tão claro o interesse em faturar politicamente com a morte de alguém, mostra tanta desonestidade,  que tornam tão cruéis como os  criminosos que matam 50 mil cidadãos por ano.

Todos tem o mesmo direito a vida.

 

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 16:26:54

5% de indignados

Já passou do comodismo e do pragmatismo faz tempo. É tapa na cara mesmo, uma total desconsideração à dignidade de milhões de pessoas.

Outras "realpolitiks" envolvem corrupção, aprovação de emendas e coisas assim, não a dignidade humana.

Não é o caso de eximir de responsabilidade as polícias estaduais, entre elas a paulista.

Mas perceber que é uma vergonha não haver criminalização de homofobia no Brasil, algo que é comum a mais de 60 países das Américas e Europa.

Os mais recentes Chile e Itália, sabidamente mais conservadores e religiosos que o Brasil, nem União Civil Homoafetiva têm...

Legislação condizente ajudaria a melhorar o ambiente, a mídia divulgaria "Homofobia é Crime" e isso seria trabalhado em escolas, ambientes de trabalho e teríamos ao menos esperança de um mundo melhor.

E sabemos que todos os projetos-lei ou programas de combate à homofobia foram abandonados apenas pelo medo que o PT tem de não reeleger Dilma. O PT julga necessário fazer concessões a meia dúzia de fundamentalistas políticos jogando no ralo os direitos de dezenas de milhões de pessoas, achando que estas ficariam caladas.

Todos, sem exceções, são programas e projetos que tiveram origem no próprio PT! Ou seja, é na cara-de-pau que aquilo que julgavam tão importante antes é jogado fora agora.

Ou seja, não confiam no seu próprio taco e sucesso dos programas sociais e na condução da economia.

Enquanto em outros países há líderes como Piñera, Obama, Hollande, Cameron que falam com decisão a respeito da importância da inclusão de LGBTs, no Brasil o que temos?

Uma Presidenta que diz que não vai fazer "propaganda de opção sexual" (sic).

É uma VERGONHA, um ENGODO, e não voto nem em Dilma nem em nenhum candidato a executivo do PT até esse partido acabar com a política de concessões a fundamentalistas (e, se observarmos sob perspectiva histórica, veremos que SÓ PIORA!)

O problema da Homofobia não se resume às mortes por crimes de ódio. É o assédio cotidiano nas escolas; o preconceito movido pela ignorância até dentro das famílias (o que não ocorre com nenhum outro grupo vulnerável); a pressão diuturna que leva a baixa autoestima e até ao suicídio. São os salários mais baixos e as menores chances de ascensão em carreiras. É a discriminação nos esportes, são os discursos de ódio que circulam sem que se possa impedi-los. É um Brasil de incompreensão e desrespeito permanenentes. Quase uma homofobia oficializada.

Infelizmente parece que bom senso comum (afinal, o PLC 122/06 tem apoio de 60 a 77% da população, o Escola sem Homofobia 55%, segundo pesquisas) não adianta para o PT. A única linguagem que entendem é a ameaça e a chantagem.

Então, que seja feita essa vontade... 

Que nenhum LGBT ou parente preocupado com a vida e dignidade dos mesmos vote em cargos executivos no PT. Que se danem ideologias ou falsos discursos hipócritas. Não existe ideologia que proponha deixar um grupo de pessoas discriminado e achincalhado.

Que fiquem "curtindo" os votos que receberão dos fãs de Feliciano, Malafaia e Bolsonaro. É esse o novo PT.

É o elogio público deles que Dilma e o PT querem. LGBTs não são gente para esse governo.

Se queremos que o Brasil não se transforme em Brússiasil o momento é agora.

 

 

 

Juliano Santos

- 2014-01-18 16:26:40

Gunter, só mais uma

Gunter, só mais uma provocaçãozinha. Aqui nos comentários, só o Alexis é da esquerda governista. O Zancetta e o Palmieri são antipetista e antigovenistas. Isso porque o Rebolla e o Leonidas ainda não deram as caras, enquanto eu escrevia essa postagem.

abs. E pela criminalização da homofobia já!

Juliano Santos

- 2014-01-18 16:22:12

Caro Alexis, fecho contigo em

Caro Alexis, fecho contigo em quase tudo, principalmente na luta contra o pig em defesa do projeto do PT. Mas nesse caso lamento vê-lo numa posição tão equivocada.

Veja bem, ser suicidio ou homicidio é importante sim, e os gupos de pressão tem que ficar emcima. Sabemos como é a policia brasileira, sempre querendo a resolução mais fácil.

Mas mesmo que seja suicídio, o caso continua na esfera da homofobia. Voce acha que o garoto se suicidaria porque razão? 99% de chances de ser por sofrer discriminação dupla, gay e negro. E muitas vezes o preconceito é internalizado pelo próprio gay. Isso se dá pelo ambiente de preconceito na famíla, no trabalho e no colégio, incluindo aí o bulying. O que infringe sofrimento insuportável para alguns

Se foi homicídio, os assassinos deveriam ser condenados com o agravante de ser precedido por tortura motivado por intolerância. Se foi suicidio, é motivo para a sociedade fazer mea culpa. Em ambos os casos, há culpa por todos os lados

Juliano Santos

- 2014-01-18 15:55:25

Quem está fazendo uso

Quem está fazendo uso político dessa tragédia são os "imparciais" Zancette e Palmieri.

Se a Maria do Rosário está encampando a versão da homofobia não é um jogo contra os tucanos, já que segundo o Gunter, o governo de Sampa é mais avançado nisso, mas contra grupos do próprio governo que defendem as exageradas concessões à bancada evangélica. Está mais para briga interna 

Tentem fazer analises políticas menos rasas, senhores

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 15:55:20

Não é nem questão de apurar se o caso foi suícidio ou não...

Esse caso é apenas uma gota d'água após dezenas de episódios de desprezo do governo federal com LGBTs e quase nenhum gesto de simpatia.

Quando foi assassinado um militante do PT em PE, o Lucas Fortuna, foi a mesma coisa, notas, um discurso e nada mais. A partir de amanhã o assunto foi esquecido pelo governo federal.

Afinal, o PT tem alergia a falar em gays e LGBTs.

Dilma é chamada em grupos de discussão LGBT como "Dil-má" e o PT é chamado de "PeTeocrático".

Maria do Rosário é a única ministra desse governo capaz de falar as palavras gay e lgbt sem sentir náuseas, os demais trabalham contra LGBTs, principalmente Padilha, Gleisi, Gilberto de Carvalho, Cardozo e Mercadante.

Mesmo assim, por saber-se que ela não tem força política nenhuma os discursos e notas como essa são tidos como "para inglês ver".

Há um conselho específico para LGBTs na secretaria de DHs, mas todo mundo considera "pelegos". A única coisa que conseguiram em 3 anos de governo foi uma foto (uma só em 3 anos) com Dilma. Ação concreta, nada.

Por isso a ministra também ganhou um apelido: "Maria dos Otários".

É assim que está a coisa em blogs e redes sociais. Não há um único artigo elogiando ou defendendo o PT em blogs LGBT. Quem achar um ganha um bombom de mim...

É óbvio que há uma ruptura entre militantes LGBT mais informados e PT. O passado simpatizante não conta mais nada, posto que renegado pelo próprio PT nos últimos 3 anos.

O STF, o CNJ (Joaquim Barbosa como presidente que normatizou o casamento) e Globo são razoavelmente populares entre LGBTs no Brasil. Como esses entes não são populares junto ao PT... é óbvio que apenas se acirra a coisa...

PV , Roberto Freire (graças à ação junto ao STF e por ter sido dos poucos políticos a defender o Escola sem Homofobia), PSoL em geral (graças a Wyllys e discursos de Freixo) também são muito populares entre LGBTs.

Obama é "Deus" e Putin é o "Diabo". Evidentemente isso não 'casa' com o discurso geral na 'blogosfera progressista'. Qualquer pseudomilitante de pseudoesquerda que pense em defender (o indefensável) Putin já é visto com desconfiança, como defensor do fundamentalismo homofóbico para o Brasil também. (E tem gente assim comentando nos blogs, claro.)

É possível que Alckmin também seja mais popular que Padilha. Agnelo é detestado por ter revogado a lei antihomofobia do DF. Lindbergh perdeu muito do apoio que tinha quando começou a defender Malafaia e Magno Malta e ainda ter votado pelo apensamento do PLC 122/06. Sobre Gleisi não é necessário tecer comentários...

O único candidato a governador do PT com fama de simpatizante é Tarso Genro. Deve ser o único com esperanças de se eleger mesmo e sbe que LGBTs e seus 5% de votos podem ser importantes em eleição apertada no 2º turno.

O PT optou por claramente confrontar LGBTs para ficar a favor de Malafaia & Cia. E eu vejo as consequências disso na minha Linha de Tempo de facebook. Já fui chamado de "corja reaça gay" e já li ex-amigos escreverem "turma alegre que vota em gay pilantra". Ex-amigo que conheci por aqui no blog e que até dois anos atrás passava por "simpatizante"... Imagine se algum tucano ou marinista seria capaz de escrever coisas assim...

"Coxinhas" (ou aqueles que militantes do PT chamam assim) são muito respeitosos a LGBTs. Curtem ou compartilham cartazes sobre direitos civis LGBTs muito mais que meus faceamigos petistas. Sinto-me, portanto, cada vez mais empurrado a ficar do lado 'coxinha'.

Já militantes do PT não admitem críticas ao partido, mesmo quando se apontam todas as evidências de que o partido traiu os direitos humanos de LGBTs em troca de votos na Câmara e tempo de TV. Dá um tempo, né? Já é muito ruim o que se fez, pedir para continuar votando em Dilma é vandalismo...

Eu fiz um levantamento na minha rede de faceamigos, cerca de 400 curtem algum perfil de político. Do total geral uns 60% curtem Dilma, os demais distribuídos entre Marina e Aécio (os que curtem Campos são bem poucos e se sobrepõe a esses dois.) Mas dos amigos que sei serem LGBTs só uns 30% curtem Dilma.

Sinceramente? Ainda acho muito! Um espanto eu ainda ter 30% de amigos LGBT curtindo Dilma. Só pode ser por falta de conscientização e de informação, mas a cada mês que passa mais as coisas que esse governo faz vão ficando claras e as máscaras vão caindo.

Aliás, até amigos hétero estão percebendo e isso foi positivo: pelo menos não me pedem voto em Dilma ou Padilha porque sabem que lerão um muro de lamentações. E agora já ficam envergonhados do que o governo fez, o que é um avanço civilizatório.

Pelo menos blablablá idiota de "realpolitik" e assemelhados, como aquela asneira de que "é necessário agradar preconceituosos para continuar o combate à pobreza" não tenho lido mais no meu facebook.

 

Juliano Santos

- 2014-01-18 15:47:29

Será que a policia do Alkimin

Será que a policia do Alkimin sabe disso? (Essa é para o Gunter de novo)

Outra pergunta, será que quando a policia do Alkmin desceu o cassete dos garotos do Passe Livre não achava que estava em 1971?

Obelix

- 2014-01-18 15:43:05

Mão dupla.

Prezados e prezadas,

A vida real é que importa, parece nos dizer este comentário. Está coberto de razão.

Evangélicos não parecem cair na armadilha de odiar os gays apenas porque suas lideranças usam este discurso para ganhar espaço, e assim chantagearem o governo. 

Concordo.

Mas é preciso inverter a lógica, e dizer que os gays também não cairão da armadilha de odiar o governo apenas porque alguns setores dizem que o governo troca direitos por governabilidade.

Ou seja, de um lado, lideranças evangélicas na chantagem, de outro, as lideranças gays na chantagem.

A frase é explícita: o PT (governo) só entende a linguagem dos votos!

Ops, mas como poderia ser diferente? Quem governa, governa para determinados grupos, ou para tentar equalizar conflitos de todos eles?

Quem dá este mediação de como cada demanda será atendida? A política e o peso político de cada grupo, parece óbvio.

E o que os gays representam politicamente? Quase nada. 

Esta é a dura verdade.  

Seguindo em frente, raciocínio do comentário é dúbio, oscilante: uma hora diz que os gays ameaçam porque a eleição pode ser decidida no fotochart, ora dizem que as alianças com conservadores religiosos por mais tempo de TV, etc, representam pouco, e não se justifica pelo pouco peso relativo.

Ops, então os detalhes só são relevantes para a lógica do movimento gay, é assim?

Mais adiante, tentam acelerar a História, forçando um peso que não reúnem, embarcando na carona do conservadorismo político, nos grupos que desejam solapar cada conquista que beneficiou os mais pobres, incluídos aí os gays mais pobres (triplamente discriminados, caso sejam pretos, gays e pobres),e ainda têm a desfaçatez de dizer que lutam por algum tipo de "modernidade" ou "gestos civilizatórios" da nossa sociedade.

Mais contraditório impossível.

O que estes setores representados nesta fala destes setores LGBT aqui do blog vão conseguir é isolar cada vez mais os LGBT, justificando seu abandono pelos setores progressistas do governo, deixando-os a própria sorte.

De tanto tentarem se parecer com o conservadorismo, serão vistos como tal, e pior, tratados como tal.

Ou seja: se é chantagem eleitoral que querem, nada mal ao governo esperar que tenham agum peso para ouvir-lhes, ganha tempo e poupa dor de cabeça.

O problema é que esta postura do governo não ajuda nada que avancem para conseguir o peso que desejam para falar alto.

Mas enfim, quem está fazendo esta escolha não é o governo, ao contrário: o governo está apenas confirmando a leitura que se tem dele, até porque, como dissemos, é a mais cômoda.

Saudações, ou: danem-se os gays até que sejam eleitoralmente importantes.

Juliano Santos

- 2014-01-18 15:41:27

Ô esse "menino" Costa, que

Ô esse "menino" Costa, que descobriu o elixir da juventude, esse caso não te lembrou os presos políticos "suicidados" nos porões da ditadura?

A mim me lembrou na hora. Inclusive a viúva da ditadura, Zanchetta comprou sem pestanejar a versão da polícia do Alkimin (essa é para o Gunter)

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 15:41:17

vc se esquece Gunter?

vc se esquece que a vice do seu candidato Eduardo Campos é evangélica criacionista e como tais tb não aprova a união homessxual? acho que o buraco é mais embaixo, sua pregação anti PT diminui seu discurso por essa causa mais que justa..ou será que Campos e o PSB a adotou como vice pelos seus belos olhos? realpolitik companheiro..

Daytona

- 2014-01-18 15:31:38

CADÊ O ALIANÇA? Segundo

CADÊ O ALIANÇA?

Segundo Hans-Hermann Hoppe, do Inst. Mises, os homosexuais devem ser "fisicamente removidos da sociedade".

Esse é o tipo de mensagem de ódio que faz a cabeça do Aliança e similares.

 

Josaphat

- 2014-01-18 15:28:55

O pt não confia

é em assumir uma bandeira como a da liberdade de gênero porque SABE que a nossa sociedade é essencialmente fascista, isto é, mesmo não sendo majoritariamente homofóbica, se inclinará fatalmente para esse lado quando for solicitada. Não adianta eufemismo em relação à qualidade e especificidade da civilização brasileira. São 60 mil homicídios por ano. Isto é uma barbárie. 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 15:21:46

Eu acho que a explicação é mais simples.

Não é a maioria da população que é homofóbica. Nem a de comentaristas.

Se o governo anunciasse programas antihomofobia os mesmos que correm para negar a homofobia fariam longos comentários para demonstrar a importância de combatê-la. É sempre assim, não é mesmo? Um dia se é contra privatização, outro dia se é a favor. Um dia se é contra juros altos, noutro a favor. Qualquer coisa que o governo diga leva a efeito manada.

É de um cinismo atroz.

A explicação não é antropológica, é política.

O que ocorre é que o PT tem medo de não reeleger Dilma. Não confia no próprio taco sobre programas sociais e condução da economia.

Aí precisa de 3 ou 4 minutos de TV dados por PSC, PR, PRB e PP. (Ou pensa que precisa, FHC-94 e Lula-2002 tinham pouco tempo de TV e não precisaram fazer discurso de complacência à homofobia para se elegerem.)

Aí também não confia na capacidade de atrair esses partidos com negociações comuns, liberações de emendas e cargos. Ou concessões de emissoras. Uma 'realpolitik', digamos, normal.

Pensa que é necessário apelar para a negociação de direitos humanos de 7 a 8 milhões de adultos, meio milhão de adolescentes e os parentes preocupados com eles.

Faz uma conta torpe, apenas pensando em 22% de evangélicos versus 5% de LGBTs. E quem disse que evangélicos são de cair nessa? Sabem que não têm benefício real com a perseguição a LGBTs. E há outros candidatos 'conservadores de marca'. E quem disse que LGBTs não ficariam indignados com os destratos sucessivos, com a traição representada pelo abandono de programas prometidos na campanha de 2010? Ficam indignados sim e ainda vão tentar sensibilizar parentes.

Essas negociações e concessões são típicas de quem vê problemas se aproximando e esconde a cabeça que nem avestruz.

É tática eleitoral estilo "Tea Party" ou "Rússia Unida".

Mas o feitiço vai virar contra o feiticeiro.

O PT só entende linguagem de chantagem eleitoral.

E só responde a críticas se vierem na grande mídia.

Graças a Deus o Jornal Nacional noticiou esse caso duas noites seguidas. Duvido muito que haveria nota da SDH sem isso.

Vai incomodar os fãs alucinados da propaganda oficial do PT aqui, mas a verdade é uma só:

O PT mudou para pior nos últimos anos e isso é razão suficiente para ter medo e não sancionar mais um projeto meramente eleitoreiro de poder.

E ainda haverá de reconhecer que fez um grande erro político jogando no lixo seu histórico de defensor de Direitos Humanos.

Os comentaristas daqui poderão sofismar e tergiversar à vontade que ninguém vai me convencer que essa proposta política presta.

O momento é para radicalizar. O PT quer os votos dos fãs do conservadorismo moral e do preconceito? Beleza, mas o meu voto e de meu companheiro não terá. E todos os meus amigos e parentes saberão o porquê.

Obelix

- 2014-01-18 15:17:17

O sufocamento do debate.

Prezados e prezadas,

Este é um tema delicado. Mais delicado ainda quando tratamos de algo que não nos atinge diretamente, em se tratando de pessoas que não têm a mesma orientação sexual dos atingidos, ou a cor dos discriminados, etc.

A dor e a revolta legítima, só quem vive na pele. Ainda que por momentos nos pareça que suas reações sejam equivocadas, como o surgimento de Pai Tomás, ou de outros estereótipos de negação/domesticação, ou ainda, os extremistas sectários.

Eles têm este direito, de estar errados sobre si mesmos.

Mas o debate não pode fugir de seu contexto de luta política, e aí, quando as questões de gênero são usadas como argumentos pró ou a favor deste ou daquele grupo político, é bom que estes grupos saibam que boa parte desta "proteção" conferida pela injustiça que sofrem não pode ser levada as últimas consequências, sob pena de inaugurarmos um tipo nefasto de autoritarismo, como aliás, vem acontecendo com alguns setores da luta LGBT, mormente os que se expressam aqui neste blog.

No caso em tela é preciso dizer as coisas pelo nome: Há chance de ter sido suicídio ou acidente? Mínima, quase nenhuma.

O fato mais provável é que o rapaz tenha sido assassinado.

Nosso governo federal tem problemas no campo dos Direitos Humanos? É óbvio.

Já dissemos e vamos repetir: este país é um grande caldeirão de contradições no campo dos direitos humanos, que se idealiza como povo pacífico e acolhedor, e agem como bárbaros sanguinários.

Vejam que a própria presidenta que foi torturada não impôs a este país uma comissão da verdade digna deste nome, e nem liderou uma completa reparação dos crimes, como se deu em outros países.

E aí?

Podemos dizer que uma mulher que sofre tortura, vai para a política, vence a eleição para presidente, não tenha a dimensão dos seus atos frente a memória de seu sofrimento, ou se acovardou frente a História?

Eu não teria coragem, nem desumanidade para dizer isto. Quem quiser, fique à vontade.

Neste sentido, parece grotesco que setores LGBT, representados aqui no blog se refiram ao governo como "teocrático".

Não que eles não tenham este direito, mas eles não têm o direito de insultar nossa inteligência.

Recentemente, no caso do MA-Pedrinhas, houve a "federalização" do problema porque se trata de um aliado do governo, como se este fato implicasse em substituir a responsabilidade da governadora e de seu clã político, que devem, ao final, como manda o jogo democrático, serem julgados por seus eleitores.

Ok, é do jogo, e esta é arma que resta aos opositores: buscar atingir o governo pelos seus flancos, seus aliados, mesmo que a qualidade das alianças da oposição não revelem nada melhor, ou usando um termo mais adequado, diferente.

E agora em SP?

Bem, já ouvimos antes neste blog que o governo de SP é um dos exemplos no trato da causa gay, e que isto justificaria até a adesão dos LGBT paulistas ao grupo deste grupo político, mas o que dizer do procedimento policial de comunicação do fato (da PM junto ao Distrito Policial), que já revela em si mesmo uma visão de gênero do problema?

Não é o Geraldo Alckmin o novo paladino da causa gay do Brasil? O que ele tem a dizer, por que seus novos aliados não cobram sua fala, antes de cobrarem uma fala federalizada?

Novamente, por encanto, os LGBT "federalizam" a questão, deixando o ônus todo ao governo federal, que é claro, instado pela repercussão, tem grandes chances de falar besteira ou se omitir.

Parece um jogo de falas marcadas, e é.

Não interessa aos LGBT representados aqui no blog a discussão ou o debate avanços e retrocessos no tema. O mister é elaborar a compreensão de que o governo federal é conservador, que troca direitos por governabilidade, e buscar um nicho de representatividade no jogo nacional que eles não tem nos parlamentos locais e nacional, que por este motivo chantageie e encurrale o PT e aliados, apresentando-se como ponta de lança do "conservadorismo esclarecido" que desejam vender a nação.

É um truque legítimo, mas de baixo valor moral.

Saudações a todos.

 

alexis

- 2014-01-18 15:09:45

À procura de mártir

A turma LGBT já levantou bandeiras e a voz, em torno a um aparente suicídio de um rapaz negro e Gay, sendo esta última condição a que torna o fato mais espetacular e “criminoso”. Acho precipitado sair às ruas ou comparar com o caso Amarildo.

 

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 14:36:12

Estado teocrático

Eu me sinto asfixiado em um país em que acontece isso e a presidenta não dá em 3 anos uma única declaração sobre a importância de se combater a homofobia. Ao contrário, ela diz que é necessário evitar "propaganda de opção sexual". No Chile Piñera liderou, nos EUA Obama deu o tom. Enquanto a presidenta tiver vergonha ou medo de falar as palavras gay e LGBT (ela sempre escorrega para falar, no máximo, 'outros preconceitos', o que dá a medida do que valemos para o governo federal), e seus candidatos a governador idem (todos omissos ou conservadores morais) não voto nem nela nem em ninguém de seu partido para cargo executivo. Não vale a pena, é pedir para ser desprezado.

Nós, LGBTs, somos de 7 a 8 milhões de eleitores. Fora cerca de 20 milhões de parentes que podem ser influenciados. Se não conseguimos eleger deputados, entre outras coisas pelo % mínimo de 12% dos votos em muitos estados, poderemos no entanto representar um risco em eventuais eleições apertadas. Depois de três anos de desconsiderações parece que só há um modo capaz de sensibilizar Dilma ou PT: ameaçar não votar neles. Infelizmente não há bom senso nem respeito a Direitos Humanos, a única linguagem que o PT entende é essa, respostas só são dadas quando algo aparece na grande mídia. Entendam LGBTs, é só assim que esse governo funciona, sob pressão.

Julio Palmieri

- 2014-01-18 14:34:10

veja bem, pedrinhas fica no

veja bem, pedrinhas fica no Maranhão tera do Sarney, aliado do governo,  O rapaz morreu em SP, governado por um tucano, onde o PT deseja muito assumir o poder, então aqui os movimentos sociais são muito ativos, os sem-teto, sem-terra, e todos os demais pseudo-movimentos sociais que são comandados pelo PT!

fico imaginando se ao invés da PM tivesse sido a Guarda Municipal quem tivesse lavrado esse BO!

Julio Palmieri

- 2014-01-18 14:27:48

o unico especialista que

o unico especialista que afirmou que o morto foi torturado, foi um amigo dele de 19 anos, e a irmã da falecido,  o IML ainda não definiu a causa da morte, e o BO foi elaborado pelo PM que encontrou o corpo embaixo de um viaduto, como o PM não investiga e nem e legista, a condição preliminar e que foi suicidio

Gunter Zibell - SP

- 2014-01-18 14:24:16

Gays protestam por adolescente morto: 'não foi suicídio'

http://noticias.terra.com.br/brasil/policia/gays-protestam-por-adolescente-morto-nao-foi-suicidio,8139b7caec2a3410VgnVCM3000009af154d0RCRD.html

Cerca de 500 pessoas caminharam pelas ruas do centro em homenagem ao adolescente Kaique Augusto dos Santos, encontrado morto no último sábado

O garoto foi localizado sem vida pouco depois de deixar o mesmo Largo do Arouche, local em que teria participado de uma festa na semana passada Foto: Marcelo Pereira / TerraO garoto foi localizado sem vida pouco depois de deixar o mesmo Largo do Arouche, local em que teria participado de uma festa na semana passadaFoto: Marcelo Pereira / TerraVagner MagalhãesVagner MagalhãesDireto de São Paulo  

Quando a noite começou a cair na cidade de São Paulo, cerca de 500 jovens se reuniram no Largo do Arouche, região central de São Paulo, para um ato em homenagem ao adolescente  Kaique Augusto dos Santos, 17 anos, encontrado morto no último sábado, na avenida Nove de Julho, em São Paulo.

 


O garoto foi localizado sem vida pouco depois de deixar o mesmo Largo do Arouche, local em que teria participado de uma festa na semana passada. A polícia registrou o caso como suicídio. Porém, o rapaz estava com todos os dedos das mãos quebrados, sem os dentes e com uma barra de ferro cravada em uma das pernas. Familiares e amigos falam em homicídio e uma das hipóteses é que tenha sido provocado por homofobia.

As cerca de 500 pessoas que se reuniram em homenagem ao garoto fizeram questão de refutar a tese de suicídio. Aos policiais militares que acompanhavam o ato, gritavam seguidamente: "ei, PM, não foi suicídio". O corpo foi encontrado por policiais militares, que registraram a ocorrência na Polícia Civil.

 

Um dos que participaram do ato foi o cartunista Laerte Coutinho, que definiu assim a sua presença Foto: Marcelo Pereira / TerraUm dos que participaram do ato foi o cartunista Laerte Coutinho, que definiu assim a sua presençaFoto: Marcelo Pereira / Terra

Um dos que participaram do ato foi o cartunista Laerte Coutinho, que definiu assim a sua presença. "Eu estou aqui porque eu estou horrorizada com o que aconteceu. Estou também motivada a chamar a atenção da população como todo mundo aqui. Uma legislação antihomofóbica é totalmente necessária. Não é um privilégio, não é coisa nenhuma nesse sentido. É necessária por uma coisa democrática, um exercício de liberdade", disse ele.

 

Sobre a morte do garoto, ele disse que pode ser considerada uma tragédia. "É um horror, é um horror, um horror total. Eu acho que a gente faz bem extrair desse momento algum tipo de reflexão."

 

Tiago dos Santos Duarte, 21 anos, é estudante de Contabilidade e esteve com Kaique na madrugada da sua morte. "Nos encontramos na balada por volta da 0h. Ele estava muito feliz, um pouco bêbado. Era uma festa especial de open-bar, com bebida à vontade. Ele tinha dito que era a melhor balada dele até então. A última vez que eu o vi foi às 6h, quando a gente se despediu. Ele falou, 'se cuida'. Ele disse que ia sentido estação. Foi a última vez que eu falei com ele", afirmou.

 

Outro que esteve com Kaique na madrugada da sua morte foi o autônomo Douglas Oliveira, 31 anos Foto: Marcelo Pereira / TerraOutro que esteve com Kaique na madrugada da sua morte foi o autônomo Douglas Oliveira, 31 anosFoto: Marcelo Pereira / Terra

Duarte disse que fica na lembrança o sorriso e o jeito de cantar do garoto. "Ele gostava muito de cantar. Tinha muita energia. Uma felicidade que transmitia a todo mundo. Era um amigo".

 

Sobre o crime, ele é direto: "não tem como se suicidar e ser encontrado do jeito que ele foi. Nunca vi o Kaique envolvido em briga, com motivos para tirar a sua vida", disse.

 

Outro que esteve com Kaique na madrugada da sua morte foi o autônomo Douglas Oliveira, 31 anos. "Tudo que ele fazia, seus sentimentos, ele sempre falava. Não falou que tinha problema nenhum. Estava de bem com a vida. Estava tudo tranquilo", afirmou.

 

Daytona

- 2014-01-18 14:20:28

Com essas notas, o governo

Com essas notas, o governo está pagando por sua covardia. Se viu acuado pelas "críticas" de Bolsonaros, Malafaia, Gentilis e outras fezes sociais, que chamavam o projeto de orientação de "kit gay". Há muito comodismo no governo Dilma(que eles confundem com pragmatismo), principalmente em questões que exigem ações determinadas para possibilitar romper o cerco do conservadorismo obscunrantista e promover o avanço, comoa  causa dos direitos de minorias. Espero que a presidenta tenha acordado de seu torpor e agora esteja disposta a agir com maior determinação contra essa resistência dos preconceituosos.

Daytona

- 2014-01-18 14:16:57

Estamos muito bem é de

Estamos muito bem é de polícia e governo em SP, ou não?

O rapaz deve ter arrancado todos os seus dentes, jeito normal de se suicidar, ou não?

 

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 13:56:38

tragédia

tragédia

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 13:55:14

mas a história quando..

mas a História quando se repete é como tregádia ou farsa e no caso vc escolhe..

Mário Mendonça

- 2014-01-18 13:52:54

Nassif Mais um

Nassif

Mais um Amarildo.......

MarcoPOA

- 2014-01-18 13:42:17

Acabou!

A 'redentora' acabou em 1985!

Estamos em 2014, não em 1971!

CELSO ORRICO

- 2014-01-18 13:36:12

Suicídio??

Marco essa sua pergunta me fez rememorar uma fato escaboroso da época da Ditadura: assassinato de Iara Iavelberg, companheira de Lamarca, em 1971 em um ap na Pituba -Salvador, quando o corpo dela chegou ao IML o legista Charles Pitex fez essa mesma pergunta..até hoje há controvérsias sobre a causa da morte dela..

Zanchetta

- 2014-01-18 13:23:52

Pelo que li do post, o tema

Pelo que li do post, o tema não é o suicídio do rapaz em si, mas a SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS já ter se pronunciado como ASSASSINATO BRUTAL...

alexis

- 2014-01-18 13:16:05

Isso não é verdade

O que menos tem até agora são especialistas, mas apenas gente que, pelo contrario, está ciente do seu desconhecimento sobre o fato, e abre espaço para outras hipóteses, que não apenas o assassinato por causas homofóbicas. Ainda, não tem como meter tanto post sobre homofobia embaixo do tapete. Haja tapete! Considerando que, neste blog, aparecem diariamente diversos temas relativos a isso. Se Freud não explica tem o colega Hélio que o fez: “A maior parte dos homofóbicos seria, a rigor (segundo Hélio), um Gay que não saiu do armário”. Então, trata-se apenas de fogo amigo.

MarcoPOA

- 2014-01-18 13:05:41

Por si só!

Suicidio, por si só é uma tragedia sim!

Para quem tirou sua vida, para familiares, amigos e para quem diretamente ou indiretamente envolveu-se no caso! Era um jovem de 17 anos que tinha a vida pela frente!

É básico saber se foi homicidio ou não. Foi exatamente o que eu disse!

O eventual suicidio explica que não foi assassinato, só isso!

Gilberto .

- 2014-01-18 13:05:14

Boas razões para varrer

Temos agora no blogue vários peritos especialistas. 

Curiosamente eles surgem,  apresentando seus laudos conclusivos, só quando se trata de alguns temas específicos. Homofobia é um de seus prediletos. Não para ser discutido,  mas para empurra-lo para baixo do tapete. 

Freud deve explicar. 

alexis

- 2014-01-18 12:54:24

Alguns suicídios de Gay em pontes

Procura rápida na internet. Não exclúo o assassinato, mas aceito também a tese de suicidio.

http://trome.pe/actualidad/1495130/noticia-gay-celoso-se-lanzo-puente_1

http://www.expresoinformativo.com/index.php/policiales/3415-sujeto-se-lanza-de-lo-alto-del-puente-colgante-de-la-zona-del-mirador-cristo-blanco

http://www.elmundo.es/america/2010/09/30/estados_unidos/1285877220.html

O caso que relatei anteriormente aconteceu há 3 anos na minha família. O jovem ainda trata da dentadura.

 

Gilberto .

- 2014-01-18 12:47:30

Razão desconexa

Mais um fato brutal que exigiria um rápido esclarecimento. Tudo começa de maneira contrária,  negando-se as evidências.  Mesmo que tivesse outras motivações,  que não a da homofobia,  seria igualmente brutal.

A "razão" da violência,  é sua ausência.  A motivação é a impossibilidade de alguns de conviver com a diferença.  A "diferença" escolhidas  é aleatória. Hoje é a raça ou orientação sexual, amanhã pode ser o corte do cabelo ou simplesmente "não ir com a cara" do outro. O outro aqui, é qualquer pessoa fora do seu grupo. Uma exaltação da violência que não se preocupa portanto, nem mesmo, em "parecer" racional. 

Diante disto, à respeito da violência,  só há duas atitudes possíveis,  nos colocarmos contra ou a favor dela. Neste caso específico,  não adianta tergiversar. Perder tempo discutindo estatísticas das motivações que levam à violência,  é justificar a violência. É encontrar razão onde impera a barbárie. 

 

  

 

alexis

- 2014-01-18 12:40:26

??????

Não entendi!

Gilberto .

- 2014-01-18 12:38:02

Razão desconexa

Como se o suicídio pudesse ser sempre explicado como uma tragédia...

Como se então não fosse necessário o esclarecimento do fato e considerar as circunstâncias em que o mesmo ocorreu...

O suicídio "explica" tudo...torna o fato menos brutal? 

Gilberto .

- 2014-01-18 12:36:09

!!!!????

Este comentário não deveria estar no post sobre o Kafka?

Zanchetta

- 2014-01-18 12:33:05

No afã de se livrar do

No afã de se livrar do problema Pedrinhas-Maranhão, onde sua atuação foi pífia, a secretária resolveu encampar o "assassinato" do gay sem ter todas as informações sobre o caso...

Tamos bem de secretária, ou não?

Zanchetta

- 2014-01-18 12:26:02

A barra de ferro seria de ele

A barra de ferro seria de ele bater em algum gradil ao cair. Vc conhece o viaduto? Conhece embaixo do viaduto?

Enquanto a polícia está investigando, vc já viu algum "governo" dar o resultado da investigação? Ah, sim, teve alguns países que tinham isso mesmo...

JB Costa

- 2014-01-18 12:23:37

Concordo. Só o laudo pericial

Concordo. Só o laudo pericial dará fim às diversas especulações. 

MarcoPOA

- 2014-01-18 12:20:39

Suicidio?

Há claros indícios de suicídio na morte desse jovem!

Estão querendo transformar uma tragedia num fato politico. O prudente é esperar os relatórios do IML e policia técnica paulista, órgãos que tem a obrigação de determinar o que realmente aconteceu!

alexis

- 2014-01-18 11:53:14

Por que não?

Conheço de perto caso de jovem, Gay, que cometeu tentativa de suicídio, jogando-se de uma ponte, numa avenida. Não morreu e não foi atropelado, mas rompeu quase todos os seus dentes e o maxilar (por acaso, foi a parte mais grave do acidente), além de fraturas.

Não sejamos tão apressados e esperemos o laudo policial.

JB Costa

- 2014-01-18 11:42:43

Mas que suspeita mais

Mas que suspeita mais esdrúxula, essa da polícia, ao colocar o suicídio como causa da morte do adolescente.Cabe num episódio do antigo seriado "Além da Imaginação".

Já li, ouvi relatos e até assisti vídeos envolvendo suicídios. Alguns bem toscos, mesmo. Mas essa modalidade, na qual o suicida antes de morrer arranca seus próprios dentes e enterra um pedaço de ferro no corpo, é simplesmente surreal.

Bem, me fio no próprio noticiário quando este afirma "sem os dentes". Se forem, por exemplo, só os da frente, é possível ter como causa uma queda. Mas mesmo assim fica sobrando a barra de ferro.  

Alexandre VI

- 2014-01-18 11:29:48

Parafraseando George Orwell,

Parafraseando George Orwell, todas as vítimas são iguais, mas algumas são mais iguais...

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador