Em meio a pedido de cassação, Damares nega responsabilidade sobre tragédia Yanomami

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

O pronunciamento da senadora foi feito após a bancada do PSOL pedir a cassação do seu mandato

Foto: José Cruz/Agência Brasil

A senadora Damares Alves (Republicanos-DF) publicou um vídeo nesta sexta-feira (10) em que nega qualquer responsabilidade na crise humanitária na Terra Indígena Yanomami. 

A parlamentar foi ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos no governo de Jair Bolsonaro (PL). Na sua gestão, diversos alertas sobre a situação de calamidade dos ianomâmis, em decorrência da expansão do garimpo ilegal no território, foram ignorados. 

Sempre lutei pelos indígenas, sou mãe de uma indígena. Não só amo os indígenas como faço parte dessa família”, disse Damares na gravação, que foi publicada em suas redes sociais. 

“Democracia é coisa frágil. Defendê-la requer um jornalismo corajoso e contundente. Junte-se a nós: www.catarse.me/jornalggn”      

O pronunciamento foi feito após a bancada do PSOL apresentar uma representação no Senado Federal em que pede a cassação do mandato da ex-ministra por omissão e prevaricação sobre a tragédia indígena.

No pedido, a legenda destacou que a pasta da ex-ministra descumpriu exigências judiciais sobre a situação do povo originário e ignorou recomendações do Ministério Público Federal (MPF) e de organismos internacionais, como a  Organização das Nações Unidas (ONU) e a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH). 

A Funai [Fundação Nacional do Índio] não estava no nosso ministério, não posso ser responsabilizada por uma atribuição que não era minha“, argumentou Damares. 

Na gestão federal anterior, a fundação era braço do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Agora, é parte do recém-criado Ministério dos Povos Indígenas, que tenta contornar a crise.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

3 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. De quem, eu não sei; mas que houve um claro projeto de aniquilação dos yanomamis isso fica mais que claro com a sucessão de absurdos à medida que se apura o que ocorreu.

  2. Ela lava as mãos do sangue dos Yanomamis enquanto os entregou à morte, por fazer vista grossa da invasão e pilhagem das terras dos Yanomamis, tal qual Poncio Pilatos fez em relação a Jesus Cristo

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador