Coronavirus: O mundo está ganhando a luta contra a pandemia?

No início da pandemia, demorava semanas para registrar cada 100.000 infecções, agora esses marcos são medidos em horas.

da BBC News

Coronavirus: O mundo está ganhando a luta contra a pandemia?

por James Gallagher

Passaram-se pouco mais de seis meses desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou a chegada de um novo vírus uma emergência global.

Naquele dia, no final de janeiro, havia quase 10.000 casos notificados de coronavírus e mais de 200 pessoas morreram. Nenhum desses casos ocorreu fora da China.

Desde então, o mundo e nossas vidas mudaram profundamente. Então, como estamos indo nessa batalha entre a raça humana e o coronavírus?

Se considerarmos o planeta como um todo, a imagem parece grosseira.

Houve mais de 19 milhões de casos confirmados e 700.000 mortes. No início da pandemia, demorava semanas para registrar cada 100.000 infecções, agora esses marcos são medidos em horas.

“Ainda estamos no meio de uma pandemia acelerada, intensa e muito séria”, disse-me a Dra. Margaret Harris, da OMS. “Está presente em todas as comunidades do mundo.”

Embora se trate de uma única pandemia, não é uma história única. O impacto da Covid-19 é diferente ao redor do mundo e é fácil ficar cego para a realidade além de seu próprio país.

Mas um fato une a todos, quer façam suas casas na floresta amazônica, nos arranha-céus de Cingapura ou nas ruas do final do verão do Reino Unido: este é um vírus que prospera no contato humano próximo. Quanto mais estivermos juntos, mais fácil será a propagação. Isso é tão verdadeiro hoje quanto quando o vírus surgiu pela primeira vez na China.

Este princípio central explica a situação onde quer que você esteja no mundo e dita como será o futuro.

Ele está impulsionando o alto volume de casos na América Latina – o atual epicentro da pandemia – e o aumento na Índia. Isso explica por que Hong Kong mantém pessoas em quarentena ou as autoridades sul-coreanas monitoram as contas bancárias e telefones das pessoas. Isso ilustra por que a Europa e a Austrália estão lutando para equilibrar a suspensão dos bloqueios e a contenção da doença. E porque estamos tentando encontrar um “novo normal” em vez do antigo.

“Este é um vírus que circula por todo o planeta. Afeta cada um de nós. Vai de humano a humano e mostra que estamos todos conectados”, disse a Dra. Elisabetta Groppelli, da St George’s da Universidade de Londres. “Não se trata apenas de viajar, é falar e passar tempo juntos – é o que os humanos fazem.”

Leia também:  Depois da posse de Fux, Augusto Aras também testa positivo para COVID-19

Até o simples ato de cantar juntos espalha o vírus.

Também provou ser um vírus excepcionalmente difícil de rastrear, causando sintomas leves ou nenhum sintoma para muitos, mas mortal o suficiente para outros para sobrecarregar hospitais.

“É o vírus pandêmico perfeito de nosso tempo. Estamos vivendo na época do coronavírus”, disse o Dr. Harris.

Onde houve sucesso, foi quebrando a capacidade do vírus de se espalhar de uma pessoa para outra. A Nova Zelândia recebe mais atenção. Eles agiram cedo, enquanto ainda havia poucos casos no país: fecharam, selaram suas fronteiras e agora quase não têm casos. A vida voltou ao normal.

Acertar no básico também ajudou nos países mais pobres. A Mongólia tem a fronteira compartilhada mais longa com a China, onde a pandemia começou. O país poderia ter sido fortemente afetado. No entanto, não ocorreu um único caso que necessitasse de cuidados intensivos até julho. Até o momento, eles tiveram apenas 293 diagnósticos e nenhuma morte.

“A Mongólia fez um bom trabalho com recursos muito limitados. Eles fizeram ‘epidemiologia de couro de sapato’ isolando casos, identificando e isolando esses contatos”, disse o professor David Heymann, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Eles também fecharam escolas rapidamente, restringiram viagens internacionais e foram os primeiros promotores de máscaras faciais e lavagem de mãos.

Por outro lado, o professor Heymann argumenta, uma “falta de liderança política” tem dificultado muitos países onde “líderes da saúde pública e líderes políticos têm dificuldade para falar juntos”. Nesse clima, o vírus floresceu. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o médico infeccioso mais importante do país, Anthony Fauci, estiveram claramente em páginas diferentes, se não em livros completamente diferentes, durante a pandemia. O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, participou de comícios anti-lockdown, descreveu o vírus como “uma pequena gripe” e disse que a pandemia estava quase acabando em março.

Em vez disso, só no Brasil, 2,8 milhões de pessoas foram infectadas e quase 100.000 morreram.

Mas os países que superaram o vírus – principalmente por meio de bloqueios dolorosos e devastadores da sociedade – estão descobrindo que ele não desapareceu, se espalhará novamente se relaxarmos nossa guarda e se a normalidade ainda estiver distante.

“Eles estão descobrindo que é mais desafiador sair do bloqueio do que entrar”, disse o Dr. Groppelli. “Eles não pensaram em como podemos coexistir com o vírus.”

Leia também:  Anvisa dobra número de voluntários em testes da vacina de Oxford

A Austrália é um dos países que está tentando traçar um caminho para sair do bloqueio, mas o estado de Victoria está agora em modo “desastre”. Melbourne voltou ao bloqueio no início de julho, mas – como o contágio continua – desde então impôs regras ainda mais rígidas. Agora há um toque de recolher noturno e espera-se que as pessoas façam exercícios a 5 km de suas casas.

A Europa também está se abrindo, mas Espanha, França e Grécia relataram o maior número de casos em semanas. A Alemanha notificou mais de 1.000 casos por dia pela primeira vez em três meses.

Usar máscaras, antes uma raridade, agora é comum na Europa, mesmo com alguns resorts de praia insistindo nisso.

E – em um aviso a todos nós – o sucesso passado não é garantia para o futuro. Hong Kong foi amplamente elogiado por resistir à primeira onda de coronavírus – agora bares e academias foram fechados novamente, enquanto seu resort na Disneylândia conseguiu manter os portões abertos por menos de um mês.

“Sair do bloqueio não significa voltar aos velhos tempos. É um novo normal. As pessoas não entenderam essa mensagem”, disse Harris.

A posição da África na luta contra o coronavírus permanece uma questão em aberto. Já houve mais de um milhão de casos; depois de um início bem-sucedido, a África do Sul parece estar em uma posição ruim, com a maioria dos casos no continente. Mas relativamente poucos testes significam que uma imagem cristalina é difícil.

E há o enigma da taxa de mortalidade notavelmente mais baixa da África em comparação com o resto do mundo. Aqui estão algumas das sugestões sobre o motivo:

– As pessoas são muito mais jovens – a idade média (média) na África é 19 e Covid é mais mortal na velhice

– Outros coronavírus relacionados podem ser mais comuns e podem fornecer alguma proteção

– Problemas de saúde comuns em países mais ricos, como obesidade e diabetes tipo 2, que aumentam o risco de Covid, são menos comuns na África

Leia também:  Quilombolas acionam Bolsonaro no STF para garantir atendimento emergencial em pandemia

Os países estão inovando em resposta. Ruanda tem usado drones para entregar suprimentos a hospitais e transmitir restrições ao coronavírus. Eles estão até mesmo sendo usados ​​para pegar aqueles que desrespeitam as regras, como descobriu um pastor ligado à igreja.

Mas, como acontece com partes da Índia, sudeste da Ásia e além, o acesso a água potável e saneamento prejudica as mensagens mais simples de lavagem das mãos.

“Há pessoas que têm água para lavar as mãos e outras que não”, disse Groppelli. “Esta é uma grande diferença, podemos praticamente quebrar o mundo em dois. E há uma grande dúvida sobre como eles controlam o vírus a menos que haja uma vacina.”

Então, quando tudo isso vai acabar?

Já existem tratamentos com medicamentos. A dexametasona – um esteróide barato – mostrou salvar alguns dos pacientes mais doentes. Mas não é o suficiente para impedir a morte de todos os pacientes da Covid-19 ou eliminar a necessidade de todas as restrições. Nos próximos meses, será dada atenção especial à Suécia, para ver se sua estratégia será recompensada a longo prazo. Ele não bloqueou, mas até agora teve uma taxa de mortalidade significativamente mais alta do que seus vizinhos, depois de não proteger as pessoas em lares de idosos.

Geralmente, as esperanças do mundo de fazer a vida voltar ao normal dependem de uma vacina. Imunizar pessoas quebra a capacidade de propagação do vírus.

Existem seis vacinas agora entrando na fase três dos ensaios clínicos. Este é o estágio crítico em que descobriremos se as vacinas que parecem promissoras realmente funcionam. O obstáculo final também é o ponto em que muitos remédios tropeçam. Autoridades de saúde dizem que a ênfase deve permanecer em “se” recebermos uma vacina e não em “quando”.

A Dra. Margaret Harris, da OMS, disse: “As pessoas têm essa crença hollywoodiana em uma vacina; que os cientistas vão apenas consertá-la. Em um filme de duas horas, o fim vem muito rápido, mas os cientistas não são Brad Pitt, injetando-se e dizendo ‘todos nós seremos salvos’.”

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome