Guedes diz que vai liberar FGTS para trabalhador se reforma da Previdência passar

Ainda segundo ministro, área econômica avalia liberar dinheiro do abono salarial PIS-Pasep; anúncio é feito no dia em que IBGE anuncia queda do PIB no 1º trimestre

Ministro da Economia Paulo Guedes. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Jornal GGN – “O sonho do crescimento está ao alcance de nossas mãos. Basta implementar as reformas. Como está demorando a implementação das reformas, revisões [de alta do PIB] foram acontecendo para baixo. Me perguntaram isso: ‘a economia não está respondendo?’. Eu disse, ‘respondendo a que?’ Não fizemos nada ainda”, disse Paulo Guedes, na portaria do Ministério da Economia para jornalistas.

A coletiva aconteceu nesta quinta-feira (30), mesmo dia em que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anuncia uma retração de 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano – o primeiro recuo no período desde 2016.

A equipe econômica do governo Bolsonaro defende que não é possível solucionar a grave crise fiscal e círculo vicioso do baixo crescimento econômico sem o que vem chamando de “reformas” estruturais, a principal delas a da Previdência.

Diante dos jornalistas, Guedes disse ainda que sua equipe estuda liberar os recursos dos trabalhadores depositados em contas inativas e ativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e também a liberação do abono salarial PIS-Pasep. O objetivo é jogar mais dinheiro no mercado para movimentar a economia. Entretanto, a liberação só irá acontecer “assim que forem aprovadas as reformas”.

O ministro admite que a liberação dos fundos com as reservas de recursos do trabalhador para a economia geram um estímulo à economia de “voo de galinha”, mas defendeu a proposta como uma forma dar um ponta pé inicial para o que sua equipe econômica entende como medidas “anticíclicas” ao quadro atual de recessão da economia brasileira.

Leia também:  'Desde quando o Brasil precisou da Argentina para crescer?', diz Paulo Guedes

“Vamos liberar PIS-Pasep, FGTS, mas assim que saírem as reformas. Se abre essas torneiras sem as mudanças fundamentais, é o voo da galinha. Você voa três quatro meses porque liberou, e depois afunda tudo outra vez. Na hora em que fizer as reformas fundamentais, e aí sim libera isso, é como se fosse a chupeta de bateria [de carro, ou seja, um estímulo inicial ao PIB]. Senão, anda três metros e para tudo outra vez”, declarou.

O ministro da Economia também chamou de “voluntarismo” a redução da taxa básica de juros (Selic).

“Você só pode baixar os juros se tiver o regime fiscal em pé. Então, na hora que você fizer a reforma da Previdência, as expectativas vão ser de equilíbrio fiscal e, na mesma hora, os juros vão começar a descer no mercado. E o Banco Central deve sancionar [essa queda de juros do mercado reduzindo também a Selic]. Mas tudo isso exige as reformas antes”, prometeu.

Capitalização e seus riscos

A reforma da Previdência de Guedes inclui o regime de capitalização, modalidade onde os recursos para a aposentadoria serão retirados apenas da conta do trabalhador e serão geridos pelo sistema bancário. O modelo atual é tripartite – empresas, governo e trabalhador contribuem para o fundo do INSS.

Segundo estudo divulgado pela OIT (Organização Internacional do Trabalho) o regime de capitalização Previdência Social fracassou na maioria dos países em que foi aplicado. Os principais pontos críticos são: o valor irrisório pago a quem se aposenta – muito abaixo dos parâmetros estabelecidos pela comunidade internacional – e a falácia de que o governo economiza com o sistema de capitalização. Clique aqui para ler mais sobre esse tema.

Leia também:  Operação de "combate a fraude" de Bolsonaro ameaça população mais carente

Leia também: Governo erra conta ao usar Assistência Social como parte da Previdência, diz professor da UnB

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

8 comentários

  1. Li em outro site que é por causa do Pibinho, e não se a reforma da previdência passar.

    Se é verdade que a condição imposta para a liberação do FGT$ é a aprovação da reforma da previdência, agora inaugurou-se no Brasil o ‘dá cá, toma lá’.

  2. Usei o fgts, sou aposentado, o pis/pasep fora do meu alcance, portanto eu quero ser “corrompido” com algo…
    Para os demais, vou liberar algo que vos pertence…vou ficar eu e os meus bankster com…..
    Putz…a terra e o cérebro são planos.

  3. Esse dinheiro vai direto para pagar as dividas extratosfericas do cartao e cheque especial que NUNCA seriam pagos!
    Os bancos agradecem.

  4. A gente deve manter a decência e preservar a dignidade dos comentados, mas em se tratando do ministro, como ele faz uma proposta obscena, o comentário tem que ser, necessariamente, obsceno.
    Esse infeliz botaria a bunda pelada na janela só pra fazer passar essa maldição dessa reforma contra o povo.

  5. Esse é i inacreditável sinistro b…nova…..de uma nota só….

    Só deixo vcs brincarem se aprovarem alguns bilhões para mim e meus pobres amigos banqueiros…..senão levo a bola embora…..

    Trata-nos de idiotas imaginando que somos seus iguais………

  6. Mais um caso do famoso FAVOR COM CHAPÉU ALHEIO.

    Neste caso, com as abas do próprio trabalhador, que vaI “receber” um dinheiro que já é dele e ainda debaixo de ameaças.

    O Fundo serve para bancar financiamento habitacional subsidiado – daí os famosos “3% ao ano”. Sem ele, babá, vamos de financiamento com a “taxa básica” dogmática dos rentes tas.

  7. Libera FGTS na condição de aprovar a previdência, argumente!!! Não façam chantagem. É o Governo da CHANTAGEM e da MENTIRA.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome