A importância das cooperativas rurais e da economia criativa para o pequeno produtor vencer a crise, por Ana Beatriz Prudente

E o incentivo à inovação no campo é fundamental para estimular a economia criativa a trazer soluções para a área, criando mais condições para seu desenvolvimento. 

A importância das cooperativas rurais e da economia criativa para o pequeno produtor vencer a crise, por Ana Beatriz Prudente

Todos os setores da economia, de alguma forma, sofreram impacto por conta da pandemia.  Alguns mais, outros menos, no entanto, não há nenhum profissional que não tenha sentido seu cotidiano se transformar repentinamente. Entre os segmentos que mais sentiram mudanças drásticas está o de produtores rurais, especialmente, os organizados em cooperativas. Antes desta crise, sua lucratividade estava diretamente ligada às vendas aos restaurantes e grandes atacadistas ou às feiras livres.

Hoje, essa demanda diminuiu consideravelmente. Isso se dá por conta de dois fatores: o primeiro é a redução nas vendas dos estabelecimentos gastronômicos, muitos estão hoje trabalhando apenas por delivery, portanto, há um gasto menor com ingredientes. O segundo é o fato de que a população não está frequentando, com a mesma regularidade, as feiras livres. Muitas pessoas estão comprando de forma mais planejada para garantir a durabilidade dos alimentos e evitar saídas desnecessárias. Além disso, estamos observando um aumento na venda de industrializados nos supermercados, já que muitos não se sentem tão confortáveis em comprar alimentos que ficam expostos, como é o caso de frutas, verduras e legumes, e acabam optando por adquirir produtos embalados e mais práticos de higienizar ou de armazenar.

Portanto, este cenário interfere notavelmente no dia a dia dos pequenos produtores agrícolas. No primeiro semestre deste ano, o governo federal anunciou um pacote de medidas econômicas para minimizar as dificuldades do setor. Dentre elas, destaca-se a prorrogação do parcelamento dos financiamentos de custeio e de investimentos vencidos e não pagos. Para as cooperativas de agricultores familiares, a taxa de juros será de 6% ao ano, com prazo de pagamento de 240 dias. Também foi criada uma linha de crédito para assegurar pequenas despesas na propriedade, reestruturação da produção, custeio da atividade e a manutenção do produtor e sua família. O limite para cada trabalhador será de R$ 20 mil, com taxas de juros anuais de 4,6%.  Essas ações aconteceram depois de muita pressão dos agricultores e das cooperativas.

Outra iniciativa muito importante neste momento, não veio do governo, mas sim de pesquisadores ligados à Universidade de São Paulo, que criaram um aplicativo para auxiliar os agricultores –  por conta de uma competição promovida pela USP São Carlos. A ideia foi aproximá-los dos restaurantes, evitando o desperdício de alimentos e modernizando o campo. Nomeada de Hort-e, a plataforma, desenvolvida por um grupo de pesquisadores de São Carlos, Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre e Itatiba, faz a interlocução entre clientes e produtores e facilita a logística para ambos (que é feita de maneira inteligente e tecnológica). Ela organiza a demanda dos estabelecimentos gastronômicos, que precisam de produtos frescos, e aciona um pequeno produtor cadastrado que possa fazer a entrega.  Uma notícia promissora que traz alento para toda a cadeia produtiva, sobretudo para as cooperativas de agricultores. É também um exemplo da efetivação da economia criativa no campo.

Leia também:  Coronavírus: Com aumento de casos, Holanda anuncia novas restrições

Inovações como essas são maneiras de aplicar a economia criativa no meio rural, visto que seu principal objetivo no segmento é otimizar a sustentabilidade ambiental e, desta forma, promover a sustentabilidade social. E o incentivo à inovação no campo é fundamental para estimular a economia criativa a trazer soluções para a área, criando mais condições para seu desenvolvimento.

O cooperativismo rural no fortalecimento da dignidade do pequeno agricultor

Uma grande alternativa para aqueles que querem ganhar o mercado de trabalho ou para achar novos espaços ou para se reinserir no mercado: este é cooperativismo. Por conta da atual pandemia, a organização em cooperativas tem se tornado mais necessária ainda, especialmente, num momento no qual as pessoas estão sofrendo com diversas ausências: de emprego, de dinheiro, de educação adequada para as crianças e de respeito pelas condições justas para as mulheres continuarem a exercer suas atividades profissionais etc.

Para alguns setores como a agricultura, desde o século XX, a automatização da indústria eliminou muitos postos de trabalho e a organização em cooperativas tornou-se uma forma viável de oferecer mão de obra ao segmento, com mais produtividade e menor custo. É também uma solução de sobrevivência e qualidade de vida no campo e na cidade. Historicamente também, por volta do ano de 1844, o cooperativismo de trabalho foi uma das soluções para o desemprego. A cooperativa permite uma clareza com a legitimidade de contratos entre empregado e empregador, com efeitos positivos em diversos aspectos, pois cria-se uma mão de obra mais qualificada, dignidade e reconhecimento de direitos sociais para o trabalhador.

Leia também:  Coronavírus: Rússia relata maior número de mortes diárias desde o início da pandemia

Um exemplo é a Cooperaca, cooperativa de produtores da agricultura familiar do interior de São Paulo (localizada entre as cidades de Americana e Nova Odessa), com foco em produtos orgânicos.   Há cinco anos, contava com 34 associados das cidades próximas e faziam entregas para o PNAE – Programa de Alimentação Escolar, PAA – programa de aquisição de alimentos e CONAB – Companhia Nacional. A cooperativa além do doar alimentos, vendia para as comunidades locais e empregava pessoas da região. Uma forma de incentivar a permanência de jovens no campo e de destacar o papel social do agricultor.

A função desse tipo de associação é chegar em uma comunidade ou grupo para melhorar a condição de vida, resolver ausências de produtos, falta de acesso a serviços, problemas de locomoção e comunicação e outros problemas sociais.  Segundo a ONU, 1 bilhão de pessoas estão ligadas ao cooperativismo em todos os continentes. Como filosofia de vida, prega a participação democrática, a solidariedade, a independência e a autonomia. Valores que fazem parte do ser humano, desde a antiguidade. A origem do corporativismo organizado, tal como é hoje, é de 1884: a primeira cooperativa do mundo foi fundada por vinte e oito tecelões na cidade de Rochdale, na Inglaterra. O país no século XIX foi reconhecido como um exemplo de cooperação solidária, cujos princípios eram a autoajuda, autoresponsabilidade e igualdade de decisões.

Atualmente no Brasil, há 13 setores principais cujas cooperativas são bastante atuantes, entre elas, estão: educação, agronegócio, financeiro, saúde e mineração. No entanto, há milhares de grupos, de diversas classes sociais se reunindo e se organizando para reivindicar melhores condições e formando iniciativas muito positivas. Eles devem ser incentivados, sempre. Reforço que são sete os princípios do cooperativismo:

  1. Adesão voluntária e livre;
  2. Gestão democrática;
  3. Participação econômica dos membros;
  4. Autonomia e independência;
  5. Educação, formação e informação;
  6. Intercooperação;
  7. Interesse pela comunidade
Leia também:  "Pandemia foi superdimensionada" e "tivemos alguns sucessos", diz Bolsonaro

As cooperativas unem os pequenos produtores e os fortalecem. Fazem com que se venda mais, de maneira sustentável, criando elos sociais importantíssimos e transformando a vida do agricultor e de suas famílias. É uma estratégia de negócios que possibilita melhores negociações e vai além ao acessar mercados que um pequeno agricultor isolado dificilmente acessaria. Um diferencial que tira o agricultor familiar da margem, faz com que ganhe voz e ganhe vez. As cooperativas rurais incentivam ainda o desenvolvimento de políticas públicas com foco social. O caminho para a agricultura familiar é a união e é, por meio dela, que se traçam novas possibilidades tantos no segmento público tanto no privado.

Ana Beatriz Prudente é ativista pelo empoderamento do pequeno produtor rural e dos empreendedores, educadora de agrossustentabilidade e desenvolve projetos de Economia Criativa nos meios rural e urbano.

Você pode fazer o Jornal GGN ser cada vez melhor.

Assine e faça parte desta caminhada para que ele se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Assine agora

3 comentários

  1. É sério que falaremos sobre Cooperativismo? É sério que a ‘ Patrulha da Gestapo Ideológica ‘, permitirá que seja mostrado o Cooperativismo como absolutos caminhos e saídas para a AgroPecuária Brasileira? “…O cooperativismo rural no fortalecimento da dignidade…” Como vocês acham que a dinâmica, sustentável e insuperável AgroPecuária chegou até os rincões da Amazônia, levando progresso, desenvolvimento, sustentabilidade e prosperidade até àquela Região? Como a AgroPecuária transportada por caminhões gaúchos levou paz, dignidade, desenvolvimento, comida, educação, até os miseráveis rincões do Nordeste, parasitado pela Indústria da Seca e Coronelato Abjeto, implantado durante a Ditadura Fascista se 1930, prosperando e continuando desde então? Como a AgroPecuária Brasileira levou a inigualável Produção de Frutas no Semi-árido Nordestino, entre BA, PE, AL, RN,…? O Cooperativismo desenvolvido e ampliado a partir dos Agricultores Paulistas, foi transportado para a ampliação das Áreas Cultiváveis do PR,SC, RS e depois levadas destas regiões para todo o Brasil. Não conhecemos e estudamos Nossa própria História !! É surreal !!!! Vejam como a CAC (COOPERATIVA AGRÍCOLA DE COTIA / SP) juntamente com a Embrapa, levaram a produção de uvas para Petrolina e Juazeiro no final da década de 1960 começo de 1970, quando os mesmos medíocres que hoje tanto criticam, diziam que era impossível que fosse possível produzir uvas (ou frutas) naquela região !!!! Pobre país rico. Até quando tanta farsa e desinformação? Mas de muito fácil explicação.

  2. Na mesoregião oeste do Paraná, 57% dos estabelecimentos agropecuários são associados à cooperativas, com destaque à região de Toledo, com 68%. A tradição cooperativista destes agricultores veio com a colonização, com migrantes do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.
    O faturamento das 7 maiores cooperativas desta região (Cascavel, Toledo e Campo MOurão), em 2019, foi próximo a 42 bilhões de reais. Estas atuam no agronegócio, com força na exportação de commodities (soja, milho, carne de frango e de suínos, principalmente).
    NO entanto, exigências do mercado, necessidade de escala e legislação ambiental têm excluído cada vez mais os pequenos agricultores destas cooperativas. Assim, observa-se na região o surgimento de dezenas de pequenas cooperativas de agricultores, organizando as cadeias de alimentos para atender o crescente mercado consumidor regional, com foco importante na produção orgânica.
    Alguém pode alegar que as grandes cooperativas atuam como empresas privadas, mas são reguladoras de preços e investem na região. As suas sobras (lucros) são necessariamente investidos na sua área de ação ou distribuídos aos associados.

Deixe uma mensagem

Por favor digite seu comentário
Por favor digite seu nome