Brasil confirma mais de 3 mil mortes por dengue em 2024

Ana Gabriela Sales
Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.
[email protected]

2,6 mil óbitos seguem em investigação. Dados mostram que 2024 se tornou o período mais letal da doença já registrado do século

Mosquito Aedes aegypti, que é o transmissor de todas as arboviroses que atualmente circulam no país, como a Dengue. | Foto: Laura Sorrensen via PxHere.

O Brasil contabilizou 3.038 mortes confirmadas por dengue só este ano, de acordo com os dados do Painel de Monitoramento das Arboviroses do Ministério da Saúde, atualizado na tarde de ontem (24).

Além das mortes confirmadas, outros 2.679 óbitos seguem em investigação no país. Ao todo, são mais de 5,7 mil vítimas fatais, confirmadas ou suspeitas da doença. São Paulo é o Estado com o maior índice de mortes: 812.

A série histórica de dados mantida pelo Ministério da Saúde mostra que 2024 bateu o recorde de casos registrados da doença e, desde abril, se tornou o período mais letal já registrado do século. 

O informe desta sexta-feira, mostra também que o Brasil já registrou 5.239.876 casos prováveis de dengue desde de janeiro. Minas Gerais lidera a lista das federações com o maior número de casos prováveis (1.470.002), enquanto o Distrito Federal (DF) tem o maior coeficiente de incidência de casos por 100 mil habitantes, que bateu a marca de 9.085,9.

Nove Estados e o DF já decretaram situação de emergência por causa da doença.

Saiba sobre a dengue

O mosquito Aedes aegypti é transmissor de todas as arboviroses que atualmente circulam no país, como a Dengue, Chikungunya e Zika. Segundo o Ministério da Saúde, a dengue é a arbovirose urbana mais prevalente no Brasil, transmitida pela picada da fêmea do mosquito.

A pasta relaciona o aumento de casos da doença a fatores climáticos, como o calor excessivo e chuvas intensas efeitos do fenômeno El Niño. As altas temperaturas contribui para o aumento da população do mosquito, que pode usar como criadouros espaços com água parada, desde caixas d’água até vasos de planta.

Nos casos mais comuns, as vítimas infectadas apresentam sintomas como febre alta; dor no corpo e nas articulações; dor atrás dos olhos; mal-estar; dor de cabeça; e manchas vermelhas no corpo. Já os sinais de alarme da doença são caracterizados principalmente por dor abdominal intensa e contínua; vômitos persistentes; acúmulo de líquidos; sangramento de mucosa; e irritabilidade.

Em dezembro passado, o Ministério da Saúde anunciou a incorporação da vacina da dengue Qdenga ao Sistema Único de Saúde (SUS). Atualmente, pessoas de 6 a 16 anos podem ter acesso às doses. Antes, a faixa era de 10 a 14 anos.

Leia também:

Ana Gabriela Sales

Repórter do GGN há 8 anos. Graduada em Jornalismo pela Universidade de Santo Amaro. Especializada em produção de conteúdo para as redes sociais.

0 Comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Apoie e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Seja um apoiador