Revista GGN

Assine

Zanin

Lava Jato falhou na acusação do triplex, mas Sergio Moro deu seu jeito, aponta Zanin

Foto: Reprodução

Jornal GGN - O advogado Cristiano Zanin publicou um vídeo reforçando as impressões da defesa em relação a resposta de Sergio Moro sobre os embargos à sentença do triplex. Segundo Zanin, no despacho do dia 18, Moro disse expressamente que Lula não é dono do apartamento no Guarujá e nem se beneficiou do contratos na Petrobras. Porém, como não poderia declará-lo inocente, inventou uma nova denúncia para substituir as acusações improcedentes da força-tarefa da Lava Jato.

Leia mais »

Média: 4 (16 votos)

Moro prova que aplica 2 pesos e 2 medidas quando o assunto é Lula

Jornal GGN - Sergio Moro deu mais um motivo para a defesa de Lula sustentar que, contra o ex-presidente, tramita em Curitiba um processo mais político que jurídico. Ao negar estender um pouco mais o prazo de julgamento do caso triplex, para dar chance da defesa inserir novos depoimentos favoráveis a Lula, Moro se contradiz e escancara o uso de 2 pesos e 2 medidas em suas decisões. Isso porque o que Moro nega a Lula agora, já foi aplicado em outro processo, por iniciativa do próprio juiz.

Disse o magistrado, em despacho divulgado nesta terça (11):

"A instrução [do caso triplex] já se encerrou faz tempo, as alegações finais foram apresentadas e o processo está concluso para sentença. A Defesa de Luiz Inácio Lula da Silva peticionou requerendo a juntada de depoimentos tomados em ação penal conexa. Descabe o pretendido nessa fase e os depoimentos referidos sequer são relevantes para o julgamento da presente. Indefiro."

São dois, portanto, os argumentos de Moro para rejeitar o pedido de Lula: a irrelevância dos depoimentos e o fato de ele já estar com os autos em mãos para encerrar o caso.

Leia mais »

Média: 4.3 (11 votos)

Devassa na vida de Lula não deu em nada, aponta defesa

Foto: Lula Marques/Agência PT
 
 
Jornal GGN - A defesa do ex-presidente Lula publicou no HuffPost Brasil, nesta segunda (10), um artigo indicando que a devassa feita pela Lava Jato na vida do petista não conseguiu produzir provas e o enredo fabricado pelos procuradores de Curitiba para condená-lo deveria ser invalidado pelo juiz Sergio Moro. O problema é que Moro tem se comportado como parte da acusação, promovendo violações aos direitos do ex-presidente. 
 
"Lula, seus familiares e colaboradores foram vítimas de uma devassa, tiveram todos os sigilos quebrados e dados divulgados, com reprovável antecipação de juízo de valor por membros da Lava Jato. Mas não se logrou avanço no campo probatório. Não foi encontrado valor ilícito e nem vínculo entre o ex-presidente e irregularidades envolvendo empreiteiras e agentes da Petrobras."
 
No final, os advogados indicam que provaram a inocência de Lula no caso triplex e avaliam que ele deveria ser absolvido.
Média: 4.6 (10 votos)

Caixa só confirmou que triplex nunca foi de Lula, diz defesa

Foto: Reprodução

Jornal GGN - A defesa do ex-presidente Lula emitiu nota à imprensa comentando o posicionamento da Caixa Econômica Federal diante da revelação de que um fundo gerido pela estatal detém o direito econômico e financeiro sobre o triplex da OAS desde 2010. A prova desse fato consta nas alegações finais que os advogados Cristiano Zanin, Valeska Teixeira e Roberto Teixeira enviaram ao juiz Sergio Moro, para desmontar a denúncia da Lava Jato, na terça (20).

Leia mais »

Média: 4.6 (20 votos)

Nem de Lula, nem da OAS: triplex é da Caixa há pelo menos 7 anos

"Nem Léo Pinheiro, nem a OAS tinham a disponibilidade do imóvel para dar ou oferecer a quem quer que seja", diz Cristiano Zanin
 
Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN - A defesa do ex-presidente Lula apresentou, durante coletiva de imprensa em São Paulo, o teor das alegações finais sobre o caso triplex, cujo prazo para entrega ao juiz Sergio Moro termina nesta terça (20). Durante a exposição, o advogado Cristiano Zanin revelou que encontrou novas provas de que "nem Léo Pinheiro, nem a OAS tinham a dispobilidade do imóvel para dar ou oferecer a quem quer que seja".
 
Isso porque, desde 2010, o triplex, assim como os demais apartamentos do Consomínio Solaris, no Guarujá, foi entregue pela OAS a um fundo controlado pela Caixa Econômica Federal. Como nenhum depósito foi feito em conta bancária sinalizada pela Caixa, o triplex não foi liberado a ninguém, muito menos a Lula. 
 
"Se o triplex não é nem jamais foi de Lula, sua absolvição é obrigatória. Não só porque o Ministério Público não produziu prova do que diz, mas porque a defesa produziu provas da inocência de Lula", disparou o advogado.
Média: 4.6 (22 votos)

Lava Jato quer condenação de Lula sem provas, só com PowerPoint, diz Zanin

Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula

Jornal GGN - Advogado do ex-presidente Lula, Cristiano Zanin Martins publicou um vídeo nas redes sociais comentando as alegações finais da força-tarefa da Lava Jato sobre o caso triplex. Na peça, o Ministério Público deveria provar que houve desvio de R$ 87 milhões da Petrobras e que Lula, em troca de favorecimento à OAS, revebeu o triplex no Guarujá e recursos para manutenção do acervo presidencial.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Advogados de Lula dizem que procuradores "insistem em teses ilegais"

Foto: Instituto Lula

Da Agência Brasil

Um dia após o Ministério Público Federal (MPF) pedir a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e mais seis pessoas pelos crimes de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro, a defesa do ex-presidente criticou os membros do MPF que "insistem em teses inconstitucionais e ilegais” e agem "de forma incompatível com o Estado de Direito e com as regras internacionais que orientam a atuação de promotores em ações penais", diz nota assinada pelos advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira.

Leia mais »
Média: 5 (4 votos)

Defesa de Lula questiona validade de prova da OAS no caso triplex

Foto: Divulgação

Jornal GGN - O advogado Cristiano Zanin, que defende Lula de Sergio Moro no caso triplex, protocolou na quinta (25) duas manifestações que questionam a validade de provas juntas pela OAS, Renato Duque e força-tarefa da Lava Jato no processo em que o ex-presidente é acusado de receber a propriedade oculta de um apartamento no Guarujá e propina para manutenção do acervo presidencial.

Na primeira manifestação, o defensor de Lula indica que parte do documento entregue pela OAS pode ter sido falsificado. Isso porque os advogados de Leo Pinheiro anexaram alguns e-mails trocados entre executivos da empresa sobre o mesmo assunto (qual apartamento da obra no Guarujá merecia "atenção especial") e, na página anterior a cada comunicação, fez um "comentário de revisão". Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Juiz que suspendeu Instituto Lula usou Youtube e cometeu erros na decisão

Foto: Ricardo Stuckert

Jornal GGN - A defesa do ex-presidente Lula entrou com um recurso no Tribunal Regional Federal da 1ª Região contra a decisão do juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal de Brasília, que determinou a suspensão do Instituto Lula. No recurso, a defesa do petista mostra que o magistrado usou informações alheia ao seu processo, como vídeos do Youtube, delações e depoimentos de ação penal que corre em Curitiba, além de ter cometido erros factuais.

Leia mais »

Média: 4.4 (14 votos)

Após proibir gravação de Lula, Moro se contradiz e autoriza áudio de dono da UTC

Jornal GGN - No mesmo dia em que proibiu a defesa de Lula de fazer uma gravação paralela à oficial do depoimento do ex-presidente em Curitiba, que ocorre amanhã (10), o juiz Sergio Moro caiu em contradição e permitiu que os advogados do petista fizesse a gravação da audiência do delator Ricardo Pessoa, da UTC.

Leia mais »

Média: 3.2 (5 votos)

Triplex: Advogado pediu à PGR apuração sobre versão combinada contra Lula

Sergio Moro negou suspensão do julgamento do caso triplex enquanto PGR não esclarecer se Leo Pinheiro combinou versão contra Lula com procuradores da Lava Jato. Para juiz de Curitiba, Pinheiro tem direito, como co-réu, a dar sua versão dos fatos, "seja ela verdadeira ou não"
 
Foto: Ricardo Stuckert/Instituto Lula
 
Jornal GGN - O advogado Cristiano Zanin Martins solicitou à Procuradoria Geral da República uma investigação sobre o depoimento de Leo Pinheiro, ex-OAS, ao juiz Sergio Moro no processo do caso triplex. Isso porque a imprensa publicou, dias antes da audiência em Curitiba, que Pinheiro "negociou" com os procuradores da Lava Jato os detalhes de tudo que deveria ser dito contra Lula.
 
Segundo reportagem da Folha, Pinheiro daria diante de Moro um aperitivo de tudo que poderia dizer contra Lula à Lava Jato. Fazendo isso antes de fechar a delação, a força-tarefa ainda espera desmontar as críticas de que o acordo só sairia com informações preciosas contra o ex-presidente. No mesmo dia da audiência Pinheiro, o jornal Valor Econômico também antecipou, com base em fontes ligadas ao processo, o que ele iria dizer: que Lula era o dono do triplex no Guarujá. 
 
"Diante do teor da reportagem da Folha de S. Paulo, que diz, inclusive, ter ouvido pessoas ligadas às investigações, fizemos pedido à PGR para que apure eventual ilícito, tendo em vista que um processo de delação não pode ocorrer dessa forma, sem que os outros co-réus tenham conhecimento do que acontece fora da luz do sol, e também com a situação posta pelo jornal, que é incompatível em um acordo de delação. Isso a meu ver corrobora com a suspensão deste processo", disse Zanin ao juiz Sergio Moro.
Leia mais »
Média: 4.5 (10 votos)

Moro é "entendido" de "propaganda política" para o PSDB, diz equipe de Lula

Jornal GGN - A equipe do ex-presidente Lula decidiu não deixar barato a discussão entre o juiz Sergio Moro e o advogado Cristiano Zanin, durante uma audiência do caso triplex que tinha como testemunha o ministro da fazenda e ex-presidente do Banco Central Henrique Meirelles.

Durante a oitiva, Moro impediu Zanin de perguntar a Meirelles se Lula fez bem ao País ou se focou em corrupção para perpetuar o PT no poder. A justificativa é que, além de a testemunha não ter autorização para dar opinião pessoal em juízo, Zanin parecia estar fazendo "propaganda política do antigo governo."

Leia mais »

Média: 4.6 (10 votos)

Defesa de Lula diz que editorial do Estadão é "curandeirismo jurídico"

 
Jornal GGN - Para os advogados Cristiano Zanin Martins e Valeska Teixeira Zanin Martins, que atuam na defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Estado de S. Paulo voltou "a praticar curandeirismo jurídico" no editorial publicado nesta terça-feira (28), que diz ser inevitável a condenação de Lula.
 
Segundo a defesa, o jornal apresenta fragilidade de argumentos ao sustentar, no editorial, que “se os processos contra Lula forem analisados somente no âmbito jurídico, a derrota do petista é certa”.
 
"O próprio jornal, no entanto, não apresentou qualquer argumento jurídico para sustentar sua posição e a tese que pretende reforçar junto aos leitores. A realidade é bem diversa daquela exposta pelo jornal", apontam.
Média: 4.4 (13 votos)

Texto de Merval Pereira sobre Lula não é jornalismo, diz advogado

Montagem: Brasil 247

Jornal GGN - O advogado Cristiano Zanin, que atua na defesa do ex-presidente Lula, disse nesta segunda (9), em carta aberta ao jornalista Merval Pereira, de O Globo, que o texto dele incitando a opinião pública a dar a condenação e prisão de Lula na Lava Jato como certa não é digno de ser chamado de jornalismo.

Merval publicou em sua coluna um texto falando das delações da Odebrecht e insinuando - a exemplo do colega Ricardo Noblat, que é processado por Lula - que o juiz Sergio Moro já tem indícios suficientes para condenar o ex-presidente. O caso envolve um apartamento e um terreno em São Paulo, que a Lava Jato diz que a Odebrecht queria dar a Lula para a construção de seu instituto.

Leia mais »

Média: 4.4 (35 votos)

Blog divulga vídeo em que Moro provoca defesa de Lula

Jornal GGN - O blog Migalhas divulgou o vídeo em que o juiz Sergio Moro aparece provocando a defesa do ex-presidente Lula ao término de uma audiência do caso triplex. Na ocasião, a testemunha Afonso Pinheiro, ex-zelador do Condomínio Solaris, havia xingado os advogados e Lula de "um bando de lixo", situação que Moro permitiu e depois classificou apenas como "um pouco de excesso".

Leia mais »

Média: 5 (9 votos)