Marcha de seis dias denuncia um ano do crime da Vale, em Brumadinho

11 pessoas continuam desaparecidas e 270 corpos já foram retirados da lama da barragem da Vale, que rompeu no dia 25 de janeiro de 2019

MÍDIA NINJA

por Walber Pinto

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) iniciou, nesta segunda feira (20), uma marcha de seis dias para denunciar o crime da Vale em Brumadinho (MG), que completa um ano no próximo sábado, dia 25 de janeiro.

A tragédia provocou a morte de 270 pessoas – 11 delas ainda estão desaparecidas – e mudou toda a vida da população atingida pela lama e rejeitos de mais de 10 milhões de metros cúbicos (m3).

O crime da Vale também afetou a vida dos produtores rurais. Mais de 70 agricultores pediram indenização à mineradora, por meio da Defensoria Pública. Apenas 30 fecharam acordo com a mineradora.

A largada da marcha ocorreu em Belo Horizonte, com uma caminhada dos atingidos e atingidas, saindo da Praça do Papa até a Praça Milton Campos, com paradas em frente ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e em frente a Agência Nacional de Mineração, no cruzamento da Afonso Pena com avenida do Contorno, onde protocolaram documentos para marcar posição em relação a postura do Estado.

A marcha segue para a cidade de Pompeu, onde tem atividades nessa terça feira (21). Na quarta os atingidos estarão em Juatuba, quinta-feira em Citrolândia e São Joaquim de Bocas, na sexta em Betim, onde será realizado seminário internacional que contará com a presença do ex-presidente Lula. A marcha termina no sábado (25), com atividades em Brumadinho e no Córrego do Feijão.

 

Leia também:  MPF aponta "Falsa Defesa" dos atingidos na reparação do crime da Samarco no ES

Entenda o caso

O crime em Brumadinho, que ocorreu dia 25 de janeiro de 2019, foi o segundo rompimento de barragem da mineradora Vale. O acidente provocou a maior tragédia ambiental, trabalhista e humana do país, com centenas de mortos e desaparecidos.

O primeiro rompimento criminoso foi o da barragem da Samarco, em 2015, mineradora brasileira de propriedade da Vale e da anglo-australiana BHP Billiton, e ocorreu em Mariana.

O rastro de lama tóxica saiu de Mariana e percorreu 663 km até encontrar o mar, no Espírito Santo. O número de vítimas fatais foi de 19 pessoas do que o desastre ambiental.

Marcha

O deputado federal PT-MG, Rogério Correia, que foi relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que apontou os responsáveis pelo crime, participou da marcha inicial nesta segunda-feira (20).

“Já entramos um relatório ao Ministério Público que deve fazer essa semana o indiciamento e a criminalização dessas pesssoas”.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

1 comentário

  1. Onde estão TODAS Instituições e Organismos da Sociedade Civil cobrando responsabilizações sobre este Crime contra a Humanidade? O Brasil é muito óbvio. E os Brasileiros são apenas um empecilho a ser retirado do caminho. O que realmente importam 300 mortes? Ainda mais mortes brasileiras? Água, o Bem mais imprescindível deste Milênio? Só papo para encher cofres de ONG’s renomadas. O que importa Mariana ou Brumadinho / MG? O que importa o Ninho do Urubu ou Boate Kiss? Empecilho momentâneo para ser jogado no esquecimento. A rapidez de Indenizações na ordem de 19.000.000.000,00 (Dezenove bilhões de reais). Isto somente para ‘Gente Importante Estrangeira Desconhecida’ que tiveram Prejuízos Vitais nas suas Poupudas Contas Bancárias. Seriedade e Justiça é para este tipo de Gente, é claro. OAB? CREA? Partidos Políticos? Sindicatos? Igrejas? Só porque foram prejudicados e morreram ‘alguns’ Brasileiros? Pobre país rico. Mas de muito fácil explicação.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome