Bolsonaro anula decreto de privatização de UBS, mas defende modelo

Em publicação nas redes sociais nesta tarde, Bolsonaro falou que o decreto foi "revogado", mas mesmo assim saiu em defesa da medida

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Jornal GGN – Após a ampla repercussão de especialistas e entidades da saúde criticando as ameaças às Unidades Básicas de Saúde (UBS), com o decreto assinado pelo mandatário nesta terça (27) de estudar parcerias privadas para as atenções primárias do Sistema Único de Saúde (SUS), Jair Bolsonaro recuou e revogou o decreto.

Em publicação nas redes sociais nesta tarde, o mandatário falou que o decreto já estava revogado, mas mesmo assim saiu em defesa da medida, avalada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes: “O espírito do Decreto 10.530, já revogado, visava o término dessas obras, bem como permitir aos usuários buscar a rede privada com despesas pagas pela União”, escreveu.

Na mesma postagem nas redes, Bolsonaro falou que há mais de 4 mil UBS e 168 UPA (Unidades de Pronto Atendimento) inacabadas. “Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal”, insistiu, argumento a medida.

O decreto delegava a possiiblidade de que as UBS, que são responsáveis pelas atenções primárias do sistema público de saúde, assim como entrega de medicamentos de alto custo para brasileiros com doenças crônicas, vacinações, entre outras atenções, ao setor privado. Entenda mais aqui.

De acordo com a Secretaria-Geral da Presidência da República, a anulação do decreto será publicada no Diário Oficial da União ainda nesta quarta.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Leia também:  O Dia da Consciência Negra e a inoperância do Governo Federal

4 comentários

  1. É um assombro.
    Mas é só a pá de cal.
    O SUS está sob ataque privatista há tempos.
    Política mingau quente, que se come pelas beiradas.
    As OS, a subvenção dos planos de saúde pels renúncia em cobrar pelos atendimentos da rede SUS aos segurados.
    O sequestro da saúde pública pelas máfias de diagnóstico por imagem, a farmacêutica e a dos médicos, que concentram o SUS no sul-sudeste, ao mesmo tempo que criam demandas complexas, quando 60 % dos casos se resolve com clínica médica e exame físico.
    No máximo um hemograma e um raio X.
    Cuba faz saúde pública, uma das melhores do mundo, com equipamentos da década de 50/60.
    Outro gargalo é a reserva de mercado na formação médica.
    Lá na ponta, os mais pobres ainda enfrentam a hierarquia de atendimemto, quando brancos e classe média recebem atenção redobrada, pois têm laços de classe com os médicos e repercutem mais alto suas queixas.
    O SUS já é quase privado.

  2. “Faltam recursos financeiros para conclusão das obras, aquisição de equipamentos e contratação de pessoal”, insistiu, argumento a medida.”
    Certo.. Faltam recursos…
    Mas td bem perdoar bilhões em dividas de igrejas, de empresarios parceiros ou liberar recursos partidários para emendas de deputados chegados?

  3. Todos as pessoas e cidadãos que, forem emitir opinião quanto a essência e ao espírito desse infeliz decreto, em relação ao interesse do povo e à soberania da nação brasileira, emanada com a CF de 1988, deveriam antes de mais nada, conhecerem a fundo, o perigo latente e afronta para os direitos e soberania conquistados, pós ditadura.
    O SUS, é motivo de orgulho e modelo de segurança e de bem-estar para os seres humanos, não só para nós, brasileiros mas, para muitos países que veem nele, modelo a ser utilizado e aperfeiçoado. Sua importância e oportunidade de valorização cidadã dos esforços e conquistas democráticas do povo brasileiro com a CF de 1988, estão aí para quem quiser conhecer, como exemplo de fraternidade cidadã para o mundo.
    No contexto político, social e econômico, o SUS representa para o Brasil, a maior trincheira da cidadania brasileira construída pelo povo brasileiro, sob o espírito da Constituinte e da CF de 1988, contra a desigualdade, a injustiça, contra aqueles negativistas de carteirinha ianque históricos que nunca se reconhecem brasileiros e também, contra aqueles que negam direitos à plena cidadania a seus irmãos brasileiros .
    No meio disso tudo, a imprensa conservadora e impatriótica que sempre foi oposição sim, à soberania do povo brasileiro pois, ainda é tempo de pagarem seus passivos cívicos, defendendo a CF, a soberania do povo, a fraternidade e principalmente, o povo e o SUS, que é de todos.
    http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htmhttp://
    http://www.epsjv.fiocruz.br/noticias/reportagem/a-importancia-de-um-sistema-de-saude-publico-e-universal-no-enfrentamento-a;
    https://m.mundoeducacao.uol.com.br/sociologia;

  4. É a tática de naturalizar desatinos, absurdos, bizarrices.
    Depois de 5, 10, 20 balões de ensaio, o pessoal nem liga mais…fica distraído
    E aí, vai-se uma Vale, uma Embratel, uma Eletrobras, uma Embraer.
    A BR (e outras), o povo nem sabe que já foram.
    Vao-se as terras públicas, os biomas, as águas, os povos, a biodiversidade…
    E assim, vai-se um braZil.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome