Reportagem do Extra reforça suspeitas sobre relações Witzel-Milícias

Reportagem de Rafael Soares, do jornal Extra, revela que batalhão da PM do Rio que recebia propinas das milícias era comandado pelo atual Secretário da PM de Wilson Witzel

Reportagem de Rafael Soares, do jornal Extra, revela que batalhão da Polícia Militar do Rio, que recebia propinas das milícias, era comandado pelo atual Secretário da Política Militar de Wilson Witzel.

O dado reforça as suspeitas de que o trabalho genocida do governador Wilson Witzel insere-se na estratégia de ocupação de territórios das milícias.

Mensagens de Orlando Curicica revelam elo da milícia com batalhão de Jacarepaguá

Por Rafael Soares, do jornal Extra

Mensagens encontradas pela Polícia Civil e pelo Ministério Público no celular do miliciano Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, escancaram as relações promíscuas entre o batalhão de Jacarepaguá, o 18º BPM, e o grupo paramilitar que domina o bairro. Nos diálogos, Orlando e seus comparsas mencionam o pagamento de propina a PMs da unidade, a venda de armas apreendidas em operações por policiais à milícia e até avisos prévios do grupo paramilitar ao batalhão sobre áreas que seriam invadidas pela quadrilha.

As mensagens, obtidas pelo EXTRA, foram trocadas por Orlando e seu bando em outubro de 2017. À época, o comandante do 18º BPM era o coronel Rogério Figueredo, atual secretário de Polícia Militar. Os diálogos fazem parte da investigação que culminou na Operação Entourage, que levou 18 comparsas de Orlando à cadeia.

Numa das conversas, Orlando determina a um comparsa, identificado como o PM Leandro Marques da Silva, o Mingau, o pagamento de R$ 12 mil a uma ala do Grupamento de Ações Táticas (GAT) — policiais responsáveis pelas ações operacionais — do batalhão. Segundo Curicica, o valor seria referente ao “arrego mais a peça”. O miliciano explica: a quadrilha havia comprado uma pistola calibre .40 e munição para fuzil que foram apreendidos pelos PMs durante uma operação.

Leia também:  A prova de fogo: o salvamento ou a falência completa do sistema de justiça, por Gustavo Roberto Costa

O comparsa alerta o chefe que um policial estava reclamando, num áudio enviado à quadrilha, sobre atrasos no pagamento da propina. “Meia hora de polícia. Porque é GAT do 18 acha que é esperto”, escreve Mingau. Orlando responde que o pagamento para “a ala da pistola não vai seguir atrasado, não”.

As conversas também indicam que o GAT do 18º BPM fazia vista grossa para invasões de comunidades. PMs eram avisados sobre ataques e recebiam orientação para não agir. Em outubro de 2017, a milícia se preparava para tomar a Favela do Tirol. Na semana anterior, Felipe Raphael de Azevedo, o Chel, um dos seguranças do grupo paramilitar, disse ao chefe que iria “avisar ao setor e ao GAT no sábado”. A ação estava programada para a madrugada de domingo.

Orlando concorda com o aviso aos PMs: “Isso, principalmente o GAT”. “Fica amarradinho, né?”, pergunta o comparsa. “Tem que amarrar, porque os simpáticos vão ligar, 190”, afirma Orlando, referindo-se a possíveis telefonemas de moradores para a polícia.

Mensagens ainda revelam como Orlando recrutava policiais militares para ocuparem as favelas invadidas, ajudando a impedir o retorno de traficantes. Mingau, de acordo com um dos diálogos, recebe uma ordem para chamar pelo menos dois PMs, “só para ficar tranquilo”. Em seguida, Orlando estipula os valores que pagaria a quem topasse permanecer nas comunidades tomadas: R$ 1.200 para milicianos que não são PMs e R$ 2 mil para policiais. Se a arrecadação com taxas cobradas de moradores fosse boa, haveria um aumento. “Melhorando, melhora o de todo mundo”, escreveu. Após a troca de mensagens, o Tirol passou a ser dominado pela milícia.

Leia também:  Witzel diz que mandaria um míssil na Cidade de Deus para "explodir aquelas pessoas"

Durante a Operação Entourage, deflagrada no último dia 31, quatro PMs foram presos, entre eles Rodrigo Jorge Ferreira, o Ferreirinha. Ex-homem de confiança de Orlando, ele é acusado pela Polícia Federal de ter tentado atrapalhar a investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e do motorista Anderson Gomes. Ao tentar incriminar o antigo chefe, dizendo que ele e o vereador Marcello Siciliano (PHS) tinham interesse na morte da parlamentar, Ferreirinha planejava, segundo investigadores, assumir o comando de uma área. Orlando e Siciliano negaram a acusação.

(…) O coronel Rogério Figueredo ficou pouco mais de dois anos no comando do 18º BPM, de novembro de 2015 a fevereiro de 2018. Na função, não conseguiu conter o aumento da violência. Em 2015, a região registrou 369 roubos de carros. Em 2017, foram 804, 117% a mais. No mesmo período, os roubos de rua também dispararam, e as mortes em confrontos com a polícia passaram de oito para 25. Antes de ser nomeado secretário pelo governador Wilson Witzel, o coronel comandou as UPPs.

Leia aqui a íntegra da reportagem

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

10 comentários

  1. Os homens de bem são os juízes, os jornalistas da grande mídia e os condutores do fiéis em diversas igreja evangélicas e também parte da igreja católica. E os maus homens da nossa saudável sociedade brasileira são pretos e/ou pobres e estão nas favelas ou nas periferias da cidades. Eis a verdade acreditada como indesmentível dos bolsonaristas militantes. E acho que assim será por longo tempo, infelizmente.

    4
    2
  2. Deve ser muito difícil para um policial honesto trabalhar no meio desse antro de criminosos.
    Difícil não, impossível.
    Como disse o Torquato Jardim “os comandantes da PM do Rio são sócios dos bandidos”.
    Vergonha para o Rio de Janeiro e para o Brasil.

    2
    1
  3. Deve ser muito difícil para um policial honesto trabalhar no meio desse antro de criminosos.
    Difícil não, impossível.
    Como disse o Torquato Jardim “os comandantes da PM do Rio são sócios dos bandidos”.
    Vergonha para o Rio de Janeiro e para o Brasil.

  4. Esses são os honestos heróis como são chamados pela família do bozo e seus seguidores fascista bandido e o músico morto pelo exército o catador de reciclagem o pai de família que mora na favela que ganha salário mínimo mais tá escrito que o povo tem o rei que merece não escolhero ele

  5. Não vi em momento algum, envolvimento direto do comandante nessa investigação, matéria distorcida. Como sempre os agentes públicos são previamente condenados e, “suspeitos”de fuzil em punho, são inocentes.

    1
    1
  6. Vcs elege politicos com muita sujeira debaixo do tapete que ver cara não ver coração trazendo pra si uma bomba tônica o povo tente um tenta outro político mais nada de melhora as coisas contínua rauinadas e vergonhoso mais pra Deus a honestidade e a caridade é coisa sagrada por isso que toda eleições eu voto em Branco para não assumir um sentimento de culpa

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome